10 curiosidades sobre o sono dos animais

sono dos animais

Graças aos avanços tecnológicos a ciência pôde entrar no mundo do sono dos animais. Embora ainda há muito para se descobrir e muitas teorias de antigamente foram deixadas para trás, e foi possível revelar uma grande quantidade de informações novas sobre o tema.

Dados curiosos sobre o sono dos animais

Durante o sonho, a característica da atividade cerebral varia de uma espécie para outra. Entretanto, os movimentos dos olhos e a atividade muscular, cardíaca e respiratória são muito parecidas na maioria dos animais.

Além disso, temos que levar em conta que muitas espécies têm que adaptar sua maneira de dormir por uma questão de sobrevivência.

A seguir, lhe contaremos algumas curiosidades sobre os hábitos de sono dos animais.

Muito, pouco, com um olho aberto, parados. Os animais dormem de diversas formas e, embora não se possa afirmar que eles sonhem, muitos deles realizam movimentos oculares rápidos, os mesmos que os humanos fazem nas mesmas circunstâncias.

1. Os mais dorminhocos do reino animal

sono dos animais

Apesar de haverem ganhado a fama de dorminhocos, as preguiças não são os animais que mais dormem. Mas embora o nome deles não ajude muito a desfazer o mito, hoje já se sabe que esses animais dormem entre 9 e 10 horas por dia.

Entretanto, os coalas costumam dormir uma média de 14,5 horas. Mas o recorde parece ser o dos morcegos: eles podem permanecer nos braços de Morfeu por mais de 20 horas por dia.

2. Todos os animais sonham?

Os donos de cães já viram mais de uma vez os seus peludos sonharem. Mas embora os pesquisadores não possam dar garantia absoluta de que os animais estão sonhando, eles conseguem supor, já que eles realizam movimentos oculares rápidos, os mesmos que os humanos fazem quando sonham.

Isto foi observado, por exemplo, em baleias, polvos, lulas, ornitorrincos e até em ratos. E se suspeita que quase todas as espécies -sobretudo os mamíferos- têm uma fase de sono rápida e outra mais profunda.

3. Os insetos dormem?

O que acontece é que os insetos são mais parecidos conosco do que poderíamos imaginar. E não só a nível genético; também em relação a respostas fisiológicas.

Uma boa parte deles –vespas, abelhas, baratas, etc.- têm patrões de sono/vigília muito similares aos dos mamíferos. Outros, como as mariposas, se sabe que descansam de noite, mas sem poder afirmar que dormem. Mas elas entram sim em uma espécie de letargia.

4. Os pássaros voam dormidos?

Há algum tempo, não muito distante, se acreditava que os pássaros que migram e percorrem longas distâncias dormiam enquanto voavam. Agora está mais concreta a teoria que indica que algumas espécies, na verdade, deixam de dormir até que completem o percurso, por mais extenso que ele seja.

5. Dormir pouco, uma questão de sobrevivência

Alguns animais se veem impossibilitados de dormir profundamente e por muito tempo, já que de outra forma eles seriam uma presa fácil dos predadores. É o caso das girafas (4 horas), dos cavalos (3 horas) e dos elefantes (3 horas e meia).

Esses animais também se utilizam de diversos mecanismos para permanecerem vigilantes. Por exemplo, a girafa está acostumada a dormir de pé e só quando se sente absolutamente segura ela se deita para descansar. Então ela deita no chão e dobra o seu comprido pescoço até colocar a cabeça sobre as ancas.

6. A estranha maneira de dormir dos golfinhos

Os golfinhos podem segurar a respiração embaixo d’água por, em média, 15 minutos. Por esse motivo, eles têm que adaptar o ciclo de sono deles a estas circunstâncias.

Assim, eles desativam um dos hemisférios cerebrais e inclusive fecham o olho correspondente. Enquanto isso, o outro lado do cérebro, que permanece acordado, se dedica a vigiar, conservar a flutuação do corpo e controlar a respiração e outros processos fisiológicos básicos.

Bônus track: Mais curiosidades sobre o sono dos animais

sono dos animais

  1. Como os peixes não produzem padrões de ondas cerebrais, poderia se afirmar que eles não dormem. Entretanto, muitos deles apresentam uma redução dos níveis de metabolismo, da atividade física e uma baixa resposta aos estímulos.
  2. Foram registrados casos de cães e gatos sonâmbulos.
  3. Os roedores apresentam padrões de sono semelhantes aos das pessoas: precisam dormir para descansar, estarem alerta e aprenderem novas tarefas.
  4. Dizem que as lontras de mar se dão as mãos quando dormem, assim elas se asseguram que as correntes marinha não as separem.