4 erros comuns na hora de alimentar um cão

erros

Por falta de conhecimento ou por não perguntar ao veterinário, pode ser que você esteja cometendo erros ao alimentar o seu cão. Não se preocupe, pois isso não é nada grave, tudo pode se modificar e melhorar a favor da saúde de seu peludo. Conheça neste artigo os erros mais comuns na hora de alimentar um cão.

Erros comuns na hora de alimentar um cão

Para evitar problemas de saúde, maus hábitos ou excesso de peso no cão, é importante modificar seus hábitos quando você o alimenta. As típicas falhas que cometemos como donos são:

  1. Deixar a comida ‘ao ar livre’

comida-especial-para-filhotes

Com a desculpa de “é para o peludo”, não damos muita atenção ao armazenamento da comida. Mas tal e como acontece com qualquer alimento, as bactérias se encarregarão de sua decomposição, se ele estiver exposto ao ar e à umidade. Desta maneira, é mais provável que o animal adoeça.

Use, por exemplo, os sacos de ração para mantê-la fresca a todo momento, e feche-os bem. Se você dá ao seu pet comida úmida, como arroz, então guarde na geladeira. Qualquer recipiente tem que estar limpo e bem fechado.

  1. Deixar a comida que o cão não consome no prato

Às vezes os cães não terminam tudo o que há em seu prato, seja porque não gostam de algo ou porque estão satisfeitos. Se isso acontecer, não a deixe à intempérie, e menos ainda se for de noite, porque poderá atrair a atenção de roedores ou insetos.

Além disso, ela começará a se decompor e, se no outro dia o cão for comê-la, ele estará ingerindo alimento em mal estado ou estragado.

A regra é simples: se tiverem se passado três horas e seu pet não comeu todo o prato, é provável que ele já não o consuma. Portanto, você tem duas opções: jogar no lixo ou guardar na geladeira para a próxima refeição.

  1. Não lavar o prato depois da comida

Novamente pensamos que não é necessário porque se trata do prato do cão, mas não é bom que ele fique sujo da refeição anterior. Embora pareça limpo, o comedouro terá restos de comida que depois se decompõem e se transformam em fungos.

A sujeira nesse recipiente pode acumular bactérias que deixarão o peludo doente. Portanto, quando ele terminar de comer, lave seu prato como o faria com os das pessoas: com detergente e água quente.

  1. Não olhar os prazos de validade

Toda a comida vence em algum momento, incluindo a dos cães. Se você lhe der ração úmida ou alimento em lata, dê muita atenção a esse prazo de validade, porque se o animal come algo em mal estado, pode sofrer de dor de estômago, vômitos, diarreia, etc. Atenção, a ração seca também tem prazo de validade.

Falhas que não devemos cometer ao alimentar um cão

Além desses 4 erros, há outras questões que devem ser levadas em conta na hora de dar de comer ao seu pet. Portanto, dê muita atenção:

cao-nao-mastiga-bem-a-comida

  • Não exceda a quantidade de ração diária. Pergunte ao veterinário para saber a quantidade adequada segundo a idade, o peso ou certas condições.
  • Não compre alimentos em grande quantidade, se você tiver apenas um animal já que a exposição à umidade, ao sol ou ao poeira o deteriora facilmente.
  • Evite comprar marcas de ração muito baratas para economizar um pouco de dinheiro. Muitas vezes elas provocam problemas digestivos no peludo e o gasto com o veterinário e medicamentos será superior ao economizado.
  • Não se esqueça de alimentá-lo diariamente, já que, se ele passar fome, se tornará agressivo, fuçará o lixo e até poderá morder o que encontrar em seu caminho.
  • Não lhe dê restos de sua comida, como ossos ou gordura animal, porque fazem mal para sua saúde.
  • Não lhe ofereça biscoitos ou petiscos. Ele só deve recebê-los quando se comportar bem, quer dizer, como um prêmio.
  • Evite abusar de ração úmida ou de comida “de pessoas”, porque têm muitos hidratos de carbono e é provável que aumente seu peso.
  • Não alimente o seu cão com algo que o veterinário tenha proibido. É ruim para a saúde do animal.
  • Evite comprar alimentos de adultos para seu filhote, e vice-versa. Cada um está preparada com a dose de vitaminas e proteínas que os cães precisam em cada idade determinada.