4 perigos da má escolha do cão ou do gato

Os riscos que podem ocasionar a má escolha de um cão ou gato em casa são muito diversos. O cão que late sem parar porque fica o dia todo sozinho ou que destrói a casa quando os donos estão ausentes. Em outros casos, o felino é o causador da destruição.

A escolha mais adequada possível do animal de estimação é fundamental para evitar problemas de convivência ou de abandono. É preciso levar em consideração que a vida do cão pode durar até os 15 anos e do gato até os 20 anos.

Para que a estadia do animal de estimação em um lar seja satisfatória, é necessário refletir sobre alguns aspectos diferentes, como o tempo que você dispõe para cuidar do cão ou do gato.

Perigos derivados da má escolha do animal de estimação

um-cão-e-dois-gatos-salvam-a-vida-de-uma-familia-e1456188647631

Fuente: www.lavozdegalicia.es

Às vezes, um animal de estimação que entra em um lar sem que os donos tenham pensado bem antes de adquiri-lo, e sem levar em consideração as diversas variáveis, como o tempo de que você dispõe ou o tipo de vida familiar que você tem. Tudo isso pode trazer problemas que irão acabar afetando a convivência e a integração do animal.

Também costuma ser comum que os problemas que afetam a casa devido à convivência com o animal de estimação possam passar para o resto dos membros da família. Dessa forma, um vai começar a culpar o outro pela situação e irão começar as tensões e as brigas. Uma das causas dessas confusões é a escolha inadequada do animal de estimação.

Dessa maneira, o ambiente em casa e entre a família irá se alterar quando a convivência não for boa e o hábito do gato, cão o qualquer outro animal se tornará um motivo de discórdia ao invés de alegria. É fundamental, portanto, dedicar um tempo para refletir se o animal recém-chegado irá constituir uma fonte de bem-estar ou irá gerar problemas de convivência.

O risco do animal ser abandonado

Uma das principais razões que originam o abandono de animais na Espanha é a escolha inadequada e impensada com relação ao animal de estimação. Estudos revelaram que o abandono de cães e gatos na Espanha se encontra em torno dos 15%.

Outras razões estão relacionadas ao comportamento do animal, assim como à falta de tempo para dar atenção ao cão ou ao gato, por exemplo, devido ao nascimento de um filho.

Solidão para o cão e o gato

Quando você não consegue dar a atenção devida ao seu cão ou ao seu gato, pouco a pouco, isso irá gerar um excesso de solidão para o animal de estimação e a sua infelicidade. Por exemplo, levar para passear é muito importante, e o animal se acostuma com isso. Se, de repente, independentemente das causas, você não puder passear com o bichinho, o seu animal irá se deprimir progressivamente.

Cada animal possui uma personalidade própria, seja ele cão, gato ou qualquer outro bicho. Uma parte importante disso estará condicionada de acordo com a raça do animal. Por exemplo, um poodle terá necessidades e um caráter muito diferente com relação a outros animais de grande porte.

Existem cães domésticos que precisam praticar mais exercício físico, já outros são mais nervosos ou menos independentes. São fatores que devem ser levados em conta na hora de escolher um animal de estimação. Se essa integração não acontecer, teremos em casa um animal que não conhecemos, que não se adapta ao nosso estilo de vida, e ao qual não poderemos dar atenção. E isso irá culminar em infelicidade para todos, inclusive para o seu cão ou gato.

Depressão

cão-triste

Quando o animal de estimação se encontra com a família inapropriada e não recebe a atenção que necessita, sejam elas físicas ou emocionais, ele poderá padecer de doenças, como é o caso da depressão nos cães ou gatos, ansiedade e determinados comportamentos destrutivos.

Como podemos observar, a saúde do animal pode se encontrar seriamente comprometida quando os donos não são capazes de cuidar deles de uma forma responsável. Uma solução para isso será transferir para as crianças a responsabilidade do cuidado dos animais de estimação. Dessa forma, o cão ou o gato não irá sentir a sensação de solidão e os pequenos da casa irão se tornar “adultos responsáveis”.