A dor torna o cão agressivo

O normal é que um cachorro agressivo seja o que sofre a dor ou a ofensa, o que gera comportamentos violentos. A dor, segundo estudos realizados, é o que provoca essas reações no animal. Isso explicaria certas atitudes nos animais de estimação que causam sofrimento, que inclusive fazem com que ataquem crianças.

Causas da agressividade

brigas organizadas de cães

Há outras causas que também potencializam o comportamento ameaçador ou agressivo, como é o caso do desmame. Os estudos comprovam que o cachorro perigoso não nasce assim, mas se torna perigoso, enquanto que outros cientistas afirmam que é possível localizar a agressividade do cachorro em seu sangue.

Essas teses da agressividade explicam, por exemplo, quando um cachorro que dorme tranquilo e sereno sobre nossos pés, ao longo de algumas horas, parece se transformar e atacar de um modo muito violento a quem o ameace com a retirada de seu prato de comida ou um objeto que ele queira muito, etc.

Os cientistas afirmam que há muitas causalidades que originam a reação de um cachorro de forma violenta, inclusive se se trata de um animal pacífico. Uma delas é a dor, assim como a sensação de ameaça. Como se costuma dizer, a ofensa se responde com mais ofensa.

Em alguns casos, foi demonstrou que a dor e a ofensa explicam esses comportamentos perigosos nos animais que não tinham agredido alguém antes. Mediante apalpações, se tem demonstrado que, na maioria dos casos, o cão sofria de uma patologia lacerante, isto é, a agressividade se devia a dor.

Um exemplo disso são os problemas nos quadris, que fazem com que o cachorro fique manco, sobretudo naqueles de grande porte.

Ataques de um cachorro agressivo a crianças

Todos escutamos às vezes notícias em que as crianças são um alvo habitual do ataque de um cachorro violento. Dessa forma, 60% das agressões graves por mordidas de cachorros foram cometidas contra crianças menores de doze anos. Essa ação é preocupante e fonte de estudo permanente.

A dor é a origem dos ataques do cachorro agressivo

Ainda que o cachorro leve tempo para conviver com a família que o tenha adotado, a realidade diz que os cachorros podem se mostrar agressivos em relação aos membros da família ou em relação a desconhecidos. Sofrer de dolorosos problemas veterinários é um sinal. Se o animal é perigoso, ainda se potencializará mais o ataque que pode produzir se ele experimentar uma ofensa forte.

Os cachorros com antecedentes violentos se mostram ainda mais agressivos, quer dizer, depois de terem experimentado dor, esses animais multiplicam seus ataques e atitudes em ambientes onde antes já tinham se mostrado perigosos, como ao dar a eles uma ordem.

Entre as doenças que exacerbam a violência de um cachorro se destacam o hipotireoidismo, alterações do sistema nervoso central (tumores intracranianos e outras patologias que produzam mudanças no sistema nervoso), assim como problemas hepáticos, entre outros muitos problemas de saúde.

Outras causas além da dor que tornam o cachorro agressivo

Nem todos os casos, logicamente, mostram que o cachorro é violento devido à dor. Como temos visto, o desmame precoce do filhote – antes dos dois meses de idade – como causa de um futuro comportamento perigoso é também muito comum.

Outros problemas se produzem diante da falta de exercício físico, o estresse, a herança genética e a escassa socialização do filhote ou do cachorro adulto. Esses fatores influenciam de um modo importante na potencial violência do animal.

Transtornos causados por ter sofrido danos físicos ou psicológicos também aumentam a possibilidade de que o animal seja agressivo. A tristeza, os sintomas da depressão, bem como a desconfiança e determinados comportamentos violentos podem ser explicados como consequência dos maus-tratos.

O sangue é revelador

Staffordshire-bull-terrier-cãess-agressivos

Na detecção do cachorro violento, o sangue pode gerar pistas. Alguns exames realizados tiveram como resultado que, se forem estudados os hormônios presentes no sangue do animal, pode-se determinar se o cachorro é ou não agressivo.

Por exemplo, da análise do sangue pode-se deduzir que os animais violentos têm uma menor quantidade de um neurotransmissor denominado serotonina sérica, em comparação com os cachorros que são mais serenos e tranquilos. Pelo contrário, seu sangue contém maior concentração do cortisol.

Se tivermos uma raça de grande porte e nos preocupa sua possível tendência à agressividade em um dado momento, uma análise de sangue nos oferecerá dados.