A história do cão cego salvo por seu cão guia

cão cego salvo

Todos sabemos que os cães-guia são animais maravilhosos, capazes de dar um sentido novo à vida de seus donos com sua empatia e incansável dedicação. Alguns obtêm certo reconhecimento quando aparecem nas redes sociais, outros se tornam famosos por alguma proeza especial. Mas há muitos casos que passam despercebidos e que escondem valiosos ensinamentos. A de um cão cego salvo é uma bela história.

Um cão cego salvo e seu companheiro. Dois amigos inseparáveis

Um exemplo de amizade canina é a história dos cães Tanner e Blair. Tanner é um Golden retriever, epilético e cego de nascença. Não havia esperança para ele quando ele deu entrada no hospital para animais de Woodland West, em Oklahoma, Estados Unidos.

Tanner, o cão cego salvo, tinha apenas dois anos, mas já tinha passado por dois lares que tinham desistido dele, infelizmente. Os evidentes traumas que ele trazia consigo e as convulsões epiléticas que sofria quase toda noite, faziam com que os doutores valorizassem muito seriamente a possibilidade de vir a lhe sacrificar. Não tinha sentido prolongar sua dor.

Mas um acontecimento e visita inesperada deu um giro em sua história. Blair, um Labrador Retriever, apareceu na mesma clínica. Vinha de vagabundear e sobreviver nas ruas, com feridas de bala em seu corpo que serviam como provas do mal que ele havia atravessado. O medo se mantinha permanentemente em sua expressão diminuída e em seu comportamento esquivo.

No princípio, ninguém imaginou que Tanner e Blair, tão abandonados pela sorte até então, fossem se conectar imediatamente. Mas assim foi. Os dois cães começaram a passar cada vez mais tempo juntos e os profissionais do hospital não demoraram para perceber importantes avanços, fazendo parecer que o cão cego salvo teria possibilidades de levar uma vida normal.

Um cão guia de cegos improvisado

Ocorreu de forma natural. Ninguém adestrou o cão Blair para segurar a correia de Tanner e começar a lhe guiar. Mas com isso, o contato com Tanner, conseguiu reduzir grandemente os níveis de ansiedade de Blair.

Os empregados da clínica afirmaram que Tanner deixou de ter convulsões e que Blair foi se tornando cada vez menos assustado. Esta bela história de amizade não demorou para chegar aos meios de comunicação e as ofertas de lares adotivos se multiplicaram.

Os veterinários da clínica decidiram que fossem onde fossem esses cães, Tanner e Blair deviam ir juntos. Alguns meses mais tarde, a dupla terminou sendo acolhida por uma família de Jenks, uma pequena localidade de Tulsa. Eles não só continuam unidos, mas também encontraram um terceiro companheiro chamado Louie, um cão que já vivia com sua nova família e que lhes acolheu encantado.

Mais exemplos de cães-guias de cegos

Nos jornais se encontram histórias muito belas, cães que salvam a vida de seus donos e de outras pessoas. Há muitas curiosidades sobre os cães.

Em 2001, um engenheiro colombiano cego chamado Omar Eduardo Rivera, que trabalhava no andar 71 de uma das Torres gêmeas de Nova Iorque, se salvou da morte graças ao cão Salty, seu cão guia de cegos, que o ajudou a descer as escadas e chegar até a rua, conforme contou o sobrevivente aos meios de comunicação seu país.

Naquele dia, Rivera, empregado do Departamento Tecnológico de Serviços de Informação da Autoridade de Portos do Estado de Nova Iorque, chegou mais cedo ao trabalho para entregar alguns documentos preparados para uma importante reunião que ocorreria em sua empresa.

Acompanhado de seu cão-guia, ele se surpreendeu, segundo suas próprias palavras, quando alguém gritou: “Por que diabos este avião está vindo em nossa direção? ” Mas um pouco mais tarde houve um impacto, um ruído tão estrondoso que ele foi ouvido como se fosse em sua sala. O edifício começou a estremecer e isso é tudo do que ele se lembra.

Nesse momento, o cão-guia, da raça Labrador, que estava ao lado de seu escritório, se levantou e saiu, de forma nervosa, enquanto se escutavam pedaços de vidro caindo.

Em meio à confusão…um cão amigo

Rivera continua sua narração, “Tivemos muitas dificuldades, confusão, acima havia muita fumaça, cheiro de gasolina. A princípio havia muito pânico, algumas pessoas tentavam o primeiro lugar na evacuação do prédio, mas na verdade eu considero que houve bastante prudência pela maioria das pessoas”, acrescentou.

Nesses momentos em que reinava a confusão, Rivera rezava para poder continuar vivo. Mas seu cão guia de cegos Salty se encarregou de guiar seu dono e amigo são e salvo até a rua. O engenheiro desceu junto com sua chefe, Danna Enrigt, que entre os andares de número 64 e 65, tentou tirar a coleira de Salty, para agilizar a descida, mas o cão se negou a seguir sem ela e o dono teve que acalmá-lo.

Fonte da imagem: www.abc.es