As vítimas venezuelanas que ninguém conhece (animais de estimação)

A situação na Venezuela é desesperadora. Além de ser uma crise, na qual é difícil encontrar um trabalho, é impossível encontrar comida. Para comprar, as pessoas recebem tíquetes e têm que esperar em longas filas nas lojas e nos supermercados. E isso para poder pegar “o que está reservado a ele”. Mas, se as pessoas são vítimas da situação, também são vítimas os animais de estimação.

Nem sequer eles podem escolher o que querem. Por exemplo, uma jovem de 26 anos de idade, depois de ficar três horas na fila, só pôde receber um saquinho de farinha e uma caixa de espaguete. Com certeza isso é triste! A maior parte do mundo sabe como é complicada a situação da Venezuela. Porém, muitos se esquecem de que há outras vítimas invisíveis: os animais de estimação.

E se os donos deles têm dificuldade para comer, eles, os animais de estimação nessa situação, passam a ficar em segundo plano.

A situação dos animais de estimação vítimas na Venezuela

evitar-que-o-cao-coma-na-rua

Estas situações têm gerado abandono. Muitas pessoas não podem se dedicar aos seus animais de estimação. É uma questão de sobrevivência: ou humanos ou animais.

Por exemplo, Nina, uma cadela boxer linda que se mostrava sã, saudável, deixou de ser um belo animal para se tornar quase uma morta-viva. Cada dia dorme junto ao dono dela e levanta sua cabecinha com as poucas forças que lhe restam. Olha para ele com olhos tristes e perguntando-se se hoje terá o que comer.

O dono dela é um jovem de meia idade desempregado do qual dependem não só Nina, mas também os pais dele.

Mas Nina pelo menos ainda tem um dono e um lar, outros não tiveram essa sorte. As ruas da Venezuela estão repletas de animais abandonados. São esqueletos vivos que nem sequer podem conseguir algo no lixo para comer.

No entanto, o dono dela se lamenta dizendo: “é duro se sentar para comer e não ter nada para dar a ela”. Ficou desempregado porque seu pequeno negócio faliu. Agora, “sobrevivem” com 23 dólares mensais da pensão do pai dele.

A escassez de alimentos não é o único problema nesse país. Os poucos que estão disponíveis estão a preços exorbitantes que não são acessíveis a ninguém. E isso sem falar do preço da comida para animais!

Os animais de estimação abandonados na Venezuela

É muito difícil determinar quantos animais de estimação estão abandonados nas ruas deste país, mas os números aumentam cada vez mais e mais.

O presidente fundou em 2014 centros de abrigo para animais chamados “Missión Nevado” em homenagem ao cachorro de Simón Bolívar. O objetivo deles era o de cuidar e proteger os animais abandonados. Contudo, a situação que atravessam os animais de estimação no país torna impossível atender a todos.

De fato, foi relatado que um desses centros abriga mais de uma centena de animais e que não param de deixar mais em suas portas para que eles os acolham.

Diante de tal situação, os centros “Misión Nevado” tomaram a iniciativa de dar ateliês aos donos dos animais de estimação. O objetivo deles era que conhecessem alternativas para alimentá-los. Também, o de colocá-los para adoção, transportando-os ao exterior. Ainda assim, a situação não melhorou muito, porque cada vez mais são abandonados animais.

Kathy Quintas, uma das trabalhadoras de um dos centros, explica que eles já não dispõem de alimentos nem para os animais nem para eles mesmos. Vive-se o dia, o que há é repartido entre todos. No centro onde trabalha essa jovem, abrigam-se mais de 200 seres que foram abandonados.

gatos-de-rua

Não são só os animais de estimação

Os animais de estimação, quer dizer, os animais domésticos, não são as únicas vítimas na Venezuela. Também o são outros seres. Por exemplo, nos hipódromos, os cavalos morrem de fome. Nos zoológicos, não se pode manter as espécies que lá vivem, e muito menos aquelas que requerem uma alimentação especial.

É uma situação muito lamentável que desejamos de todo coração que logo se solucione. Desejamos isso tanto para as pessoas como para os animais de estimação. É provável que aqueles animais que vivam na selva da Venezuela estejam mais bem alimentados e longe do problema.