Uma cadela penetra em uma meia maratona e fica em 7º lugar

meia maratona

Os cães nunca deixam de nos surpreender e, cada vez mais, nos dão novas histórias para contar. Este é o caso do Ludivine, uma cadela que fez algo excepcional, penetrou em uma meia maratona! Será que ela completou o percurso? Estamos certos de que você irá adorar conhecer a aventura dessa cadelinha, por isso iremos lhe contar essa história.

O que é uma meia maratona?

meia maratona

Autor: Eduardo Millo

É uma prova de resistência física para a qual os corredores se prepararam durante meses e, até mesmo, anos. É diferente de uma maratona somente na distância percorrida. Em uma maratona completa, são percorridos 42 quilômetros ou 26,2 milhas, enquanto que em uma meia maratona, apenas a metade.

As meias maratonas podem ser independentes ou podem formar parte de uma maratona completa. Os participantes podem se juntar na metade, embora farão uma rota alternativa, mas que atingirá as 13,1 milhas ou 21 quilômetros correspondentes. Obviamente eles não têm como opção os mesmos prêmios que aqueles que correm a maratona completa, já que eles pontuaram de maneira independente.

Por outro lado, as meias maratonas que formam parte de maratonas completas, fazem com que estas tenham maior afluência de pessoas, tornando a situação um pouco mais incômoda. Já que estamos falando sobre isto, se um dia você quiser participar de uma maratona sem muita afluência de pessoas, escolha uma maratona completa sem a opção de uma meia maratona.

Ludivine e sua infiltração na meia maratona

Como é óbvio, quando falamos dos participantes de uma meia maratona, nos referimos a pessoas. O que ninguém poderia imaginar é que alguma vez um cão fosse se atrever a participar de uma. Mas o que teria motivado essa cadelinha a participar de uma?

Ludivine é uma cadela mestiça com uma raça de caça. Ela tem dois anos e meio e muita energia, como demonstrou. Sua dona sempre a leva ao seu jardim para que ela faça suas necessidades, mas, nesse dia, Ludivine viu algo que chamou sua atenção.

Sua dona não podia imaginar, mas Ludivine tinha um plano melhor do que apenas permitir que alguém a visse fazendo suas necessidades. A cadela percebeu como um grande grupo de pessoas caminhavam de forma rápida, ela não sabia para onde, mas algo em seu interior fez com que a cadela se unisse ao grupo.

Ludivine não podia imaginar onde ela estava se metendo, mas se tratava de, nada mais e nada menos, que a Trackless Train Trek Half Marathon, de Elkmont (Alabama), que foi realizada em janeiro deste ano.

Não temos nenhuma ideia de como Ludivine o fez, mas ela soube perfeitamente se colocar na linha de partida e não se moveu até que escutou o “Go! ”. 

E não foi só isso, a cadela conseguiu terminar a meia maratona, as 13,1 milhas em um tempo quase recorde: em 1 hora, 32 minutos e 56 segundos, chegando em sétimo lugar. E isso sem contar que, conforme afirmaram alguns corredores, Ludivine parou no caminho várias vezes para cheirar um coelho morto, para investigar um riacho e, em outra ocasião, quando pensaram que ela tinha desaparecido, a cadelinha possivelmente estava procurando um pouco de intimidade para fazer suas necessidades.

O assombro de sua dona

meia maratona

O certo é que se a cadela não tivesse feito essas paradas, é possível que Ludivine tivesse ganhado a meia maratona com folga em relação a todos os outros corredores.

Sua dona não conseguiu esconder seu assombro. Quando ela viu como Ludivine se juntou à meia maratona, ela se preocupou um pouco porque o tumulto das pessoas poderia ter assustado a cadela e pensou que a cadela pudesse sair correndo para algum lugar e sofrer algum mal. Mas quando a dona viu como ela estava à vontade, ela deixou a cadela livre e a seguiu até a linha de chegada para ver o que ela fazia. E, ali mesmo, a dona esperou a cadela.

“Jamais pensei que Ludivine terminaria a corrida, ela é muito preguiçosa”, disse a dona.

Ainda que preguiçosa, a cadela quase chega em primeiro lugar. Sem dúvida, Ludivine nos deu uma lição. A perseverança e o desejo de fazer algo tira o melhor de nós, nos fazendo desenvolver qualidades que acreditávamos inexistentes. Bravo Ludivine! E obrigado…

Fonte da imagem principal: www.publimetro.com.mx