Uma cadelinha supera seu passado de maus-tratos graças a um bebê

maus-tratos

Depois de um passado de maus-tratos, uma cadelinha chamada Nora encontrou em um bebê de onze meses a segurança que necessitava para superar todos os seus medos. A história está causando sensação na Internet e nas redes e fóruns sociais.

A adoção de Nora depois dos maus-tratos

Nora é uma cadelinha de 8 anos da raça Pointer Inglês. Ela foi adotada pela família Spence depois que souberam que ela teve um passado cheio de maus-tratos. Ao chegar em casa, Nora tinha medo de tudo, exceto de Archie, um bebê que tinha apenas onze meses.

Desta forma, Archie se transformou no melhor amigo desta cadela. Sem intenção, ele foi a melhor terapia para que ela superasse todos os seus medos.

Nora acompanha o bebê a todos os lugares. Assim, eles compartilham os momentos mais íntimos do dia, marcados por sonecas e por constantes brincadeiras.

Archie assimilou desde bebê seu amor pelos animais. Também tem uma correta educação por parte de seus pais. Seu pai afirma que é muito importante para eles tratar com respeito a todos os seres vivos que os rodeiam, e ensinam a seus filhos esse mesmo respeito.

Uma família exemplar

Elisabeth Spence e seu marido têm três filhos e cinco animais de estimação, dois cães e três gatos. Todos eles foram adotados em abrigos depois dos maus-tratos sofridos por esses animais. O dia a dia desta família apaixonou a mais de 50 mil pessoas que os seguem no Instagram.

Os Spence têm uma conta na rede social Instagram. Nela, eles costumam fazer com que as pessoas reflitam sobre a importância de adotar e de dar um lar aos animais abandonados ou vítimas de abusos.

Com um trabalho diário, a segurança da cadelinha Nora foi sendo restabelecida graças à constante dedicação da família e a sua relação especial com o Archie. Embora Nora tenha um passado triste e cheio de sofrimento, sua nova vida junto a seu adorável amigo humano tem feito de seu mundo um lugar melhor.

A integração de um cão maltratado

Um animal que foi maltratado necessita de uma rotina de horários, ter um lugar quente e receber palavras amáveis por parte de seu novo dono.

O dano sofrido com os maus-tratos explica o porquê de o animal poder experimentar, a princípio, receio das pessoas. Reeducar um cão que passou por abusos físicos ou psicológicos por parte de seu dono anterior leva tempo, muito carinho e certos esforços para fazer com que o animal de estimação confie em sua nova família.

Os especialistas afirmam que os abusos físicos ou psicológicos sofridos por um cão podem deixar profundas sequelas no animal. Serão de maior intensidade quanto mais longa foi a triste e deplorável situação de abuso.

Também é importante saber que o cão maltratado pode relacionar os gestos bruscos com a violência sofrida, entre outras coisas, porque ele tem transtornos em seu comportamento.

Estes sintomas de um cão com transtornos devido a um passado de maus-tratos costumam ser tristeza, depressão e inclusive determinados comportamentos agressivos.

Também pode acontecer que um cão vítima de maus-tratos desenvolva certas condutas compulsivas, que realiza de forma repetida e sem razão aparente. É o caso de latidos excessivos, lambidas excessivas de um modo anormal, perseguir de forma obsessiva sua própria cauda ou se mostrar obcecado cavando todos os tipos de superfícies.

As chaves para se aproximar e recuperar um cão maltratado

uma-cadelinha-supera-maus-tratos-2

Fonte: www.lavanguardia.com

Os movimentos lentos e pausados são um dos aspectos importantes com um animal que sofreu maus-tratos. Você terá que o tratar de forma suave, caminhar lentamente, muito devagar.

Ao nos aproximarmos de um cão que sofreu abusos, devemos fazê-lo de uma forma doce, com delicadeza, isso irá cada vez mais passar confiança ao cão sobre os humanos, e poderemos assim ir ajudando em sua recuperação.

O tom de voz também é importante. Use um tom de voz calmo com o animal. Quando lhe oferecer comida, faça com delicadeza, deixe-o, a princípio, perto e se retire, sem forçar nenhum tipo de situação.

O importante é que o animal vá se acostumando com a nossa voz, e associando-a como algo próximo e familiar. E que veja que tudo o que fazemos é para o seu bem-estar, isso lhe causa segurança. Dessa forma, ele irá confiando em nós cada vez mais.

Fonte das imagens: www.lavanguardia.com