Cães e crianças: Cão resgata menina de três anos

Quem é pai sabe perfeitamente que não podemos perder nossos filhos de vista nem por um segundo. Também temos que estar atentos às mentiras que eles nos contam em casa.

Algumas vezes, descobrimos situações que nos despertam sorrisos, enquanto outras, colocam em risco a integridade física de nossos filhos.

No entanto, a maioria concorda que, quando nossos filhos passam pelo pior ou quando eles estão fora de nosso lar, queremos vê-los, ainda que seja por um instante. Nesse momento eterno, incontáveis temores invadem a nossa mente.

Felizmente, na maioria dos casos, eles aparecem rapidamente e então não sabemos se os abraçamos ou os castigamos. Geralmente, optamos por fazer ambas as coisas e nessa ordem.

Falando sobre estes temas, hoje contaremos a você a história de como um cão resgatou uma menina de três anos que estava há 11 dias perdida no bosque.

O cão, o melhor amigo das crianças

Cães e crianças

Se costumamos dizer que o melhor amigo do homem é o cão, não é menos verdadeiro que este tipo de animal de estimação faça uma grande parceria com as crianças.

Os mais pequenos da casa chegam a estabelecer, com o seu animal favorito, uma relação sólida, com grandes benefícios para ambos.

O cachorro desenvolve um instinto de proteção para com nossos filhos, que tranquiliza os pais de grande maneira. Sabemos que, se depender deles, nada de mau irá acontecer aos nossos pequenos.

Sem dúvidas, este vínculo foi a chave para que os protagonistas deste artigo permanecessem unidos ante a adversidade.

Um cão salva a uma menina perdida por quase duas semanas na Sibéria

Karina Chikitova tinha só 3 anos quando aconteceram os fatos que contaremos a você. Numa manhã, seus pais estavam distraídos, já que o chefe da família partiria em viagem.

Quando o homem partiu com o seu veículo, ele não se deu conta de que sua filha começou a correr atrás dele, perdendo-se no bosque com o seu cão.

A mãe, ao não ver a sua filha, pensou que ela tinha ido com o pai, algo estranho. Devido a isto, até 4 dias depois, não tinham denunciado o seu desaparecimento. Tão logo a denúncia foi feita, rapidamente começaram as buscas.

Neste tempo, a pequena lutava para se manter viva no meio do bosque. Ela construiu uma casa com folhagens, alimentou-se de frutos silvestres e bebeu água de um rio próximo.

Ainda que esta história tenha acontecido no verão, na Sibéria, nessa época do ano, a temperatura noturna cai até zero graus.

Mas isso não foi um grande problema, já que o seu cão lhe proporcionou o calor necessário para sobreviver durante 9 longas noites. Então o cão voltou para a sua casa.

Quando tudo parecia perdido, o animal foi capaz de guiar as equipes de emergência até a menina que, apesar de tudo, se encontrava em bom estado físico. Fraca, mas feliz, Karina regressou ao lar que nunca deveria ter abandonado.

Uma história similar protagonizada por um cão e uma menina na Polônia

menina e cão

Uma história similar aconteceu há algum tempo em uma aldeia na Polônia. Outra menininha de três anos deu um susto tremendo em seus pais. Um dia, ela estava brincando no pátio atrás da casa de seus pais e, de repente, desapareceu.

Quando os pais de Julia, o nome da pequena de nossa história, se deram conta do desaparecimento dela, começaram a procurá-la sem obter nenhum resultado positivo. Sem perder mais tempo, contactaram as autoridades locais.

Organizou-se uma busca composta por mais de 250 pessoas, dentre as quais haviam polícias, bombeiros e voluntários locais, para procurar a pequena Julia.

Além disso, contavam com uma equipe de cães e um helicóptero com câmera de infravermelhos para facilitar a visão noturna.

Principalmente durante a noite, se esmeraram em encontrar a pequena, mas tudo foi em vão.

No entanto, no dia seguinte, descobriram a menina a uns quatro quilômetros de seu lar, presa em uma vala. Estava completamente molhada e não era capaz de sair.

Mas ela não se encontrava sozinha: seu cão Charek permaneceu junto dela toda a noite lhe proporcionando calor.

Caso contrário, seguramente, ela teria morrido de hipotermia, já que há que se levar em conta que, durante a noite, na Polônia, naquela época do ano, as temperaturas caíam até os cinco graus a baixo de zero.

Julia só teve que ser hospitalizada por alguns dias para conseguir se recuperar plenamente.

Sem dúvidas, estas duas histórias mostram bem claramente que os cães e as crianças têm uma união inquebrável. Portanto, devemos incentivá-la, não acha?

Créditos da imagem: Carlos Zambrano.