Cães que fazem justiça

Cães que fazem justiça

Há cães que fazem justiça? Era só o que faltava para os nossos amigos de quatro patas fazerem. E a verdade é que, considerando as decisões de alguns juízes, não seria ruim substituí-los por seres com um olhar mais inteligente ou menos interessado. Entretanto, no momento, a inclusão dos peludos nestes âmbitos parece ocorrer apenas no acompanhamento de algumas vítimas.

Um projeto para que os cães ajudem as vítimas

Por iniciativa da associação sem fins lucrativos TEA Terapias com Labradores, foi apresentada no Colégio de Advogados de Oviedo, Espanha, um projeto para que se autorize a presença de cães nos tribunais.

Assim, Astúrias poderia ser a segunda comunidade Autônoma, depois de Madrid, onde estes nobres animais seriam utilizados para apoiar menores em diferentes processos judiciais. O plano também inclui vítimas adultas, particularmente a aquelas que sofreram violência de gênero.

O principal motivo para que os cães intervenham em determinados casos é gerar confiança nas vítimas. Dessa maneira, busca-se que as pessoas reduzam sua ansiedade e estresse, tornando menos traumáticas as distintas instâncias judiciais.

Por isso os cães, especialmente educados para este tipo de tarefa, ofereceriam apoio desde a fase de investigação até a etapa de comparecimento nos tribunais.

Embora não ditem sentenças, há cães que fazem justiça. De que maneira? Ajudando as vítimas durante o desenvolvimento das distintas instâncias de um processo judicial.

No que consiste a iniciativa de cães de apoio nos tribunais

A coordenadora do projeto é Amelia Suárez Rico. Ela é licenciada em Direito e diplomada em Criminologia. Também está titulada pela Universidade de Oviedo em programas de intervenção em terapias assistidas com animais. Por tudo isso, ela conhece muito bem a situação que devem atravessar as pessoas que sofrem a denominada “dupla vitimização”, por terem que reviver a situação dolorosa que sofreram.

Ela também sabe que, com a participação dos cães, as vítimas se tranquilizam e tendem a ser mais comunicativas. Por esse motivo, elas conseguem testemunhar com maior fluidez.

Para concretizar esta iniciativa, a associação TEA oferece seis cães, em sua maioria, da raça Labrador. Além disso, coloca à disposição uma equipe de especialistas composto por:

  • Educadores sociais
  • Psicólogos
  • Pedagogos
  • Profissionais sociossanitários

À espera de que se lance uma experiência piloto

caes-que-fazem-justica-2

Fonte: Facebook de TEA terapias com Labradores

A TEA confia que irão aprovar em breve a implementação de uma experiência piloto de seis meses, que não implicará em nenhum custo para os beneficiários. A decisão depende agora do Ministério de Presidência e Participação Cidadã do Principado e do Tribunal Superior de Justiça de Astúrias (TSJA).

Se a iniciativa for colocada em ação, a participação dos cães deverá ser recomendada pelo advogado, pelo psicólogo ou pelo psiquiatra interveniente em cada caso. Os peludos estariam sempre acompanhados de um terapeuta guia, salvo nas ocasiões em que, por motivos de confidencialidade, o animal tivesse que ficar sozinho com a vítima.

A ideia é que, assim que se detecte uma situação de vulnerabilidade, se dê o aviso à equipe da TEA. Assim, imediatamente será designado um profissional e um cão em apoio a vítima. No caso de menores, deve-se ter também o consentimento dos pais ou dos responsáveis.

Assim trabalham os cães que fazem justiça

Com o trabalho dos cães de apoio nos tribunais, ampliam-se ainda mais os âmbitos onde estes animais de terapia cumprem uma função elogiável. E, para sermos justos com eles, devemos dizer que, à sua maneira, são cães que fazem justiça.

Por isso, não devemos nos esquecer de que estamos nos referindo a um cão de trabalho, que foi formado e avaliado para desenvolver essa função.

Além disso, estes peludos devem cumprir protocolos veterinários que creditem sua saúde física. E seu calendário de vacinação deve estar em dia.

Também, para que os cães entrem nos diferentes tribunais, eles devem portar um peitoral que os identifique e que permita a presença deles no edifício sem maiores inconvenientes.

Fonte da foto principal: www.elcomercio.es

Fonte fotos: Facebook TEA terapia com Labradores