Seu cão pode se lembrar de coisas que você fez

cão pode se lembrar

Os animais têm muitas capacidades que estamos acostumados a desprezar. Alguns estudos provaram que um cão pode se lembrar de coisas que seu dono fez, além de compreender seu comportamento. Inclusive, os cães e os seres humanos compartilham certas habilidades mentais… possivelmente por isso estamos tão unidos. Saiba mais sobre isso neste artigo.

Um cão pode se lembrar de muito mais do que imaginamos

cao-com-ataques-de-panico

A inteligência dos caninos vai além de saber quando pedir comida ou responder ao ouvir seu nome. Uma pesquisa realizada na Hungria afirma que os animais de estimação, depois de uma série de treinamentos, podem se lembrar de/e também imitar as ações dos donos. O único problema reside no fato de que a memória dos cães é mais de curto prazo, se a compararmos com a dos seres humanos.

As pessoas se lembram de coisas que aconteceram faz muito tempo (por exemplo, de quando eram crianças), inclusive aquelas que não são nada importantes. Evocar as férias passadas, uma piada que contou um amigo de infância ou quando ganhou o brinquedo favorito. Isso não acontece com os cães, já que eles têm a capacidade de se lembrar de acontecimentos mais no curto prazo.

Segundo uma publicação da “Current Biology” sobre um estudo realizado pelo Departamento de Etologia da Universidade Eotvos Loránd (Hungria), os peludos contam com uma memória similar à dos humanos em relação a certos episódios do passado.

A responsável pela investigação científica afirma que os resultados são um passo a mais para derrubar as barreiras existentes entre as pessoas e os animais (ou, como se costuma dizer: os animais humanos e não humanos). Ainda que saibamos que os animais são inteligentes, eles sempre nos surpreendem com as suas habilidades mentais que a cada dia são reveladas para nós. Apesar de terem uma evolução diferente da nossa, “compartilhamos” certas características cerebrais semelhantes.

A memória episódica nos cães

Este tipo de lembrança está relacionada à evocação de algum sucesso do passado e se diferencia da memória semântica, porque a episódica está unida a um sentimento ou a uma sensação do ocorrido. Nos animais, a capacidade de codificar e obter informação sobre um fato determinado é considerada “similar à episódica”, mas ainda não há estudos que demonstrem que os cães têm consciência no momento de se lembrarem de algo.

Em estudos anteriores, foi descoberto que os cães podem imitar as ações dos humanos (de seus donos principalmente) inclusive um dia depois de as haver presenciado. A única condição que os animais precisam para esta repetição é de ordens prévias. Desta forma, o cão sabe que deve prestar atenção e se comportar bem ou de acordo com o comportamento que observa.

Os peludos têm uma memória semântica, a qual codifica a mensagem (quer dizer, a ordem) e se prepara para uma resposta (a ação). Isso é tudo o que se pôde confirmar com o estudo húngaro até o momento.

Não podemos perguntar ao animal o que ele recorda do acontecido. Por isso, foi realizado um truque de imitação, para que o cão repita o hábito de seu dono. Dessa maneira, se o dono saltava, o animal de estimação o imitava, uma vez que a pessoa emitia a ordem.

Como um cão pode se lembrar de algo?

etologo-de-caes

Os cientistas ensinaram a cães de diferentes raças a repetirem ações humanas simples, como, por exemplo, tocar um guarda-chuva. Depois, foi desenvolvida uma rotina de treinamento para que, ao ver a mesma ação, os animais de estimação se deitassem no chão.

Este “experimento” por si só não é uma prova confiável para se saber como funciona a memória episódica canina. Entretanto, os cientistas puderam comprovar que os cães se recordam daquilo que viram uma pessoa próxima fazer, inclusive quando não esperavam uma recompensa por isso.

Nestes testes de imitação, os peludos se deitaram antes de receberem a ordem. Quando os donos indicavam que eles deviam se deitar se eles tocassem o guarda-chuva, eles imitaram a ação demonstrada previamente. É bom saber que havia uma maior percentagem de “acertos” quando pouco tempo tinha se passado desde a primeira ação. Quer dizer, que aquelas repetições ocorridas algumas horas depois do movimento inicial não eram correspondidas.

Isto demonstra então que um cão pode se lembrar do que seu dono faz, mas durante um período muito curto de tempo.