Cidade do México quer criar um Instituto de Atenção Animal

Instituto de Atenção Animal

Na Assembleia Legislativa da Cidade do México foi feita a apresentação da iniciativa para criar um Instituto de Atenção Animal. Impulsionado por deputados do Partido da Revolução Democrática (PRD), a criação do instituto tem como objetivo fazer com que a partir disso se desenvolvam estratégias integrais para garantir os direitos dos animais.

Principais objetivos do Instituto de Atenção Animal

Entre as ações que levaria adiante esta instituição, centrada em combater o maltrato em suas diversas formas, se destaca a realização de um censo para elaborar um cadastro de animais de companhia que vivem na Cidade do México.

Além disso, o Instituto de Atenção Animal irá:

Cachorro de rua

  • Atualizar as normas vigentes na matéria;
  • Proteger os animais que se encontrem em situação de abandono;
  • Gerar campanhas de vacinação e de esterilização;
  • Efetuar verificações nas lojas que se dedicam a venda de animais de estimação;
  • Contribuir para criar uma consciência coletiva sobre o cuidado que os animais merecem;
  • Fomentar uma cultura de responsabilidade nos donos;
  • Capacitar a servidores públicos e a cidadãos quanto à correta atenção e proteção dos animais.

Na Assembleia Legislativa da Cidade do México foi feita a apresentação de uma interessante iniciativa. A criação do Instituto de Atenção Animal, um organismo que pretende desenvolver estratégias integrais para proteger os muitos animais que habitam essa grande metrópole da América Latina.

Um projeto elaborado em conjunto para proteger os animais de estimação

O deputado Víctor Hugo Romo Guerra, criador da ideia, disse que o instituto será o único em toda a América Latina que terá uma política integral para com os animais. Por esse motivo, também foram convidados peritos sobre o tema para desenvolverem juntos a proposta, a curto e médio prazo.

O projeto foi elaborado junto a organizações defensoras dos direitos dos animais como:

  • Imprensa Animal (Prensa Animal);
  • Projeto Grande Símio (Proyecto Gran Simio);
  • Pró-cão (Properro);
  • Frente Cidadão Pró Direito Animal.

Além disso, trabalhou-se com diversas secretarias -Meio ambiente, Saúde, Segurança Pública- e com a Procuradoria Ambiental e de Ordenamento Territorial (PAOT).

Também, a apresentação na Assembleia foi acompanhada por ativistas que concordaram em apoiar a iniciativa junto a mais de dez cães, que serão os principais beneficiados se a criação do instituto for aprovada.

Contra a violência e a exploração dos animais

Os propulsores da iniciativa querem destacar que os animais de estimação têm direito a uma vida digna e esperam que, com a criação do Instituto de Atenção Animal, possa-se começar a ver revertida a violência que muitas vezes sofrem os animais domésticos. Também com aqueles que, por exemplo, são utilizados para atividades lucrativas, como é o caso das rinhas de cães.

Por esse motivo, também se pensa em criar ferramentas que permitam aos cidadãos denunciar diferentes ações de maltrato que estes seres inocentes sofrem.

O México faz parte de um grupo particularmente perverso, o dos lugares em que mais se maltrata animais. Este pódio é dividido, se ficarmos apenas no Ocidente, com países como a Grécia, a Espanha e a Venezuela.

Conforme explicam os ativistas, os animais de estimação que habitam o solo mexicano sofrem maltrato de diversas formas. Entre elas:

  • Espancamento;
  • Abandono;
  • Má alimentação e outras negligências no cuidado cotidiano.

Por esse motivo, para se obter uma mudança cultural neste assunto, a educação sobre o que diz respeito a estes seres, deve começar a ser feita desde a mais nova idade.

Para um melhor futuro

Cachorros em parque

Autor: Juanedc

O projeto para a criação do Instituto de Atenção Animal tem grandes chances de ser aprovado durante o atual período legislativo e contará com um orçamento inicial de 10 milhões de pesos mexicanos (algo em torno de 2 milhões de Reais).

Se o organismo for colocado em funcionamento, a Cidade do México terá mais uma boa notícia – depois da recente inauguração de um Hospital Público Veterinário – para aqueles seres que não têm nem voz e nem voto, mas que merecem ser bem tratados e também terem seus direitos respeitados.

Seria louvável que iniciativas como essa se estendessem para outros lugares onde os animais sofrem maus-tratos em virtude de diversas ações humanas, sejam estas conscientes ou inconscientes.