Comportamentos e conflitos em gatos: medo, fobia e ansiedade

Se você perceber que seu gato tem reduzido as atividades que fazem parte de seu comportamento rotineiro, se esconde ou tem um comportamento estranho, como arranhar e morder, talvez seu animal esteja passando por algum transtorno de ansiedade, medo ou fobia.

É importante que você perceba esse tipo de sintoma numa fase inicial, para que o veterinário possa ajudar da melhor maneira possível. Aqui nós discutiremos essas condições, como identificá-las e o que fazer nesses casos.

Comportamentos e conflitos em gatos, o medo

O medo é um sentimento instintivo de sobrevivência que acontece quando determinadas situações, sujeitos ou objetos, apresentam ameaça externa real ou aparente.

A resposta do sistema nervoso é automática e prepara o corpo para ficar imóvel, lutar ou fugir. Embora seja normal e essencial para a adaptação e a sobrevivência dos seres vivos, dependendo do comportamento, a situação pode ser determinada como normal, anormal ou inadequada.

Fobia

A fobia em gatos

A fobia é um medo persistente e presente a estímulo específico, como uma tempestade, por exemplo.

Uma resposta excessiva imediata de ansiedade é uma característica de uma condição fóbica e é provável que uma vez que a fobia se manifeste, qualquer evento que esteja associado com o fato ou a memória, seja suficiente para gerar uma resposta.

A maioria das fobias nos gatos estão associadas com o ruído, como o gerado por tempestades ou fogos de artifício.

Ansiedade

A ansiedade nos gatos é a antecipação de futuros danos causados ​​por uma origem desconhecida ou imaginária, resultando em diferentes reações corporais, conhecidas como reações psicológicas associadas ao medo.

O mais óbvio é o comportamento de eliminação (urinar e/ou defecar em lugares que são incomuns), destruição de objetos e vocalização excessiva.

A ansiedade da separação é a ansiedade específica mais comum entre os animais de estimação. Quando o animal está sozinho, é comum exibir esses comportamentos.

A maioria dos medos, fobias e ansiedades em gatos se desenvolvem no início da maturidade social, entre 12 e 36 meses de idade. A forma profunda de medo, de causa desconhecida, ocorre geralmente em torno de 8-10 meses de idade.

Uma forma particular de ansiedade de separação, de causa desconhecida, pode ser uma variante de um declínio no pensamento, da aprendizagem e da memória quando os gatos envelhecem.

Sintomas

Os medos e ansiedades: o diagnóstico pode ser feito apenas com base em sinais não específicos para os quais não está presente um estímulo identificável.

Temores suaves: os sinais podem incluir tremores, ocultação, atividade reduzida comportamentos de fuga.

Pânico: os sintomas de pânico podem incluir comportamento de fuga ativa e aumento da atividade motora, potencialmente prejudiciais fora de contexto.

Ansiedade: lesões secundárias à ansiedade, comportamento ansioso (como se lamber e morder).

Os sinais clássicos da atividade do sistema nervoso autômo simpático, devido ao estresse, tais como a diarreia, que pode ser diagnosticada como doença inflamatória do intestino ou como síndrome do intestino irritável.

Causas

 

Quais são as causas?

 

Qualquer doença ou condição física dolorosa aumenta a ansiedade e contribui para o desenvolvimento de medos, fobias e ansiedades.

As mudanças associadas com o envelhecimento, com alterações no sistema nervoso; doenças infecciosas (virais, principalmente no sistema nervoso central) e condições tóxicas (tais como o envenenamento por chumbo) podem resultar em problemas de comportamento, como medos, fobias e ansiedade.

O medo resultante de uma experiência traumática: o seu gato pode ter sido forçado a uma experiência desconhecida e assustadora.

Gatos que estão privados de exposição social e ambiental até 14 semanas de idade, podem se tornar, habitualmente, com medo de contato.

As fobias e o pânico podem ter um histórco de ser incapaz de escapar ou fugir do estímulo que causa a fobia e o pânico, como ser preso em uma gaiola ou situações abusivas, por exemplo.

A ansiedade da separação: uma história de abandono, vários donos, realojamento ou negligência anterior são os mais comuns; algo que agrava a condição, pode ser que o gato tenha sido abandonado ou realocado devido à ansiedade de separação.

Diagnóstico

Procure o seu veterinário, que primeiro deverá excluir outras condições que poderiam estar causando este comportamento em seu gato, como alguma insuficiência cerebral ou doenças da tireóide.

O comportamento também pode ser causado como uma resposta a uma substância tóxica, tal como o chumbo, que pode causar desordens neurológicas. Exames de sangue podem ser utilizados para confirmar ou descartar essa possibilidade.

Se o veterinário diagnosticar um simples medo, ansiedade ou fobia, um medicamento prescrito pode ser tudo o que ele necessita.

No entanto, provavelmente irá fazer recomendações baseadas no histórico clínico do seu gato; como o que desencadeia o medo e como para aliviar os medos e ansiedades de seu gato através de condicionamento comportamental.