Dicas para cães inquietos: Normas de comportamento

Quando adotamos um cão, o fazemos porque amamos os animais e gostamos de educá-los desde a infância, também para podermos desfrutar ao máximo de todas as fases da vida de nosso cão. 

Mas é certo que os cães, em geral, são muito inquietos e querem explorar toda a casa, com as terríveis consequências de quebrar móveis, arranhar poltronas e fazer suas necessidades por toda parte.

Embora eles possam ser muito jovens, temos que educá-los, ensinando-lhes as regras que eles devem seguir.

Mas existem alguns cachorros que, por causa de sua raça, ou sua maneira de ser, são mais ansiosos e nervosos do que o habitual, por isso, o Meus Animais quer te dar algumas dicas, simples e práticas, para ajudar com o comportamento de cachorros inquietos.

Cuidados para com os cães inquietos

cachorros-inquietos-3

Se você tem um cão inquieto, a primeira coisa a fazer é tomar algumas simples medidas de segurança, para que ele não se machuque; porque até que ele aprenda as regras, a nossa casa pode se tornar um perigo para o nosso bichinho.

Isso também ocorre quando temos crianças pequenas em casa, tudo parece perigoso. É muito importante que você não deixe que nada caia no chão, especialmente pequenos objetos como pregos, tachinhas ou parafusos, já que os filhotes tendem a querer colocar tudo na boca.

É muito importante também tomar medidas de segurança com itens elétricos, como tomadas, já que eles podem vir a lambê-las.

O mesmo se aplica aos fios elétricos que estão à vista, para eles tudo isto é um centro de atenção e eles podem morder, causando até mesmo a morte.

Todos os cuidados são poucos, e devemos prevenir e educar.

Socializar o cão

A primeira coisa que o seu cachorro deve aprender, além da educação básica, é aprender a ser um cão sociável, ele também deve se acostumar a interagir com humanos, com outros cães e animais.

Para isso, você pode fazer brincadeiras ao ar livre, e também deixá-lo junto de outros animais. Desta forma você terá uma atmosfera mais tranquila.

Você deve sempre deixar claro que você é o líder da brincadeira, que você decide quando jogar, e que é você também quem define as regras.

Você pode usar diferentes brinquedos para diferentes brincadeiras, mas você não deve se esquecer de apanhá-los quando o jogo terminar, desta forma você mostra quem define as regras.

Nunca faça brincadeiras com ele que irão reforçar a agressividade e a luta, enquanto filhotes você pode achar engraçado, mas quando eles crescem isso poderá se tornar um problema real.

O filhote e os móveis

cachorro-inquieto-2

Sabemos que os filhotes adoram arranhar e morder os móveis, por isso nunca permita que eles subam com você no sofá ou na cama, porque você não vai ser capaz de impedi-lo de subir quando ele crescer, ou quando estiver cheio lama e pular em cima você.

Se ele subir no sofá ou na cama, ou se você pegá-lo mordendo um móvel, você deve dizer imediatamente; e enfaticamente, “NÃO”, em seguida fazê-lo descer, ou sair do local, deixando-o consciente de que isso não é para ser feito.

Mas devemos pegá-lo “em flagrante”, porque se ele fizer isso enquanto não vemos, ou não estamos em casa, não haverá bronca, e ele não vai entender nada.

O latido

O latir do cão é normal, porque é a sua maneira de se expressar, mas muitas vezes, o cachorro late de forma equivocada.

Tudo bem que ele lata diante de algum barulho estranho, de algum movimento brusco, mas uma vez que o alerta já tenha sido dado, ele deve parar.

Caso ele não pare de latir, ele deve ser repreendido com um firme “basta”, até que o latir cesse.

Há também momentos em que o cachorro usa seu ladrar para chamar a atenção ou para pedir algo.

Se ele percebe que seus latidos irão levá-lo a rua, ou que você o dará seu brinquedo favorito ou algum petisco, ele vai usar essa artimanha como uma isca para conseguir o que quer.

Outras dicas

Se você tem um cachorro muito agitado e inquieto, você não deve incentivar essa atitude, a nossa postura deve ser a de acalmá-lo usando estratégias diferentes.

As brincadeiras são muito importantes para que ele queime energia, tanto quanto um passeio.

Não o atice para que ele fique agitado ou nervoso. Há momentos em que nós transmitimos a ele nervosismo. Contudo, se a agitação de nosso cão persistir, devemos consultar um veterinário.