Duas elefantas que estavam presas por meio século presas em um circo são resgatadas

Ainda há quem diga que, em um circo, os animais são cuidados de uma maneira que lhes oferece mais amparo que no habitat natural deles. Não há dúvida de que estes, que assim pensam, impossibilitam o único elemento intrínseco na existência de todo tipo de ser vivo: a liberdade, o direito natural de fazer o que seu instinto lhes indique, como aconteceu com as duas elefantas desta matéria.

Embora há quem pensará que a história que contaremos a seguir tenha um final feliz, o certo é que não se pode chamar de felicidade o que foi conseguido na justiça, uma vez que essa barbaridade tomou 50 anos da vida das elefantas, uma eternidade em que elas foram prisioneiras contra sua vontade.

Mais que um final digno de filme para toda a família, esta é uma história cuja moral reflete que a justiça às vezes pode demorar muito, mas sempre chegará, ainda quando há ocasiões onde não se possa reparar o dano já causado.

Um inferno em forma de circo para as duas elefantas

Elefante com correntes

Fonte: cribeo.lavanguardia.com

O abominável feito ocorreu na Índia, em Tiruvannamalai, e suas vítimas foram Mia e Sita, duas elefantas que nunca foram perguntadas se queriam entrar para o mundo do circo, e que longe de serem mantidas em condições normais, ficaram acorrentadas, foram humilhadas dia após dia por nada mais e nada menos do que meio século.

Em meio a esta tortuosa eternidade, ambos os animais desenvolveram uma série de problemas médicos, gerados pelas pobres condições do local.

Mia, a mais rebelde das duas elefantas, desenvolveu dolorosas chagas nos pés, produto da negação por parte dos membros do circo em deixá-la se deitar.

Já a outra elefanta, Sita, desenvolveu lesões que foram muitíssimo mais severas:

  • Seu pé direito, com o passar dos anos, piorou gravemente, devido a uma fratura que não lhe permitia nem sequer se sentar devido a dor.
  • Por outro lado, sua perna esquerda apresentava gretas infectadas que se encheram de abscessos, isso também lhe impossibilitou o descanso adequado.

Este terrível inferno no qual literalmente viviam estas duas elefantas terminou recentemente graças a uma organização de resgate e reabilitação de animais, chamada Wildlife. A qual lhes devolveu a liberdade que já tinham se esquecido.

De volta à vida

Uma vez que Mia e Sita foram soltas e colocadas no caminhão que as levaria de volta para o habitat natural delas, tamanha foi a emoção ante o fato que Sita moveu sua tromba com alegria de um lado para o outro.

Isto foi algo que acalmou o pessoal do resgate, já que ante as condições nas quais tinham vivido por 50 anos no circo, a grande pergunta era de que maneira reagiriam com toda esta situação de novidade.

Logo depois de mil e trezentas milhas, as duas elefantas chegaram ao Elephant Conservation and Care Center Friday. Isso colocaria de vez um ponto final ao inferno que viveram grande parte de suas vidas, para iniciar um novo capítulo, que tiveram que começar do zero.

Aprendendo a ser normais

Elefanta resgatada

Fonte: cribeo.lavanguardia.com

Tão logo chegaram ao centro de proteção, foi Mia quem manifestou maior felicidade, ao se deitar no chão quente para fechar os olhos e descansar depois de tanto tempo sendo obrigada a ficar parada.

Sita deu um delicioso mergulho de cabeça em uma enorme piscina que há no centro de reabilitação, situação que os membros do Wildlife consideraram que poderia se tratar da primeira vez que esta elefanta tenha tido a oportunidade de fazer isso em sua vida.

Por outro lado, todos estavam cientes que devido ao fato de terem passado tanto tempo nas condições nas quais estavam, isso poderia dificultar uma volta à vida natural, mas ambas aprenderam de maneira eficiente em como ser duas elefantas comuns, até o ponto de conseguirem desenvolver amizade com outros de sua mesma espécie.

A impossível recuperação do tempo perdido

Embora Mia e Sita tenham tomado novamente o curso que sempre deveriam ter tido, isto é apenas uma pequena parte da justiça que se deve a elas em tais situações, já que nada poderá devolver os cinquenta anos perdidos no meio do inferno em forma de circo.

Ainda quando há quem pense que esta é uma realidade que dificilmente será alterada, este fato ajudará a conscientizar as mentes mais fechadas para que nunca mais um ser vivo seja escravizado.

Fonte: cribeo.lavanguardia.com