Félix, o gato que trabalha em uma estação de trem

O gato que trabalha em uma estação de trem

Hoje contaremos a história de Félix, um gato que trabalha em uma estação de trem na Inglaterra. No entanto, para a sorte do gatinho, neste artigo não iremos tratar da exploração dos animais. De qualquer forma, poderíamos chegar a abordar o lado da humanização que todos nós costumamos associar aos animais de estimação e que, sem dúvida, utilizamos como uma original estratégia comercial.

Conheça a história de Félix, o gato que trabalha em uma estação ferroviária

Gato na estação

Fonte: Facebook de Felix the Huddersfield Station Cat

“Meu nome é Félix e sou o controlador de pragas Sênior do First TransPennine Express na estação de trem de Huddersfield, em West Yorkshire, no Reino Unido” pode-se observar na página do Facebook do gatinho que, no momento de escrever este artigo, contava com cerca de 50 mil seguidores.

Na verdade, Félix foi levado para esse lugar para que mantivesse sob controle a população de roedores e de pombos, uma decisão que – pelo menos até algum tempo atrás – costumava ser muito comum em diversos lugares públicos e privados.

O bichinho chegou à estação ferroviária quando tinha 9 meses e, logo depois, começou a ganhar o carinho dos funcionários e dos passageiros.

Sendo assim, após se passarem 5 anos e, provavelmente como parte de uma estratégia de marketing, eles decidiram “promovê-lo” no seu trabalho e fornecê-lo, além de um uniforme, uma credencial que garantia o posto que ele desempenhava.

A história de Félix, um gato que trabalha como controlador de pragas Sênior em uma estação de trem no Reino Unido, pode ser vista como uma estratégia comercial baseada na humanização que muitos de nós costumamos fazer acerca dos bichos de estimação. Além disso, como uma boa oportunidade de criar um relato amável sobre um bichinho que, fora essas questões, passa os seus dias cercado de mimos e de cuidado.

Bichinho virtual vs bichinho real

No Facebook de Félix, que aumentou consideravelmente o número de seguidores após ficar conhecida a notícia da sua promoção, é possível ver uma grande quantidade de fotos do animalzinho e alguns vídeos.

Enquanto isso, o seu alter ego humano escreve em primeira pessoa sobre o dia a dia do gato que trabalha na estação de trem e coloca à disposição dos meios de comunicação um endereço de e-mail para tirar quaisquer dúvidas.

Felizmente, alheio e desentendido de todas essas questões humanas, o bichinho vive feliz a sua vida na estação ferroviária de Huddersfield, seu lar, abarrotado de mimos e de cuidados.

Outras histórias de gatos e estações

No entanto, Félix não é o único felino famoso em uma estação ferroviária. O outro bichinho que veio antes de Félix que fez mais sucesso foi Tama, uma gatinha nascida em 1999 e que foi criada em uma estação de trem em Kishi, no Japão. Lá, alguns passageiros de bom coração a alimentavam e o gerente do lugar, Toshiko Koyama, no final a adotou.

Em 2007, a gatinha foi nomeada oficialmente como “chefe da estação” e contava com dois assistentes da sua espécie: sua irmã Chibi e sua mãe Miko, que também haviam sido amparadas por Koyama.

E se voltarmos ao tema de manobras publicitárias, é importante destacar que, um ano depois dessa decisão, o número de passageiros da estação japonesa aumentou em 10%.

Seguindo os passos de Tama e Nitama

Felix na estação de trem

Fonte: Facebook de Felix the Huddersfield Station Cat

Mas a questão não terminou aí. Um ano depois, foi determinado que a presença do animalzinho na estação de Kishi ajudou a empresa ferroviária a obter uma renda de por volta de 7,7 milhões de euros devido à publicidade.

Em 2009, a companhia Wakayama Electric Railway lançou o Tama Densha, um trem com diversos desenhos da gata, tanto por dentro quanto por fora. Se você quiser fazer uma viagem virtual nesse transporte peculiar, você poderá ver aqui o vídeo.

A gatinha faleceu aos 16 anos, em julho de 2015, por causa de uma insuficiência cardíaca. E encontrou a sua sucessora em Nitama -que desde 2012 a acompanhava como exercendo a função de aprendiz chefe da estação- e que herdou seu chapéu e o seu cargo.

Por isso, se Félix continuar nesse caminho, talvez alcance o mesmo posto que as suas congêneres japonesas conseguiram, mesmo que ele não esteja ciente desse fato.

Fonte das fotos: Facebook de Felix the Huddersfield Station Cat.