Este gato ajudou a sua dona a superar a ansiedade

Molly é uma jovem que decidiu adotar um gato sem orelhas. No entanto, mal sabia ela que esse felino faria mais por ela do que qualquer outra pessoa. Que o gatinho a ajudaria com a ansiedade que ela sofre

Por não ter orelhas e por ser tão peculiar, esse gato não tinha muitas oportunidades de ir para um lar que o aceitasse de novo. Por isso, ele passava os seus dias deprimido, devido às constantes rejeições das pessoas que o observavam no abrigo. Elas olhavam para ele, mas preferiam adotar outro animal de estimação.

A aparição de Molly

Mas tudo tem o seu fim, e um dia apareceu a estudante Molly Lichtenwalner. Ela o viu e soube que eles foram feitos um para o outro. E a ansiedade que sofria estava a ponto de melhorar.

Molly o apelidou “Otite”, um nome muito significativo. Já que o animal é um gatinho branco de nove anos e meio que perdeu as orelhas devido a alguns cistos que, infelizmente, fizeram com que ele perdesse a audição.

Os seus donos anteriores haviam deixado o gatinho nesse abrigo porque não sabiam como tratar de um animal nessas circunstâncias.

Molly precisa de ajuda

Segundo as palavras da própria Molly: “Sofro de ansiedade severa devido a um acidente de carro que sofri…Decidi que já era hora de adotar um animal que me ajudasse a me curar, já que abraçar um amigo peludo ajuda muito”.

O gato “Otite” é capaz de saber quando ela está muito estressada devido à ansiedade. Ou, até mesmo, quando está sofrendo um ataque de pânico, para poder ajudá-la.

Sobre essa ajuda, Molly já disse: “Às vezes, ele é o único que consegue me acalmar… Adotá-lo foi a melhor coisa que eu fiz. Definitivamente foi ele que me resgatou, e não eu a ele”.

A falta de orelhas não é nenhum problema

Sobre o aspecto exterior do gato, a sua aparência jamais foi um problema para Molly. Apesar dele não ter as suas orelhas e da sua cara de resmungão, ela o considera um gato muito carinhoso e brincalhão.

A jovem acha que a melhor coisa que ela fez até hoje foi ter resgatado esse gato. Ela nunca sentiu tanto apoio emocional de algum ser como recebe desse felino.

Os benefícios dos gatos

Com relação ao aspecto psicológico, os gatos oferecem uma grande ajuda para as crianças, idosos e qualquer outra pessoa. 

Mediante o seu habitual ronrom, produzem no ser humano um efeito relaxante e tranquilizador. No campo da Medicina, já surgiram excelentes resultados. Sabe-se dos avanços no tratamento de doenças cardíacas, psicológicas ou da hipertensão. Além disso, é um bom remédio contra a ansiedade.

No geral, demonstrou-se que as pessoas que convivem com os animais de estimação vivem mais tempo e com melhor qualidade de vida que aqueles que não têm animais. 

Sendo assim, diversos estudos mostraram que a presença de um gato ou de um cão em um lar faz bem para a saúde dos seus donos. Uma relação afetiva, geralmente muito harmônica, é gerada entre o ser humano e o animal, convertendo o seu animal de estimação em um amigo e um confidente.

A volta do sorriso

Algumas pesquisas atestaram que os animais devolvem o sorriso para uma pessoa deprimida, reduzem a ansiedade e estimulam o caráter social de alguém que é tímido.

Além disso, auxilia no controle daqueles que sofrem impulsos nervosos. Os gatinhos também ajudam a baixar a pressão arterial dos hipertensos e fazem com que as pessoas estressadas relaxem.

A autoestima

gato-surdo

Fonte: www.red17.com

Outro benefício importante que esses animais nos oferecem é a capacidade de aceitar a nós mesmos. O seu amor é sempre incondicional e não fazem distinção entre aqueles mais baixos e altos, feios e bonitos ou entre ricos e pobres.

Um estudo muito conhecido, publicado há pouco tempo no American Journal of Cardiology, descobriu que os donos de gatos tinham uma probabilidade significativamente menor de morrer dentro de um período de um ano depois de um ataque cardíaco do que aqueles que não tinham um.

O estudo constatou que acariciar um gato ou escutar o seu ronronado supostamente propicia uma vasodilatação das artérias e vasos periféricos, o que favorece o relaxamento.

Outros benefícios psicológicos para as crianças

Os cuidados que as crianças têm pelos gatos, e pelos animais em geral, podem ajudar-lhes a amadurecer, a crescer, a se darem conta dos valores que são realmente importantes para a vida e a adquirir um sentido do dever.

Por isso, alimentar um gatinho, preparar a sua comida ou respeitar os seus horários estimula o interesse pela própria alimentação.

Mas tem mais. Ter em mente diariamente os horários e as necessidades do animal também constitui um bom exercício para a memória e para a concentração dos pequenos. 

Para os idosos, ter um gatinho é considerado um antidepressivo natural. Em muitos casos, a aposentadoria pode provocar em algumas pessoas um vazio que é somado a um sentimento de deixar de ser útil para a sociedade.

Fonte das imagens: www.red17.com