Gatos medrosos. Como podemos ajudá-los a perder o medo?

Seu bichano se esconde embaixo da cama ou atrás de um móvel e não quer sair por nada desse mundo? Mantém-se afastado de você e recusa suas carícias? Podem ser muitas as causas que tornam os gatos medrosos.

Se o seu gatinho se mostra sempre com medo, você terá que se munir de muita paciência e procurar uma forma para poder ajudar.

Respeitar os limites que ele nos coloca, mudar a nossa linguagem corporal e tentar se aproximar dele com brincadeiras ou alimentos de seu agrado, costumam ser ferramentas que funcionam para que o animal vá deixando de lado o medo e comece a se relacionar de maneira normal com você e com o seu meio.

Algumas causas do medo e da timidez nos gatos

Gatos

Dentre os motivos da timidez e do medo nos gatos medrosos, podemos assinalar:

Socialização

Se o gato não teve contato com humanos quando era filhote, ou se sua mãe era selvagem, ou se ele foi separado da mãe em idade muito precoce, é muito provável que essa falta de socialização derive em atitudes de medo ante sua presença.

Genética

Ainda que soe como algo estranho, os temperamentos temerosos podem ser herdados, como o medo que eles têm dos predadores. E tenha em mente que os humanos perseguiram e maltrataram os gatos por muitos séculos.

Traumas ou experiências negativas

Tanto uma criança como um gato adulto podem já ter sofrido de algum tipo de agressão ou maltrato que gere neles, depois, um comportamento de medo.

Gatos medrosos, como podemos ajudá-los a superar seus medos?

Um gato equilibrado é aquele que tem controle sobre suas emoções e reações em diferentes situações.

Talvez, o animal procure se esconder em casa quando os donos recebem pessoas estranhas para eles. Fique calmo. Isso costuma ocorrer inclusive com gatos sociáveis. Diferente do caso do animal que não consegue relaxar e vive assustado, fugindo ou se escondendo, sem permitir que o acariciemos.

Partindo do pressuposto que, como já advertimos, são os gatos que impõem os limites, contaremos a você algumas opções para que – com muita paciência– seu amigo felino comece a vencer seus medos.

Seu gato se esconde embaixo da cama ou atrás de um móvel

acariciando gatos

  • Estas situações costumam ocorrer quando acabamos de adotar um gato, ou em ocasiões de mudança. Isso ocorre porque o gato é um animal de costumes e muito territorial, e a mudança de lugar o leva a se esconder para se sentir seguro.
  • Para ajudar o seu bichano a sair desse estado, a primeira coisa que você deve fazer é respeitá-lo. Se ele não quiser se aproximar, não force, isso ocorrerá smente durante os primeiros dias.
  • Leve em conta que se ele caminha de frente e o olhando de forma fixa, é porque ele te considera uma ameaça. Se você quiser mostrar uma atitude amistosa para com o seu pequeno felino assustado, aproxime-se agachado, fazendo um semicírculo e sem olhá-lo de maneira fixa nem lateralmente.
  • Você também pode piscar lentamente e depois desviar o olhar. Sente-se perto dele, de lado ou de costas, sem tentar tocá-lo. O importante é que ele compreenda que não há nenhuma situação conflitiva de sua parte.
  • Cumprido este primeiro objetivo, você tem que conseguir que ele relacione sua presença com algo que lhe agrade: uma comida ou um brinquedo preferido. Se o seu bichano é um recém-chegado em sua residência, você poderá ir testando com diferentes opções.
  • O mais provável é que, depois de ter comido ou brincado, o animal se esconda outra vez. Não desanime. Se você insistir com estes métodos, pouco a pouco, o seu gato irá ganhando confiança.
  • Não seja impaciente nem tente tocá-lo ou o pegá-lo. Poderá ser uma atitude contraproducente e talvez você perca tudo o que já conseguiu.

Sempre deixe que o seu gato dê o primeiro passo. Ele deixará você saber quando ele está pronto para os mimos e as carícias

  • O gato não se esconde, mas recusa contato com você.
  • Se não quer que o toque, não o obrigue a ser tocado. Utilize os sinais corporais mencionadas no ponto anterior e, se você cruzar com ele por um corredor da casa, volte para trás e deixe que ele continue seu caminho até um lugar que ele considere seguro.

Enquanto alguns casos requerem a intervenção de um profissional de terapia felina – para ajudar os animais a superar traumas mais profundos –, em geral, com muita paciência e amor, você conseguirá que seu gato medroso esqueça seus temores e desfrute de uma vida feliz junto de toda a família.

 

Créditos da imagem: Cássia Afini.