Leia isto se você não consegue se separar de seu animal

Amar nossos animais de estimação até o ponto de considerá-los parte de nossa família, cuidar e procurar o bem-estar deles é, sem dúvida, algo benéfico e normal. Mas algumas pessoas ultrapassam esse limite, convertendo os bichos em substitutos de relações e pessoas e humanizando-os ao extremo. Para você é difícil se separar de seu animal?

Sou muito apegado ao meu animal de estimação?

cuidar animal de estimação

Dar muita atenção aos animais que vivem com você não é algo ruim; pelo contrário, é algo bem-vindo, desde que você cuide deles como é necessário.

Isso só é um problema quando o seu cão, o seu gato ou o animalzinho que você escolheu ter, passa a ser o centro de sua vida: o único que ama, entende e aceita você.

O fato de você não conseguir se desapegar de seu bicho de estimação pode ser visto, portanto, como um mecanismo de compensação – psicológico ou emocional – que surge de forma inconsciente na maioria das vezes e é reforçado com o passar do tempo, chegando a se tornar um obstáculo para as relações com amigos e familiares.

“Se você é incapaz de se desapegar de seu animal, algo não está correto na forma como você se relaciona com ele e que deve ser resolvido, para o seu bem e do seu companheiro.”

O que pode fazer você não conseguir se desapegar de seu bicho

Entre as razões pelas quais uma pessoa apresenta um apego excessivo ao animal de estimação, podemos apontar dificuldades para interagir e se comunicar com os outros. Por exemplo:

Além disso, são pessoas que, entre outras coisas:

  • Necessitam de aceitação;
  • Sofreram alguma decepção;
  • Sentem-se decepcionadas.

Também podemos encontrar entre aqueles que têm um apego excessivo aos animais, pessoas que não tiveram filhos ou sofreram a perda de um ente querido (família, amigos ou parceiro).

Comportamentos denunciam apego excessivo aos animais de estimação

Para saber se você faz parte do clube das pessoas que não conseguem se desapegar dos bichos de estimação, veja se você se reconhece em um dos comportamentos que listamos abaixo:

  • Evita o contato social para não deixá-lo sozinho. Por exemplo: você não vai a alguns lugares porque não permitem a entrada de animais ou evita reuniões familiares ou de amigos porque o seu peludo não foi convidado.
  • Investe muito tempo e dinheiro em coisas que podem não interessar à sua mascote – roupas, produtos de higiene e acessórios – ao ponto de deixar de satisfazer as suas próprias necessidades.
  • Leva o animal ao veterinário ante o menor dos sintomas e passa  a maior parte do tempo procurando por informações sobre alimentação, cuidados, doenças etc.
  • Não para de fotografar o bichinho e exibir as imagens em todos os meios possíveis. Você, inclusive, abriu contas em seu nome nas redes sociais.

Riscos de humanizar os animais

Tenha em mente que tratar um animal como se fosse uma pessoa pode ser muito prejudicial, já que você não está respeitando a sua natureza.

Existem casos de bichos de estimação que chegam a ser tratados como crianças mimadas. E algumas pessoas acabam se preocupando mais com eles do que com os próprios filhos.

Algumas atitudes podem indicar uma humanização dos animais, como:

  • Vesti-los ou fantasiá-los, causando desconforto, problemas de pele, calor excessivo etc.
  • Entupi-los de alimentos, mesmo aqueles que não são adequados para a sua espécie, causando graves desequilíbrios nutricionais, como excesso de peso.
  • Não criar regras de conduta e convívio, podendo causar problemas de comportamento.

Uma relação de amor e respeito

pessoa acariciando gato

De acordo com especialistas, como as pessoas que mostram um apego excessivo por seus bichos não são conscientes desse fato, é necessário que recebam a ajuda de amigos e familiares que tenham percebido essa situação. Acompanhamento psicológico talvez seja necessário.

O amor pode ser tão grande quanto perigoso e essa é uma regra que se aplica às relações entre pessoas e também às que estabelecemos com seres de outras espécies. É muito importante que você aprenda a ter menos apego ao seu animal de estimação, desenvolvendo um vínculo saudável, de respeito à natureza dele, sem nunca esquecer que você tem uma vida para além de seu bicho.