Macaco Pankun e seu cão James, uma curiosa dupla japonesa

macaco pankun

O macaco Pankun e o cão James foram um sucesso na televisão japonesa e em outras telas asiáticas há alguns anos. Hoje, graças à internet, eles continuam causando furor em sites como YouTube, onde acumulam milhares de visualizações. À primeira vista, as aventuras destes simpáticos “amigos” são muito graciosas e despertam ternura. Mas é impossível fugir de um tema controverso: a utilização de animais na indústria do entretenimento.

Alguns dados sobre o macaco Pankun e ‘seu pet’

Pankun é um chimpanzé nascido no começo deste século no zoológico Cuddly Dominion, localizado na Prefeitura de Kumamoto, em Kyushu, Japão. Desde muito pequeno ele foi treinado para se transformar em uma “estrela”.

macaco-Pankun-2

Fonte: Facebook do Pankun e James

O bichinho aparenta ser muito “humano”: se veste como humano, caminha como humano e faz coisas de humanos. Tão humana é sua atuação na vida, que até tem um pet, um cão da raça Buldogue chamado James.

Pankun continua atraindo a atenção das pessoas, entre risadas, muitos parecem se esquecer de um dado essencial: trata-se de um macaco.

As aventuras do macaco Pankun e de “seu animal de estimação” James, um cão da raça Buldogue, causaram furor na televisão asiática e logo chegaram à internet. Apesar das risadas que nos tiram estes adoráveis seres, o debate sobre a utilização de animais na indústria do entretenimento continua aberto.

O lado não tão divertido da vida do macaco Pankun

As aventuras do macaco Pankun e do cão James foram gravadas até 2009. Mesmo assim, o chimpanzé continuou sendo a atração do zoológico até que um dia aconteceu o que muitos advertiam que aconteceria mais cedo ou mais tarde. O chimpanzé atacou uma pessoa, que acabou sendo hospitalizada. Uma reação esperada de animais tirados de seu habitat natural e colocados para fazer coisas que não são normais para sua espécie.

De qualquer forma, a “aposentadoria” de Pankun estava sendo esperada para quando ele alcançasse sua maturidade sexual, algo que ocorre entre os 10 e os 13 anos nos chimpanzés. Hoje se sabe que o chimpanzé continua no zoológico, mas por sorte dele, deixaram-no voltar a ser um macaco.

Quanto à sorte de James, através de uma fanpage do Facebook informaram que o Buldogue, infelizmente, morreu em março de 2016.

Como era o “show” de Pankun e James

Nos vídeos se pode observar que sem intervenção humana é quase certo que suas vidas nunca se cruzariam, apesar do chimpanzé e do macaco parecerem se dar muito bem enquanto viviam suas “aventuras” pautadas por pessoas.

O problema é o que foram “obrigados” a fazer para provocar a risada de tantos espectadores no mundo todo. Por exemplo:

  • Cruzar um rio com obstáculos
  • Encenar como se fossem bombeiros
  • Cozinhar
  • Ir às compras
  • Fazer uma consulta médica
  • Viajar de trem
  • Estar em plantações de arroz

E, embora não deixe de chamar a atenção a grande inteligência e a sensibilidade que tem Pankun, há algo que continua incomodando. Trata-se da utilização de animais para a diversão humana. Deixamos-lhe este link para que julgue por si próprio.

Um debate que continua aberto

macaco-Pankun-3

Fonte: Facebook do Pankun e James

A vida de um chimpanzé em cativeiro pode chegar aos 60 anos, por isso esperamos que Pankun possa passar o resto de seus dias sem que o obriguem a ser o que não é, dentro das limitações de um zoológico.

Exemplos não nos faltam, incluído o do próprio macaco Pankun, que por mais que a forma de ser de seu personagem lembre a nós mesmos, encarcerar animais exóticos, afastá-los de seu habitat e treiná-los para diferentes atividades, costuma desencadear mais cedo ou mais tarde reações imprevisíveis e também perigosas, tanto para animais como para pessoas.

Por isso o debate sobre o que é ético e o que não é em relação à utilização destes seres inocentes por parte dos homens continua aberto. Não nos esquivemos disso.

Fotos da página do Facebook Pankun e James