Málchik: história de um cão abandonado e de seu monumento

Cão abandonado

São muitos os relatos ao redor do mundo que falam de animais que sofrem maus-tratos e estão em situação de abandono. Hoje, contaremos a história de Málchik, um cão abandonado que foi assassinado no Metrô de Moscou há alguns anos, e que hoje tem um monumento em sua honra, como uma forma de promover o respeito para com os cães abandonados.

Málchik, o animal de estimação dos empregados do metrô

Málchik, que significa menino, tornou-se o animal de estimação dos empregados do metrô. Graças a sua personalidade carinhosa, ele ganhou o amor dos trabalhadores, que o alimentavam diariamente.

Durante três anos, o bichinho viveu na estação Mendeléievskaya, da linha Serpukhovsko-Timiryazevskaya, localizada no distrito Tverskaya de Moscou central.

Ali mesmo, foi erguido o monumento Compaixão, para homenageá-lo e, em seu nome, a todos os cães abandonados. A obra foi realizada pelo escultor Alexander Tsigal e pelo arquiteto Andréi Nalich.

Como morreu Málchik

Cachorro de rua

O cão abandonado encontrou a morte ao se deparar com uma modelo, que caminhava pela estação junto com o seu cão da raça Staffordshire Terrier.

Ao ver o animal de rua, a mulher quis que o seu animal de estimação o espantasse. Mas Málchik o enfrentou e fez com que o Terrier retrocedesse.

Isso provocou a ira da modelo que, imediatamente, tirou uma faca de sua elegante carteira e o cravou em Málchik, até lhe tirar a vida.

As pessoas que transitavam pela estação foram para cima dela, para lhe tirar a faca, mas já era tarde: o cão estava morto.

Resolução judicial

A notícia causou grande impacto aos habitantes de Moscou e acabou em uma situação judicial. A modelo, que estava para viajar para Itália a trabalho no dias próximos ao seu trágico feito, foi presa.

As autoridades judiciais determinaram que a mulher tinha sofrido uma perturbação mental e ordenaram sua internação em um hospital psiquiátrico.

Para recordar Málchik e a outros cães de ruas

Além dos temas relacionados com a justiça, a indignação pelo assassinato do Málchik gerou a mobilização de um grupo de pessoas, entre elas artistas e intelectuais. Assim, eles conseguiram que fosse erguido um monumento para se recordar que os animais abandonados devem ser tratados com respeito.

Entre as personalidades que inspiraram esta iniciativa estavam os poetas Yevgueni Yevtushenko e Bela Ajmadúlina, o ator Valentín Gaft e o músico Andréi Makarévich.

As autoridades do metrô aceitaram a iniciativa e a obra foi financiada com doações de particulares russos e também de estrangeiros.

Duas coisas me surpreendem: a inteligência das bestas e a bestialidade dos homens

– Tristán Bernard-

Os cães, vítimas inocentes das crises econômicas

A escultura do Málchik foi finalmente inaugurada em 2007, no mesmo local do metrô em que o cão habitava, na entrada da estação.

Isso lembrará a todos sobre o que aconteceu no lugar, que os humanos têm uma dívida importante para com os animais em situação de rua, que têm que encontrar uma forma de sobreviver diariamente em um mundo que poucas vezes é amigável.

É que da mesma forma que Málchik, muitos cães continuam sendo abandonados na Rússia. Mais uma vez os animais terminam sendo vítimas inocentes das crises econômicas que atravessam grande parte do mundo.

Cães abandonados: adaptar-se para sobreviver

Cães de rua

Autor: Juanedc

Nos últimos tempos, alguns cães abandonados em Moscou estão chamando a atenção dos especialistas em comportamento animal.

A luta pela sobrevivência nas ruas parece estar dando lugar ao surgimento de animais muito inteligentes, que desenvolvem diversas estratégias para obterem seu sustento diário.

Assim, entre outras habilidades, aprenderam a se deslocar no metrô e a descer nas estações onde existem mais possibilidades de obterem alimentos, sobretudo, aquelas onde se localizam grandes mercados. Também, utilizam sem inconvenientes as escadas rolantes.

Entretanto, embora estes dados despertem admiração, os companheiros de miséria de Málchik deveriam estar desenvolvendo sua inteligência com jogos e brincadeiras, no amparo de um lar onde sejam amados e cuidados.

Algum dia, possivelmente, alguns deles consigam. Enquanto isso, os cães abandonados se viram como podem para sobreviver neste mundo, tantas vezes cruel, para humanos e animais.