Não é meu animal de estimação, é parte da minha família

Meu animal de estimação é parte da minha família

A afirmação “não é meu animal de estimação, é parte da minha família” é ouvida com frequência. Isso é um fato positivo, sempre que não nos esqueçamos que nós estamos nos referindo a um animal, quer dizer, a um membro não humano do grupo familiar.

Um cão, um gato, ou um outro animal que tenha sido escolhido por você para compartilhar parte de sua vida, pouco a pouco – ou à primeira vista – vai ganhando um lugar de importância em seus afetos. Não é novidade, então, afirmar que um grande número de pessoas que possuem animais domésticos os consideram integrantes da família.

Meu animal de estimação é parte da minha família

Cachorro com família

Salvo exceções que não vêm ao caso neste artigo, no caso de muitas famílias ou de pessoas que vivem sozinhas, ou melhor dizendo, que não compartilham seu lar com outros humanos, os animais de estimação ocupam um lugar importante dentro do grupo familiar.

São excelentes companheiros de brincadeiras para as crianças e acompanhantes imprescindíveis para os idosos. Também podem contribuir para que nos esqueçamos de um dia complicado no trabalho.

Chegar em casa e ser recebido com alegria pelo membro não humano da família, por si só já é reconfortante. Não é ousado afirmar que uma boa sessão de carícias e brincadeiras é a melhor maneira de se libertar do estresse que existe no mundo.

Escolhendo a família não humana

Quando decidimos adotar um animal de estimação de um abrigo ou o adquirimos um animal de um criador, devemos estar conscientes da responsabilidade que assumimos desde o primeiro instante com o bichinho.

“Um cão pode ser a única oportunidade que um ser humano tem para escolher um parente”.

Mordecai Siegal

Razões pelas quais o seu animal de estimação é parte de sua família

São muitas as razões que podem ser mencionadas quando queremos explicar o porquê consideramos nosso animal de estimação como um membro a mais do grupo familiar.

Embora seja certo que situações ideais não existem, da mesma forma como fazemos com os integrantes humanos da família, sempre tentamos dar o melhor aos nossos bichinhos domésticos. Enumeramos apenas alguns exemplos:

Afeto e educação

Amar incondicionalmente alguém – seja humano ou animal – implica também em uma série de responsabilidades. Por isso, é importante que, com os que integram a nossa família não humana:

  • Tratemos com consideração;
  • Respeitemos sua natureza;
  • Que os eduquemos e que limites sejam estabelecidos;
  • Que confrontemos os erros e maus comportamentos sem castigar e que possamos corrigi-los sempre com paciência e amor.

Saúde física e mental

Certamente você sai correndo para o veterinário quando percebe que o seu cão está doente e acompanha cada passo de sua recuperação. Mas não só isso:

  • Faça controles rotineiros;
  • Vermifugue-o;
  • Complete o calendário de vacinação;
  • Proporcione a ele um lugar próprio dentro da casa, limpo e cômodo, onde ele possa descansar;
  • Procure fornecer uma alimentação saudável e nutritiva e de acordo com o tamanho e a idade de seu pet.

Importante:

  • Recompense-o e lhe surpreenda preparando algum prato saboroso;
  • Encha-lhe de presentes: brinquedos, acessórios e casacos para o inverno;
  • Desfrute das brincadeiras e passeios com ele;
  • Estimule sua inteligência com novos desafios.

Também:

  • Encontre a forma mais adequada para levá-lo de férias com você, embora às vezes isso possa se tornar um assunto complicado;
  • Tente fazê-lo aparecer em todas as fotos de família;
  • Comente com orgulho todas as habilidades e virtudes dele;
  • Tenha uma coleção de histórias que o tenham como protagonista, e que é sempre bom recordar quando se reúne toda a família.

Respeito pela natureza de cada um

Gato dormindo

Por mais que você ame o seu animal de estimação, o pior que você pode fazer é tentar humanizá-lo.

Quando se ultrapassa esse limite, comete-se o engano de acreditar que o que é bom para você também deverá ser para o seu animal de estimação. Nisso você se engana, pois nem sempre é assim.

Amar é, acima de tudo, respeitar o outro. Tratar o seu animal de estimação como a um ser humano é um grave erro que poderá trazer problemas mais ou menos graves no comportamento de seu bichinho.

Uma família que se preze deve aprender a aceitar a cada um de seus membros tal como eles são. Trata-se aqui de pessoas, gatos, cães ou de qualquer outro animal de estimação que tenha sido escolhido para compartilhar o lar.