Não sabiam que animal era até que o limparam

Mudssey

Embora haja animais que não vivem com pessoas, graças a seu instinto, eles conseguem se alimentar e se manter com vida. Em muitas ocasiões, eles estão expostos a perigos que não podemos nem sequer imaginar. É possível que nunca tenhamos pensado nisso, mas quando acontecem casos como o de Mudssey, que lhe contaremos hoje, tornamo-nos mais conscientes disso. Mas que espécie de animal era esse?

Um animal, poderia-se dizer não identificado, foi encontrado em um poço de lama em tão mau estado que nem sequer era possível saber de que espécie era.

O animal misterioso cheio de lama

nao-se-sabia-que-animal-era-2

Fonte: www.capital.com.pe

Alguns pedreiros em Londres, enquanto estavam em seu trabalho, deram-se conta de que um animal estava preso em um poço de lama. Não sabiam do que se tratava, mas estes valentes homens o resgataram sem demora.

Ao tirá-lo, se depararam com um animal completamente coberto de lama que era impossível identificar o que era. A única coisa que sabiam é que se tratava de um mamífero, algo que tranquilizou os homens. Pelo menos não era uma serpente!

Estar nessas condições poderia ter causado uma hipotermia ou asfixia no animal, ocasionando sua morte. Como os pedreiros sabiam que deviam atuar sem mais demora, deixaram o que estavam fazendo e se dirigiram rapidamente ao hospital veterinário mais próximo: o South Essex.

A primeira coisa que fizeram os profissionais do centro, sem dúvida, foi lavá-lo. Aí então descobriram quem era o novo inquilino do hospital. Era nada mais e nada menos que um belo filhote de raposa vermelha. Sem lama, ele era lindo. Porém, era necessário que fossem feitos alguns exames médicos, pois não sabiam por quanto tempo o animal tinha estado preso no poço de lama.

Depois de vários exames, tudo parecia estar bem, mas Mudssey, como o batizaram no hospital, estava muito debilitado, por isso o deixaram hospitalizado.

Estar em um poço coberto de lama é algo muito prejudicial para a saúde. Isso sem contar o esforço que ele deve ter feito para tentar se mover com toda essa carga em cima. Portanto, o melhor a fazer seria deixar que Mudssey passasse alguns dias no hospital para descansar e se alimentar de maneira apropriada e poder assim recuperar 100% de suas forças.

Em apenas alguns dias, quando Mudssey recuperou toda a sua força, ele foi levado de volta para o seu habitat, com a certeza de que não ficaria doente. Um trabalho excelente tanto dos pedreiros quanto dos membros do hospital.

Mudssey não é o único resgatado

nao-se-sabia-que-animal-era-3

Fonte: www.capital.com.pe

Entretanto, Mudssey não é uma exceção. Este é apenas um dos muitos casos de cães e outros animais que foram resgatados de situações perigosas. Vamos recordar alguns:

  • O cão bombeiro. Jack era um belo filhote de boxer quando foi resgatado de um incêndio. Tinha queimaduras em 75% de seu corpo e tudo parecia indicar que ele não sobreviveria. Ninguém o reclamou, por isso os bombeiros ficaram com ele no quartel e ofereceram a ele todos os cuidados necessários. Jack chegou a ser usado como cão de terapia para crianças vítimas de queimaduras. Hoje ele é parte do corpo de bombeiros.
  • Lua. Em 10 de fevereiro, Lua, uma cadela da raça pastor alemão, foi tida como desaparecida. Apesar da intensa busca feita a pedido dos donos, Lua não foi encontrada. Uma semana depois, a busca foi abortada. Mas sua proprietária, que estava empenhada em encontrá-la e sabia que a sua cadela era uma excelente nadadora, pensou que talvez ela pudesse ter chegado a alguma costa. Ninguém acreditava nisso naquele momento, mas ela tinha razão. Lua foi encontrada um mês depois em uma ilha próxima.
  • Um burro. Na Irlanda uma senhora viu um burro se afogando devido a uma enchente. O ruim dessa história é que a senhora não sabia nadar, por isso seria impossível para ela ajudar o pobre animal. Mas ela agiu com rapidez e colocou um anúncio em uma página de resgate de animais. Eles atenderam rapidamente ao pedido de resgate e puderam salvar a vida do animal. Todo um ato heroico.

Fonte das imagens: www.capital.com.pe