O instinto materno dos animais

É sabido que muitas fêmeas de animais são boas mães, isso é para proteger os mais jovens, alimentá-los, ensiná-los a se defenderem e serem carinhosos. O instinto maternal é parte da espécie e isso, de alguma forma, garante a sobrevivência dos filhotes para que eles possam atingir a idade adulta e se reproduzirem.

Muitas espécies criam grupos familiares onde vivem várias fêmeas com um macho dominante, em comunidades compostas por indivíduos de sexo diferente, mas apenas o casal alfa tem o direito de se reproduzirem ou simplesmente são grupos mistos nos quais não há nenhuma distinção de hierarquia.

Há alguns, como os elefantes, que vivem em manadas de fêmeas e estas permitem a entrada de machos somente para fins reprodutivos.

Parte da expulsão dos machos das manadas é para a proteção dos filhotes, evitando que o macho possa vir a matar alguns deles e, assim, evitar a perda de um papel dominante.

No entanto, embora a presença masculina na família possa ser muito benéfica, pois pode fornecer alimentos e proteger a família, os filhotes ainda estão em suas primeiras semanas e são absolutamente dependentes das mães.

É possível que durante a reprodução, o forte instinto protetor das mães faça com que as fêmeas tomem atitudes que muitas vezes nos surpreendem.

Um dos casos mais famosos é o da tigresa que serviu como substituta da mãe para alguns porcos que tinham se tornado órfãos.

Os guardiões do zoológico tomaram esta medida porque a tigresa entrou em depressão depois de perder seus próprios filhotes, então eles cobriram um dos porcos com pele de tigre e o colocaram junto a tigresa. Felizmente, o plano funcionou.

O instinto materno dos animais

Igualmente, Koko, a gorila que se tornou famosa porque aprendeu a linguagem dos sinais, também adotou um gatinho, que ela chamou de All Ball.

De acordo com o caseiro de Koko, ela cuidou e alimentou o gatinho como se ele fosse um bebê gorila. A experiência é bem documentada e há um monte de materiais sobre o assunto.

No entanto, esse comportamento não está limitado a animais que vivem em zoológicos.

Na verdade, foram relatados alguns casos de animais que adotaram filhotes que não são da sua espécie, por exemplo, o caso de uma leoparda que se dedicou por algum tempo à criação de um filhote de babuíno, cuja a mãe ela mesma havia matado.

A leoparda protegeu o filhote vindo a negligenciar inclusive sua caça. Infelizmente, o filhote de babuíno subiu em uma árvore onde morreu devido ao frio.

Existem peixes que cuidam de seus filhotes, levando-os em sua boca, semelhante ao crocodilo que fazem ninhos e carregam os filhotes no meio de seus dentes afiados.

Um crocodilo vai defender o ninho de qualquer perigo em potencial, sendo um dos seus períodos mais mortais.

O instinto materno em gatos

O instinto materno dos animais também está presente em nossos animais de estimação, os quais têm fortes manifestações maternas.

Um exemplo disso poderia ser o das cadelas com gravidez psicológica. Durante este tipo de gravidez, a cadela pode até começar a cuidar de objetos. Esta é uma ferramenta de defesa da espécie e que se deve aos lobos.

Quando os ancestrais dos cães viviam em sociedade com seus pares, tinham apenas uma fêmea alfa, que era encarregada de dar à luz os filhotes.

No entanto, quando as ninhadas eram muito grandes, ou a fêmea alfa morria, eram as fêmeas de menor hierarquia que assumiam a proteção dos filhotes, a gravidez psicológica então ajudava-as a estarem prontas quando precisassem delas.

Cães e gatos não escapam deste tipo de comportamento. Por exemplo, um cão vai defender seus filhotes até mesmo de seus próprios donos.

Isso pode ser problemático quando há crianças em casa, no entanto, não é geral e depende inteiramente da raça.

Os gatos, muitas vezes, escondem sua prole e alteram o local quando eles sentem que não estão seguros e não os abandonam mesmo diante da presença de predadores ou de algum tipo de infortúnio de origem natural.

Estas fortes ligações são geradas entre os animais e algumas se estendem por muitos anos, geralmente quando os filhotes entram em uma fase que podem se defender sozinhos, são expulsos de casa ou são abandonados por suas mães.

Agora oferecemos à você este lindo vídeo, no qual você poderá ver uma mãe e seu filhote em seus melhores momentos, um bom exemplo do instinto materno dos animais: