O nariz no cão: curiosidades

Beagle farejando com o nariz

O nariz no cão é como o olho no ser humano; é um dos órgãos mais importantes, que permite aos cães conhecer o mundo. Aqui vêm alguns dados curiosos sobre o sentido mais valioso de nossos queridos amigos de quatro patas:

  • Os filhotes de cães nascem surdos e cegos. O único sentido que os permite achar o mamilo da sua mãe é o olfato;
  • O alcance olfativo dos cães é de 1,5 metros, enquanto o do ser humano é de 5 centímetros;
  • O bulbo olfativo dos cães, em proporção ao do ser humano, é quarenta vezes maior;
  • O olfato dos cães é 10 mil vezes mais sensível que o paladar;
  • Os cães são capazes de rastrear hidrocarburetos que causam incêndios ou explosões, assim como drogas ou substâncias proibidas;
  • Detectam os períodos de fertilidade nas fêmeas de sua espécie e em outros animais, como nas vacas,  que têm um período de fertilidade muito curto.

Como funciona o olfato dos cães?

Nariz de cachorro

Nossos cães têm o chamado Órgão de Jacobson, situado na parte inferior da mucosa olfativa, que se comunica com a cavidade bucal. Isso explica como o cão pode extrair cheiros do ar ou, além disso, de lambidas.

De fato, lambendo o chão ou qualquer superfície, os cães podem extrair informações que causem interesse e coisas que despertam a curiosidade. Assim é como podemos ter ideia do porque eles têm o comportamento de cheirar o traseiro de outros animais: para descobrir o sexo do outro, sua idade, algumas características de comportamento, etc.

Um ser humano talvez possae distinguir algumas dezenas de cheiros. Outros, como um profissional de perfume, por exemplo, muitos mais, mas um cão pode reconhecer, distinguir e classificar em sua memória mais de um milhão de aromas e cheiros diferentes. É por isso que podem rastrear pessoas ou objetos através desses pequenos, mas importantes matizes.

Uma prova disso nós encontraremos se jogarmos uma bola dentro de uma piscina com outras exatamente iguais. Para nós, seria difícil localizá-la, sobretudo se perdemos o contato visual da trajetória do objeto até a água, mas para um cão, nosso suor sobre a bola ou o cheiro da sua própria saliva impregnada anteriormente sobre a bola fazem possível que ele possa identificar o objeto e trazê-la de volta para nós.

Esta é a razão que faz com que os cães reconheçam pessoas e objetos. Se nós vemos nosso cão levantar a cabeça, cheirar o ambiente e afiar seus olhos, é porque pode estar interrompendo seu ciclo respiratório para explorar e armazenar informação (durante praticamente toda sua vida) a compridas distâncias, graças a seus potentes sensores olfativos.

Como posso treinar o olfato de meu cão?

Cachorro

Cada cheiro, por muito insignificante ou desagradável que nos pareça, tem uma grande importância no comportamento do cão. Indica desde a situação do objeto no espaço, quem os compartilha, a presença de intrusos, doenças e, além disso, alguns estados de ânimo em outros cães e em seres humanos.

Não devemos esquecer que o focinho no cão compõe a memória olfativa, que compreende tudo do mundo do animal e determina a vida e o comportamento.

Por isso, é vital ter em conta que nossos animais de estimação precisam de determinados estímulos do entorno, que complementam o conhecimento do espaço e que, além disso, podemos reforçar positivamente para nosso conhecimento e convivência com eles.

Tendo consciência da importância desse sentido no cão, podemos recompensar-lhes cada vez que farejam alguma coisa que os interesse e que possa nos beneficiar, como o jornal, os sapatos, seus brinquedos, animais desconhecidos ou perigosos, novos membros na família, etc.

Assim estaremos aplicando o conhecido Princípio de Premack: “A melhor atividade reforça a aplicação de pelo menos uma resposta preferida”. Isso quer dizer que devemos reforçar um comportamento pouco comum, mas positivo, com um comportamento muito comum.

Por exemplo, se nosso cão adora brincar com os brinquedos “jogar e trazer”, seria conveniente utilizar essa ação depois de um comportamento pouco comum, mas positivo, como pode ser trazer o jornal ou deixar de morder determinado objeto.