O Tumor Venéreo Transmissível, um sarcoma infeccioso

O tumor venéreo transmissível canino (CTVT) é um câncer contagioso que é transmitido de forma natural entre os cães mediante a transferência  de células cancerígenas vivas durante o coito. Esse tipo de doença foi originada há milhares de anos. Entretanto, suas características e prevalência ainda continuam sendo pouco claras e ainda são investigadas.

Sintomas

Sintomas do Tumor Venéreo Transmissível

Um cão com tumor venéreo está acostumado a apresentar uma massa vermelha na membrana da superfície da vagina ou no pênis. A massa de tecido pode se romper na manipulação.

Também é provável que se observem gotas de sangue no prepúcio do pênis ou na vagina. Por conta disso, o animal está acostumado a lamber a zona afetada com frequência.

Para diagnosticar esse tipo de tumor, é realizado um exame físico que se concentra especialmente nos órgãos genitais do cão.

O veterinário vai precisar de uma amostra de tecido para realizar a biópsia. Ele também vai efetuar testes de laboratório padrão, incluindo o hemograma completo, um perfil bioquímico e análise de urina.

Esse tipo de tumor rara vez se propaga para outros lugares, para confirmá-lo, o especialista deve realizar um diagnóstico visual que vai incluir radiografias de tórax e abdômen. Também vai apalpar os gânglios linfáticos da zona afetada para determinar se estão reagindo à anomalia.

Nesse sentido, uma amostra de líquido linfático vai ser enviada ao laboratório para posterior avaliação, para determinar se as células cancerígenas estão na amostra. A presença de células cancerígenas nos gânglios linfáticos, frequentemente, é uma forte indicação de que o tumor não é benigno.

Em alguns cães, o tumor pode desaparecer espontaneamente sem nenhum tratamento. Também pode ser extirpado cirurgicamente e começar o tratamento médico depois da cirurgia. Se o tumor for benigno, ou seja, não cancerígeno, provavelmente o prognóstico é favorável e se espera uma cura completa.

O prognóstico depois do tratamento médico costuma ser muito bom. Entretanto, os riscos podem ser muito mais altos se for descoberto que o tumor é maligno.

Da mesma maneira, a terapia contra o câncer apresenta muitos efeitos colaterais, especialmente se ela é realizada a longo prazo. Por exemplo, os tipos de medicamentos que se empregam para suprimir o crescimento das células cancerígenas podem afetar as células normais, diminuindo, dessa maneira, o sistema imunológico do animal.

Nesse sentido, é importante que o cão siga um bom plano de nutrição para ajudá-lo a se recuperar rapidamente,  sem complicações.

Finalmente, o veterinário do seu animal vai estabelecer um plano de seguimento para o seu posterior tratamento.

Algumas características

Características desse tumor

Os tumores venéreos transmissíveis caninos costumam ter uma aparência similar a de uma couve-flor. Variam em tamanho, um nódulo pode chegar a ter milímetros, enquanto que os grandes podem chegar aos 10 centímetros. Sua superfície costuma ser, frequentemente, ulcerada e se inflama e sangra com facilidade.

A metástase é pouco frequente, só se apresenta em 5% dos casos. Quando se produz a metástase, em geral se manifesta nos gânglios linfáticos regionais, rim, baço, olho, cérebro, pele, tecido subcutâneo, gânglios linfáticos mesentéricos ou peritôneo.

Estes tipos de tumores costumam ser facilmente diagnosticados com um exame, mediante a avaliação histopatológica das biópsias. Às vezes, pode ser difícil distingui-los de outros tumores de células redondas, como podem ser os linfo-sarcomas, sobretudo quando é encontrado em áreas não genitais.

Embora essa doença seja registrada no mundo todo, sua prevalência é relativamente alta em algumas regiões geográficas, como podem ser os ambientes urbanos tropicais e sub-tropicais.

Embora possa ocorrer uma regressão espontânea, essa doença, nos cães, costuma ser geralmente progressiva. O tratamento consiste na extirpação cirúrgica, radioterapia e quimioterapia. Embora essa última terapia seja uma opção a ser considerada por escolha.

A taxa de regressão do tumor se correlaciona negativamente com o tamanho do tumor e a idade do animal, sobretudo se o cão tiver uma idade avançada. Em geral, a remissão total pode ser esperada durante o sexto mês de tratamento.

O prognóstico para a remissão total com a quimioterapia ou a radiação é bom, salvo que exista incidência em outros órgãos, além da pele. A cisão cirúrgica completa, com frequência não pode ser realizada devido à localização anatômica de muitos desses tumores.