Os cães na literatura

Os cães sempre tiveram grande destaque na literatura. De Argos, em  Odyssey, até Milu de Tintin, chegando no pequeno Toto em O Mágico de Oz, os cães sempre foram estrelas em obras maravilhosas. É por isso que vale a pena lembrar. O Meus Animais relembra aqui alguns desses cães fabulosos.

Cães na literatura, Milu

Sem dúvidas que Tintin é uma das mais importantes histórias do século passado. Mas… As Aventuras de Tintin teriam sido as mesmas sem o pequeno Fox Terrier branco que acompanha cada uma de suas histórias?

Tintin tinha longas conversas com ele, era seu único e grande confidente, se lembra agora do importante papel de Milu?

Tranquilo e mais racional do que o seu proprietário, Milu é corajoso e determinado a proteger seu companheiro repórter, desde que não esteja em seu caminho um osso ou uma garrafa de uísque, seus principais pontos fracos.

Argos, A Odisseia

Argos, o corajoso cão de Ulysses, foi um dos primeiros cães mencionados na literatura ocidental. A maravilhosa obra de Homero não teria sido a mesma sem ele. É o mais fiel entre todos os cães.

Depois de esperar por seu mestre durante 20 anos, Argos, já doente, reconhece Odisseu movendo sua cauda. Após o encontro, Argos morreu em paz como um verdadeiro símbolo da fidelidade e do amor.

Buck, o Chamado da Selva

Cães na literatura

Você sabia que uma das mais famosas obras de Jack London tinha como personagem principal um cão? Buck, sem dúvidas, é o maior personagem do Chamado da Selva.

Este cão da Califórnia, que passa por grandes aventuras no Alasca, é um dos mais famosos cães de trenó da literatura mundial.

O personagem Buck inspirou Jack London a escrever outro romance, “Caninos Brancos”, onde ele explora, entre outras ideias, que mundo violento dos animais não é tão distante do mundo violento dos seres humanos.

Totó, O Mágico de Oz

Como não amar Totó, o grande companheiro de Dorothy, de O Mágico de Oz? Fiel ao seu dono, o corajoso Totó é um dos cães mais queridos da literatura universal.

Enquanto Totó, a princípio, parece ser apenas um cão normal, em livros posteriores, tem a capacidade de falar, e fala até demais.

Lassie, Lassie volta para casa

Lassie

Estrela de 12 filmes e várias séries de TV, Lassie também foi personagem de um livro. Escrito em 1940, o romance “Lassie volta para casa” narra as aventuras da famosa Collie para retornar ao seu mestre.

O temível Cãonômetro, Tudo depende de como você vê as coisas

Quem melhor que um cão para estrelar este romance de Norton Juster. E sim .. obviamente, nós amamos o cão de guarda com o relógio que resgata e acompanha Milo em suas aventuras. Afinal, todos nós precisamos de alguém para transmitir os nossos pensamentos.

Jip, David Copperfield

Charles Dickens também se refere aos cães em suas obras. Um exemplo é o romance popular David Copperfield publicado em 1850. No livro aparece um pequeno cachorro chamado Jip, que pertence a Dora Spenlow, a primeira esposa de David.

Jip é o espelho de seu dono: bastante nervoso, Jip quer ser sempre o centro das atenções. Na verdade, o personagem Jip permanece na obra tanto quanto Dora, ele morreu ao seu lado, no exato momento em que ela fechou os olhos pela última vez.

Fang, Harry Potter

Aqueles que leram Harry Potter, têm um fraco pelo Dogue Alemão de Rubeus Hagrid. Ele acompanhou Hagrid por muitos lugares, incluindo a Floresta Proibida. Fang também esteve presente na Batalha da Torre de Astronomia e na Batalha de Hogwarts. Um personagem e tanto.

Savage Sam, Old Yeller

A literatura infantil sempre usou os cães para suas histórias mais imersivas. Savage Sam, de Fred Gipson, não é exceção.

Certamente, muitos de vocês deixaram cair uma lágrima quando Travis é forçado a matar Savage Sam, depois de ter sido infectado com o vírus da raiva através de uma briga com um lobo.