Os gatos e o instinto de luta: Por que eles brigam?

Como você já deve ter visto centenas de vezes, os gatos têm um instinto de luta que é parte do comportamento da espécie e, portanto, parte da natureza dos felinos. Como espécies auto-suficientes, os gatos são caçadores solitários e tendem a evitar qualquer conflito físico que ameace sua sobrevivência, já que qualquer disputa aberta pode causar lesões físicas que impossibilitem os felinos a caçar e pode, consequentemente, levá-los a morte.

Os gatos, muitas vezes, mostram sinais de raiva, no entanto, usam determinados códigos para evitar conflitos com seus pares e reduzir a tensão.

Estes sinais podem ser notados em suas vocalizações, postura, expressão facial e marcação territorial. No entanto, a luta pode vir a ocorrer e ela pode ser ocasionada por falta de outra opção, ou porque o agressor está convencido que pode vencer o adversário sem sofrer represálias.

Os gatos e o instinto de luta, motivos de disputa

gatos-lutando-2

Seja em casa ou fora de seus territórios, os gatos tendem a defender seus espaços, ou qualquer outra área significativa para eles, contra a invasão dos demais. Em seus bairros, eles podem procurar ativamente expandir seus territórios, e gatos menos confiantes podem representar um alvo fácil a ser atacado.

Se os gatos não podem, ou não têm exito, na defesa de suas áreas de alcance, esforçam-se para não ter que sair de suas casas, devido a diminuição significativa de suas fronteiras, os passeios ao ar livre tornam-se muito perigosos para eles.

Uma porta ou uma janela aberta podem, potencialmente, permitir que gatos estranhos invadam a sua casa, causando um comportamento agressivo de ambas as partes.

Surpreendentemente, há ocasiões em que a força invasora resiste em lutar frente a passividade do gato residente, porém este problema se deve, em grande parte, ao fato de sentir mais temor do que aceitação positiva com a sua presença do gato estranho.

Qualquer uma dessas invasões também podem causar atrito entre gatos residentes, aumentando a ansiedade e mantendo a tensão em um nível tolerável. O número de gatos em um bairro também pode ter um efeito semelhante, já que a presença do gato residente se transforma em uma pressão, às vezes, difícil de vencer.

Alguns gatos recorrem a agressão ativa mais rápido do que outros, dependendo de fatores genéticos, sexo e do resultado de suas primeiras experiências de agressão ativa.

Qualquer casa com fêmeas reprodutoras também podem abrigar episódios recorrentes de agressão, principalmente quando a mãe está protegendo seus filhotes.

Como resolver a agressão?

gatos

Os gatos são muito adaptáveis e, em uma casa, podem compartilhar o mesmo espaço sem terem que interagir de forma agressiva com os outros gatos da casa.

Se vários gatos puderem formar “panelinhas”ou grupos que concordam e discordam entre si, a agressão é evitada sempre que possível. Isto não quer dizer que não haverá momentos de agressão entre membros de facções separadas para reafirmar quem têm acesso a um determinado recurso, e em um dado momento.

O gato também pode se utilizar de táticas de intimidação passiva como uma guerra psicológica muito eficaz.

Dentro de qualquer grupo multi-gato haverá agressores em potencial, todos eles necessitam de uma vítima. Uma vítima pode ser qualquer gato que responda a um comportamento ameaçador de outro. Quanto mais o gato e o instinto de luta responder a intimidação, mais o valentão irá se jogar,

Por outro lado, muitos gatos também desfrutam de brincadeiras de luta e perseguem uns aos outros. É uma brincadeira muito silenciosa, com muitas pausas no meio, até que o gato se reposicione. A mordida é suave e não causa nenhum dano ou dor ao destinatário e as garras geralmente permanecem retraídas.

Não há nenhuma razão para interromper este tipo as brincadeiras que se desenvolvem com essas características. Mas cuidado, porque essas brincadeiras podem evoluir para uma reação mais agressiva por parte de um dos gatos, então fique atento aos choros e ruídos entre eles.

Não existe uma solução rápida para o comportamento agressivo, o melhor conselho é consultar o veterinário de seu animal e discutirem juntos as melhores soluções.