Como os gatos pensam

Como os gatos pensam

Tentar explicar como os gatos pensam não é uma tarefa simples. Sem colocar em dúvida a inteligência dos bichanos, possivelmente devido à personalidade e independência deles, é muito difícil convencê-los a participar de estudos que tenham como objetivo revelar a estrutura de pensamento deles.

Inteligentes, carinhosos e independentes: assim são os bichanos

gato e bebê

Quem teve ou tem gatos pode dar o testemunho de que eles são animais extremamente inteligentes e carinhosos, embora não estejam constantemente tentando nos agradar, como os cães fazem.

É que os bichanos não nos consideram seus donos e nem nos identificam como os chefes de um grupo ao qual nunca pertenceram. Alguns afirmam que eles nos veem como seus pares, embora de um tamanho um pouco “maior”.

Outros – como Winston Churchill – se atrevem a dizer que eles até pensam que nós somos seus súditos. E o antropólogo e sociólogo Marcel Mauss, uma vez sentenciou: “O gato é o único animal que conseguiu domesticar o homem. ”

Os gatos são misteriosos; se passam mais coisas pela mente deles do que nós podemos imaginar.

– Walter Scott –

Alguns dados sobre o cérebro felino

Um fator importante é que o cérebro dos gatos e o dos humanos têm uma estrutura similar em 90%.

O cérebro dos bichanos está separado em áreas designadas para tarefas específicas, mas que podem transmitir facilmente a informação de um espaço para o outro. Isso permite ao bichano reconhecer de maneira rápida o ambiente que o rodeia e se adaptar sem inconvenientes.

Além disso, conta com 300 milhões de neurônios que lhe possibilita não se esquecer nada do que alguma vez ele já tenha aprendido, como o que a sua mãe lhe ensinou quando ele era um filhote. Ou se recordar de lugares em que esteve muito tempo atrás, ou pessoas que conheceu em diferentes circunstâncias.

Entretanto, o cérebro felino precisa ser estimulado de maneira constante. Muitos dos felinos que manifestam uma maior inteligência, são os que mais tiveram contato desde filhotes com as pessoas que os criaram.

Estudos humanos para revelar como pensam os gatos

Mas enquanto as notícias sobre diferentes estudos realizados sobre a mente dos cães nos surpreendem com frequência, não acontece o mesmo com os nossos amigos bichanos. Assim, neste terreno, ainda estamos engatinhando para saber como os gatos pensam.

As poucas experiências levadas a fundo com os bichanos não foram muito animadoras. Por exemplo, Christian Agrillo – psicólogo da Universidade de Pádua, Itália – realizou vários estudos de competência numérica com macacos, pássaros e até com peixes – se frustrou quando foi rumo aos gatos: muitos se mostraram irritados e outros diretamente se negaram a cooperar.

E, com os poucos bichinhos que colaboraram, logo ele pôde concluir que eles têm pouco interesse e que se importam mais com o tamanho do que com a quantidade de algo.

Sinais que nos dão pistas de como os gatos pensam… e muito

Entretanto, ainda que os humanos não possam compreender a forma como os gatos pensam, isso não quer dizer que eles não o façam. Basta observá-los com atenção para nos darmos conta de sua inteligência. Ou seja:

  • São precavidos. E se dão conta quando podem estar em perigo.
  • Têm curiosidade. Gostam de conhecer e explorar além de situações ligadas à sua sobrevivência.
  • São capazes de achar soluções para diferentes problemas e situações que se apresentam. Por exemplo: como abrir uma porta ou como acessar a comida que está dentro de um recipiente fechado.

E, embora eles possam chegar a aprender alguns truques, apenas o farão se conseguirem algo em troca. E se negam a cooperar se algo não é de interesse deles. Difícil imaginar a estas alturas “um gato de Pavlov”, não é mesmo?

Os bichanos não querem nos contar seus segredos

gatinho

O jornalista e cientista David Grimm afirma que os cães parecem se sintonizar como nenhum outro animal a rádio frequência humana. E que, possivelmente, essa seja a única estação que eles ouvem.

Em contrapartida, os bichanos se sintonizam conosco apenas quando eles querem e, também, não nos restam dúvidas de que eles também se sintonizam com outras estações. Isso explicaria o porquê eles são tão difíceis de serem estudados.

Embora também possamos concluir que os gatos são seres muito inteligentes para cooperar com os nossos torpes experimentos. E que, além disso, eles não querem nos revelar nenhum de seus segredos.