Os gatos vivem mais que os cachorros por serem mais independentes

Gatos vivem mais que os cães

Muitas pessoas apreciam a sociabilidade dos cães em comparação com os gatos, que têm uma personalidade mais independente. No entanto, estudos recentes asseguram que os gatos vivem mais do que os cães justamente por isso, já que a forma de ser independente dos felinos os ajuda a viver por mais tempo.

Por que os gatos vivem mais que os cães?

Gato

O gato é um animal solitário por natureza, e em poucas ocasiões se deixará ser tocado ou acariciado por qualquer pessoa. São desconfiados e diante de qualquer temor tendem a se defender com garras muito afiadas.

É justamente esta característica que permite que os felinos vivam, em média, três anos a mais que os cães. Enquanto seus amigos caninos vivem em média 12 anos, os gatos têm uma expectativa da vida média maior, de 15 anos.

Teoria do envelhecimento e os mecanismos de defesa

Existem muitas teorias a respeito desta vantagem dos gatos. Uma delas é a que incide na segurança das espécies de animais como condicionante da sua idade máxima. De acordo com ela, as opções de defesa dos gatos, por suas garras e sua agilidade, diminui tanto a sua captura como a extensão de doenças.

Esta teoria chamada de “evolutiva de envelhecimento” é baseada no fato de que os seres vivos vivem mais anos dependendo das condições de segurança em que se encontrem. Ainda que os cães sejam ferozes, eles não contam com as garras dos felinos e nem com a sua agilidade. Se tentarmos capturar um gato, observaremos que é muito mais difícil do que pegar um cachorro. Os gatos têm mais recursos para se defenderem do que os cachorros.

A diversidade de misturas de raças influencia a idade

Outras teorias incidem no fato de que a média de idade no caso dos cães também é condicionada pela criação de diferentes raças, o que poderia ir gerando uma saúde mais fraca. Ainda que também exista uma grande variedade de gatos, as diferenças entre eles não são tão óbvias. Pensemos, por exemplo, no quanto um chihuahua e um mastim são diferentes.

Dependência de um lar e um dono

Outro fator que pode incidir na idade dos gatos em relação à idade dos cães é que, ainda que os felinos prefiram estar com seus donos, eles não têm muita dependência do mesmo para se tranquilizarem se estiverem em um local estranho, no qual nunca foram antes.

Os gatos reagem melhor do que os cães a ambientes desconhecidos graças à sua natureza de caçadores independentes e solitários.

No caso dos cães, tudo muda. Com um tempo de convivência, os cães começam a se parecer muito aos seus donos, a suas preferências, hábitos, e inclusive adotando atitudes e posturas. Se o dono é muito introvertido e pouco sociável, seu animal será cada vez mais ciumento em relação à sua intimidade. Quando se trata de uma pessoa extrovertida, o animal se sentirá confortável saindo do seu lar e indo em parques, praças, etc, cheias de pessoas e de outros animais.

O cuidado que eles recebem também influencia diretamente a vida destes animais. Com um pouco de vigilância e controle, faremos com que nossos amigos fiéis se mantenham saudáveis, não tenham acidentes, e possam viver o maior número de anos possível.

Perigos para a vida do gato

Carinho em gato

A independência dos gatos a respeito da qual comentamos, assim como a sua curiosidade para descobrir novas coisas, faz com que eles sejam propensos a perigos de todo tipo. É muito provável que, quando ele comece a sair de casa e tenha que cruzar uma rua, não seja consciente do perigo dos carros, porque nunca conviveu com eles. Os cães são mais caseiros e não buscam sair de casa para explorar.

Outro perigo para os gatos é o caso de armadilhas se o entorno é rural, ou o ataque de algum cão de rua, ou se ele entrar sem querer em uma propriedade vigiada por cães bravos.

Eles também podem sofrer acidentes ao pular de um telhado ao outro, ou ficarem presos, ou ingerirem alimentos envenenados na rua. Não nos esqueçamos da famosa frase “a curiosidade matou o gato.”

Há mais inconvenientes para um gato que sai de casa. As doenças contagiosas, por exemplo, ou as brigas entre machos por causa de uma fêmea que esteja no cio. Nestas brigas eles podem sofrer feridas muito graves.

No caso das fêmeas, uma cadela no cio aguardará em casa e sofrerá seu momento até que ele passe. Por outro lado, uma gata terá uma grande necessidade de sair de casa e encontrar outros gatos.