Perigos de comprar um cachorro de um criador particular

Entre os principais riscos de comprar um cachorro ou dar entrada na sua adoção se ele for oriundo de um criador, encontramos a compra de pedigrees falsos ou a aquisição de animais doentes.

A aquisição de um cachorro precedente de um criador envolve perigos que convém conhecer para poder evitar. Em torno do negócio da compra e venda de animais de criadores particulares existem alguns riscos, entre eles, a possível superexploração dos cachorros para a criação.

Pode acontecer o caso de o cliente pagar uma soma de dinheiro exorbitante por um pedigree que não é verdadeiro. Este artigo explica quais são os riscos de comprar um animal de um criador particular e as maneiras de evitá-los.

Riscos relacionados à higiene na compra de um cachorro

almofadinhas

Quando adotamos um filhote, devemos ter a consciência de que eles precisam de cuidados específicos, como é o caso da eliminação de parasitas, vacinas e revisões a partir de determinada idade. Se não levarmos em conta esses cuidados, a saúde do filhote poderá ser afetada.

É importante que o nosso vendedor ou pessoa que nos ceda um cachorro seja um criador reconhecido, uma associação protetora dos animais ou um profissional.

A aquisição de um animal de um criador particular não assegura que ele tenha recebido os cuidados sanitários adequados. É importante levarmos em conta que não é uma atividade comercial reconhecida e, portanto, não são exigidos deles os mesmos requisitos exigidos de um criador profissional ou de um estabelecimento autorizado de venda de animais.

A situação na Espanha

Apenas na Espanha, há mais de cinco mil empresas especializadas em animais de companhia. Esses negócios têm a obrigação de cumprir certos requisitos, como corretas condições higiênico-sanitárias para os futuros animais de estimação que venham a abrigar.

No entanto, os criadores que criam animais em sua casa podem ignorar essas condições, porque não estão submetidos aos controles dos estabelecimentos e negócios autorizados de animais.

A reclamação depois da compra de um cachorro

Como muitas outras compras, se você não tiver o recibo da compra do animal, não terá a possibilidade de reclamar, caso seja necessário. O animal pode estar doente e inclusive morrer dias depois de sua compra devido a determinadas patologias.

Quando se trata de estabelecimentos autorizados, a compra costuma incluir uma garantia de 15 dias. Durante esse período, se o animal adoecer ou morrer, o comprador pode pedir uma compensação em dinheiro.

Também há casos em que doenças surgem 15 dias depois da compra do cachorro e, depois desse tempo, já é muito complicado reclamar no estabelecimento.

Superexploração de animais

Existem criadores que submetem as fêmeas a uma superexploração para obter mais filhotes. Sobretudo, quando compramos animais sem garantia, sabemos que estamos fomentando esse negócio, o da superexploração.

Fraudes e pedigrees

Como observamos, o número de fraudes na aquisição de cachorros com uma suposta raça ou um determinado pedigree é mais frequente do que o desejável. Uma das formas de se evitar a problema é solicitar a realização de exames de DNA para determinar quem são os pais e a origem do cão.

É verdade também que as compras não freiam o abandono. A adoção de um cachorro é uma opção solidária e necessária, se for levado em conta que o Brasil possui, hoje, cerca de 30 milhões de animais abandonados. Não faz muito sentido comprar um cão quando há muitos a espera de uma família nos abrigos.

Conselhos para evitar riscos ao comprar um cachorro

Carta de um cão para sua dona

  • Conhecer as suas origens. Como vimos, é recomendável verificar sua procedência.
  • Falar com o criador e conhecer os detalhes do animal.
  • Se há um clube de raça do animal, visite-o para conhecer as suas peculiaridades.
  • Avaliar as instalações onde vive a matilha e suas condições higiênico-sanitárias. Essa é a maneira de saber se o criador é profissional e responsável com os animais que cria e vende.
  • O sistema para recolher o DNA e saber a procedência do animal não é difícil. Simplesmente é preciso pegar um cotonete e esfregá-lo na zona interna da mandíbula para colher células, que é onde se encontra o DNA. É seguro e indolor para o cachorro. Esse DNA informa, por exemplo, quando um cachorro vem de mais de uma raça diferente. Em todos os casos, alguma dessas raças será a predominante e o cão se parecerá mais com ela física e emocionalmente.