Psicologia canina: preste atenção

Psicologia canina

Psicologia canina, melhor conhecida como Etologia, é a ciência que se ocupa de estudar o comportamento dos cães. Por meio dessa disciplina, podemos saber mais de nossos amigos peludos e aprender a nos relacionar melhor com eles.

Entendendo os amigos de quatro patas

Gato e cachorro

Estudar o comportamento dos cães através da Etologia implica também em tudo o que está relacionado com seu entorno. Isso inclui:

  • Outros cães;
  • Outros animais;
  • Os humanos.

Além disso, entre outros temas se aprofunda em:

Para quê serve a Psicologia canina

A Psicologia canina, ao nos possibilitar conhecer mais aos nossos peludos, nos ajuda a entender melhor o que necessitam esses nobres animais e qual é a melhor forma de tratá-los, respeitando sempre sua natureza de cão e determinando quais comportamentos deles são inatos e quais são aprendidos.

Por isso, é uma ferramenta indispensável na hora de educar e treinar nossos amigos íntimos de quatro patas, para que a nossa convivência com eles não represente maiores problemas.

O comportamento dos donos tem uma importância fundamental para evitar problemas de comportamento no cão.

No que contribui a Etologia para conhecermos melhor os cães

Por meio do estudo do comportamento dos cães, pôde-se estabelecer, por exemplo, que:

  • São muito inteligentes. Podem entender a mesma quantidade de palavras que uma criança de dois anos.
  • São muito sociáveis. Portanto, não é bom deixá-los sozinhos por mais de 8 horas.
  • Precisam fazer muito exercício para evitar que sofram de ansiedade. A ansiedade se canalizará por meio de destroços na casa, agressividade, latidos em excesso, etc.

Aprender a respeitar os comportamentos inatos dos cães

Os cães são animais muito instintivos. Por esse motivo, não devemos impedir seus comportamentos inatos, tais como:

  • Marcar com as unhas o chão depois de fazer suas necessidades;
  • Dar várias voltas sobre sua cama antes de se deitar;
  • Fuçar o lixo;
  • Cheirar o traseiro.

Comportamento humano e canino

O comportamento dos donos tem uma importância fundamental para evitar problemas de comportamentono cão.

Depende de nós que o filhote tenha um correto período de socialização (entre a 3 e 12 semanas de vida) para que possa, por exemplo:

  • Acostumar-se a novas situações;
  • Controlar a agressividade;
  • Conviver com outros animais;
  • Perder o medo dos ruídos.

Alguns transtornos de comportamento dos cães

Por serem animais sociais, os cães precisam ter um contato adequado com seus donos para se sentirem felizes e equilibrados.

Tenha sempre em mente que se um cão não puder interagir com o seu grupo humano e não conseguir se sentir integrado, é muito possível que ele comece a apresentar diferentes transtornos, como os comportamentos destrutivos e compulsivos, que são consideradas uma consequência do estresse ou da frustração.

O cão manifesta esses comportamentos de diversas formas. Entre elas:

  • Dando voltas ao redor de si mesmo;
  • Perseguindo sua cauda ou reflexos de luz;
  • Mordendo as patas;
  • Mastigando roupa;
  • Lambendo-se ou se coçando de forma compulsiva;
  • Com latidos ou uivos constantes.

Principais patologias do comportamento canino

Cão olhando pela janela

Autor: Mariano García-Gaspar

Leve em conta, além disso, que as patologias mais habituais do comportamento de um cão são:

  • Fobias ou medos de situações concretas. Por exemplo, o ruído dos fogos de artifício.
  • Ansiedade produzida por uma fobia não superada, ou por algum transtorno relacionado com a capacidade de comunicação. Também pode ser ocasionada devido à incapacidade de adaptação a novas situações.
  • Depressão originada de traumas. Neste caso, pode se tratar da morte de um ser querido, de abandono ou estresse.

Cães saudáveis e felizes

Como você pôde observar, contar com algumas noções de Psicologia canina te ajudará a ter uma convivência feliz com o seu cão.

Lembre-se que cada animal é único. Sua personalidade depende tanto de sua carga genética e das particularidades de sua raça, como do trato e da educação que este recebe.

É de suma importância cuidar tanto de sua saúde física como da emocional. Para isso, e antes de mais nada, além de amá-lo e mimá-lo, devemos também aprender a respeitar sua natureza de cão.

 

Créditos das imagens: Paulus e Mariano García-Gaspar.