Quantos cães há no mundo?

Quantos cães há no mundo

Embora a somatória para se saber quantos cães há no mundo não seja simples, alguns peritos afirmaram que o número beira os 500 milhões. Os fabricantes de alimentos para animais de estimação estimam que na Europa vivem 75 milhões.

Quantos cães há no mundo: números a nível mundial

Destes números, na Espanha viveriam uns cinco milhões e meio, enquanto que nos Estados Unidos os números estariam acima dos 83 milhões. Nas demais parte do mundo, como na Ásia e na África, os números são mais difíceis de serem calculados.

É importante que se leve em conta que nem todos os cães do mundo estão registrados ou estão vivendo em casa como animal de estimação. Há muitos cães que estão soltos pelas ruas e contabilizá-los é muito difícil. Portanto, as estatísticas que mais são utilizadas para se conhecer o número de cães que há no mundo costumam proceder dos fabricantes de alimentos e de rações para animais de estimação.

Cachorros no mato

A indústria de alimentos para animais de estimação fatura, na Europa, perto de 14 trilhões de euros. Já nos Estados Unidos este número é superior a 40 trilhões. Como vimos, nestas cifras não se inclui o elevado número de cães de ruas, mas mesmo assim já dá para se ter uma ideia sobre o número de cães que podem habitar o nosso planeta.

Quantos cães há no mundo: a parte europeia

Das 72 milhões de famílias europeias que dividem a vida com pelo menos um animal de estimação, uma em cada quatro delas tem um cão. Muitas dessas famílias têm mais de um cão em casa. Quanto aos países europeus, enquanto na Espanha vivem perto de 5,5 milhões de peludos, com números similares na Alemanha, os cães franceses somam 7,2 milhões, e os cães ingleses estão em torno de 8.5 milhões. Na Rússia estima-se que haja 12.5 milhões de cães.

Quanto aos países com menor número de cães, na Grécia não há mais de 660.000 cães, na Suíça 440.000 e na Estônia o número de peludos não chega a 180.000.

Quantos cães há no mundo: América Latina, Ásia e África

Os dados existentes na América Latina são imprecisos, mas vão em função de cada país. Enquanto o Brasil teria 30 milhões de cães domésticos, a Argentina rondaria os 6,5 milhões e a Colômbia em torno de 5 milhões.

Na Ásia o cálculo é mais complexo porque os donos não registram seus animais de estimação, mas podemos intuir que eles se aproximam dos 110 milhões só na China. Na Índia, 32 milhões de cães vivem com seus donos e outros 20 milhões vagabundeiam pelas ruas.

No que se refere a África, o cálculo é impossível, já que não há documentação, nem registro e nem dados oficiais na maioria dos países. A Sociedade Mundial para o Proteção dos Animais estima que no Egito há 71.000 cães domésticos, 50.000 no Líbano e outros 32.000 na Arábia Saudita.

A Organização Mundial da Saúde calcula que haja 78 milhões de cães africanos, mas também admite que outros 70 milhões poderiam viver no continente sem um dono.

Quantas raças existem?

No que se refere a documentação, há 700 raças diferentes, a maioria delas aprovadas pela FCI, a Federação Cinológica Internacional. De fato, este organismo se encarregou de realizar uma classificação da totalidade das raças que a organização tem conhecimento em diferentes seções, divididas segundo o peso característico de cada uma delas:

Pug

  • Raças gigantes, formadas por cães com mais de 50 kg. Nela está o Mastim espanhol que, em alguns casos, chega a superar os 120 kg, e também o São Bernardo.
  • Raças grandes, enquadradas entre os 25 e os 50 kg. Entre elas podemos encontrar o Rottweiler, uma raça secular, e o poderoso Malamute do Alasca.
  • Raças médias. Entre 15 e 24 kg. Entre elas, o Buldogue Inglês, com seu porte dócil e fiel, e o Poodle (há vários tipos).
  • Raças pequenas. Entre os 5 e os 14 kg. Nela está o Schnauzer Miniatura, com muitas características positivas para seus donos, como habilidades de caça, de guarda, cão de companhia, etc., e os Carlinos, também denominados Pugs ou “Doguillos”.
  • Raças anãs. São as inferiores a 5 kg. Estão nessa categoria o Bichón Frisé, uma raça que se caracteriza por sua inteligência, o Bichón maltês, que recebeu esse nome devido a sua utilização para a caça de ratos em navios, e o conhecido Chihuahua, a menor raça. Alguns de seus exemplares não passam sequer de meio quilograma.