Quatro crianças que foram criadas por animais

A mitologia, a literatura e o cinema já nos apresentaram vários casos de crianças, seja por motivo de omissão, ou por alguma tragédia, que foram criadas por animais selvagens, como foi o caso de crianças selvagens, como Rômulo e Remo, e do Tarzan. No entanto, estes casos também ocorrem na vida real e, embora não muito frequentes, surpreende pesquisadores, psicólogos e sociólogos.

Este tipo de criança é conhecida como “criança selvagem” (que vem do grego e significa Feralis feroz). Nos casos documentados, essas crianças enfrentam problemas a nível de comportamento (comportamento agressivo, rasgam roupas, uivam ou imitam animais), têm dificuldades para caminhar eretas e apresentam problemas de fala.

Tais atitudes derivam de duas situações, a primeira e mais comum ocorre quando as crianças cresceram em quase total isolamento, portanto, não tiveram oportunidade de aprender os padrões comportamentais dos círculos humanos ao redor delas.

Na segunda, as crianças foram (supostamente) criadas por animais, estas tendem a se comportar como animais, por imitação.

Então, o Meus Animais apresenta alguns dos mais famosos casos de crianças selvagens criadas por animais:

John Ssbunya

John Ssbunya é uma criança Africana que foi criada e viveu por três anos com macacos. Quando John tinha entre 3 e 4 anos de vida, ele viu seu pai matando sua mãe. O menino fugiu de casa e foi para a selva.

Outra versão diz que, possivelmente, seu pai o abandonou na selva, pois ele não queria mais cuidar dele.

Uma vez na selva, o menino foi encontrado por um bando de macacos que ofereceram comida e decidiram tê-lo como filho. Logo, o menino começou a imitar os movimentos dos macacos e, gradualmente, tornou-se um membro do bando.

Depois de quase três anos, uma jovem chamada Milly Sebbavio o viu nu colhendo frutas com outros macacos jovens e alertou a comunidade.

Depois de um resgate difícil (nem os macacos e nem Jhon permitiram que ele fosse levado), John foi assistido por uma equipe médica e, embora tenha tido problemas para se alimentar, tinha parasitas e um alto grau de desnutrição, mas sobreviveu.

Atualmente, John continua vivendo em Uganda e é parte de um coral que já viajou para muitos países, incluindo Inglaterra e França.

Natasha

O caso de Natasha é bastante recente, foi descoberto em 2009, na Sibéria, na cidade de Chita, quando ela tinha 5 anos.

O que surpreendeu as autoridades foi que a menina mostrou-se muito agressiva ao contato humano, além de andar de quatro e beber água com a língua. Ela também se comunicava latindo.

A menina esteve trancada por toda a vida em um quarto com cães e gatos, sendo o único contato dela com humanos, quando seus pais entravam no quarto para alimentá-los. Estes foram presos e condenados por negligência.

Maria Isabel Quaresma Do Santos

Crianças criadas por animais

Maria Isabel viveu toda a sua vida confinada em um galinheiro, ela foi descoberta por um assistente social, aos 9 anos de idade.

Vinda de uma numerosa família em Portugal, Maria foi trancada em uma gaiola por sua mãe, que sofria de transtornos mentais graves, após ela considerar que Maria não pertencia à família.

Provavelmente, o mais surpreendente deste caso é que a menina não era uma desconhecida no lugar onde ela morava, ainda assim ninguém denunciou.

Ao ser resgatada, a menina só cacarejou, movendo-se como uma galinha e passava de estados de euforia e raiva para total ensimesmamento.

Além disto, ela foi alimentada exclusivamente com produtos para galinhas, e desenvolveu problemas graves de crescimento.

Apesar dos esforços realizados, no caso dela, isolada por tanto tempo, juntamente com a desnutrição extrema, manteve-se em estado inalterado por mais de dois anos, e vive em uma instituição psiquiátrica até hoje.

Marcos Rodríguez Pantoja

Crianças criadas por animais

Marcos Rodriguez é o mais documentado de todos os casos, trata-se de uma criança selvagem da Espanha, Andaluzia.

Nascido em 1946, foi vendido pelo pai a um pastor que logo o abandonou nas montanhas. Ele foi encontrado por uma matilha de lobos, com os quais a criança começou a compartilhar alimentos e viveu com eles por 12 anos.

Durante a guerra civil espanhola, ele foi encontrado e levado para a casa de um padre e, mais tarde, para um convento, onde foi corrigido um desvio na coluna causado por tantos anos andando curvado.

Ele teve muitos problemas para se adaptar às normas e a vida na cidade, e leva uma vida difícil até hoje.