Tudo sobre a raiva ou hidrofobia

A raiva é uma doença produzida por um vírus, com um tempo de incubação curto e que se ocorrer  o contágio, pode ser mortal. A raiva ou hidrofobia (fobia à água) ataca uma grande variedade de mamíferos, incluindo os seres humanos, e se manifesta afetando ao cérebro e o sistema nervoso central.

O vírus que produz a raiva, o Rhabdoviridae, está  presente em todo o planeta, tendo um maior índice de mortandade na África e Ásia, sendo as crianças e os filhotes  os mais propensos a morrer por conta desse mau.

Transmissão

A raiva é transmitida  através do contato com a saliva ou demais secreções de um animal infectado, sendo  a maioria de contágios por mordidas ou arranhões.

Outra forma de contágio, embora seja pouco frequente, é quando a saliva infectada chega a uma ferida aberta ou a uma mucosa.

O vírus, uma vez dentro do organismo, viaja pelo corpo até chegar ao cérebro, onde causa as inflamações que produzem os sintomas característicos da doença.

Incubação

Período de incubação do vírus da raiva

A incubação do vírus que produz a raiva tem algumas variantes. Por exemplo, depende em grande medida da espécie afetada ou da parte do corpo por onde tenha entrado o vírus.

Desta forma, quando a entrada for por lugares próximos ao cérebro, o vírus terá um menor tempo de incubação.

Em animais com tamanhos semelhantes aos dos cães usuais (de tamanho mediano), a aparição de sintomas costuma acontecer entre 3 e 8 semanas depois do contágio.

Entretanto, já houve casos registrados em que o período de incubação da doença é bem mais longo, chegando a alcançar os 6 meses.

Em animais do tamanho dos gatos, os sintomas se manifestam dentro das 6 primeiras semanas, mas isso costuma ser muito relativo, pois há casos documentados em que a doença demorou até um ano para apresentar os sintomas depois do contágio, sendo esse fenômeno muito mais frequente do que nos cães.

Para os humanos o tempo de incubação é de 3 a 6 semanas e dificilmente apresenta um período de incubação mais longo do que esse período.

O cão está acostumado a ser o principal portador dessa doença, assim como é o animal que mais a transmite. É por isso que são fortalecidos os planos de esterilização e vacinação tanto de animais domésticos como de cães guias.

Sintomatologia

O quadro sintomático da raiva pode não parecer alarmante no começo, mas os sintomas irão se tornando cada vez mais severos, afetando diferentes funções corporais e a personalidade de quem sofre dessa doença.

Seus sintomas são:

  • Febre
  • Ansiedade
  • Estresse
  • Atitudes nervosas
  • Salivação excessiva
  • Agressividade
  • Hiperatividade
  • Inapetência
  • Dificuldade para engolir
  • Paralisia
  • Fotosensibilidade
  • Olhar selvagem e desorientado
  • Hidrofobia
  • Automutilação
  • Movimentos erráticos
  • Mudanças na voz
  • Convulsões

Prevenção, diagnóstico e tratamento

A importância da prevenção

Basicamente, a única maneira de prevenir  a raiva é através da adequada vacinação e da pouca exposição de animais saudáveis a animais infectados ou com suspeitas de terem a doença.

Caso você tenha adotado cão de rua, a primeira coisa que você fazer é levá-lo ao veterinário para que descartem-se as possíveis de doenças.

Você também não deve deixá-lo com seus outros animais até não ter a certeza absoluta de que ele está saudável.

Também não deixe restos de comida que possam atrair animais selvagens ou perdidos, e quando estiver na rua, assim que vir um animal se comportando de maneira estranha, o melhor é informar o responsável imediatamente.

O único diagnóstico certeiro para determinar a raiva é feito ao se realizar uma análise do tecido do cérebro. Entretanto, isso implica que o animal tenha que estar morto para poder ser determinado.

A raiva é diagnosticada através do estudo da sintomatologia, embora estejam tentando desenvolver técnicas para poder detectar essa doença nas fases mais precoces.

A raiva não tem cura, daí a importância da prevenção, pois quando se determina que um animal sofre de raiva, seu destino é a morte.