O tumor de mama em cães e gatos, uma doença muito perigosa

Tumor de mama em animais

O tumor de mama em cães e gatos é uma patologia que, da mesma forma que ocorre com os humanos, antes de tudo, é importante tentar prevenir e quando não for possível, tratar de forma urgente, devido aos riscos que uma neoplasia maligna poderá causar nos animais.

De qualquer forma, existem diferentes possibilidades de tratamento para que os nossos queridos animais de estimação possam se recuperar ou para que transitem pela doença com uma maior qualidade de vida.

Características dos tumores mamários em cães e gatos

Define-se como tumor todo crescimento anormal de uma parte do corpo. O aumento indiscriminado de células forma, então, um tumor que pode ser benigno ou maligno. Neste último caso, trata-se de câncer.

Há raças de cães que têm mais predisposição para desenvolverem tumores, entre eles os mamários, que representam 42% da totalidade das neoplasias em cães.

As gatas, por sua vez, padecem em menor medida desta patologia (17% das neoplasias). No entanto, os tumores mamários felinos são mais agressivos: 90% são malignos.

Por outro lado, só uma porcentagem entre 35% e 50% dos tumores mamários em cães apresenta malignidade.

Além disso, esta é uma patologia que não é exclusiva das fêmeas. Os machos também podem sofrê-la, ainda que em menor medida, mas com um pior prognóstico.

Algumas medidas para prevenir o tumor de mama em cães e gatos

Gato doente

Prevenir, antes de mais nada, é a regra geral em muitas coisas na vida. No caso dos animais de estimação e deste tipo de tumores, o recomendável é:

Castrar em idade precoce

Se os animais não estão destinados à reprodução, o quanto antes eles forem esterilizados melhor, já que o estímulo hormonal favorece o desenvolvimento dos tumores.

Pense que uma fêmea, com seus cios e alguma possível gravidez psicológica, poderá ser uma vítima desta patologia entre os 7 e os 9 anos.

Examinar o animal de forma constante

Em forma de brincadeira ou de carícia é sempre uma boa ideia apalpá-los periodicamente –mamas e axilas – para poder perceber qualquer anormalidade que requeira uma consulta urgente com o veterinário. É importante que a revisão seja cotidiana porque alguns tumores crescem de maneira muito rápida.

Leve o seu animal de estimação ao veterinário frequentemente

Um bom check-up de rotina deverá incluir um exame de mamas para descartar a existência desta patologia.

Em casos avançados, em que o tumor não tenha sido detectado anteriormente, pode ser que o que motive a consulta seja a claudicação (quando o animal manca) ou dispneia (respiração dificultosa) por causa da metástase pulmonar, já que as células tumorais se deslocam pelo sangue ou linfa.

Como encarar o tratamento desta doença

Os tratamentos que podem ser aplicados para o tumor de mama em cães e gatos são cirúrgicos, oncológicos, ou uma combinação de ambos. O especialista decidirá qual é a melhor opção segundo o tipo de neoplasia e o estado em que se encontra.

As cirurgias, em alguns casos, só reduzem o tamanho do tumor, mas não o tiram por completo. Por tal motivo, as células tumorais continuarão se multiplicando. Corre-se, assim, o risco de que a zona afetada apresente feridas, infecções ou inclusive formações pontiagudas.

Demonstrou-se que a utilização de quimioterapia é efetiva para prolongar o tempo livre da doença ou de sobrevivência.

Além disso, nos animais, não se costuma observar os mesmos efeitos colaterais que este tratamento provoca nas pessoas (queda de cabelos, vômitos, diarreia frequentes, erupções na pele, etc.).

Inclusive em casos de metástase pulmonar, com um tratamento adequado pode se evitar que a doença progrida e também prolongar a sobrevida dos animais afetados.

Raças de cães com maior predisposição ao tumor mamário

Fox Terrier

Entre as raças de cães que têm uma maior predisposição para desenvolver esta doença, encontram-se:

Qualidade de vida para um animal doente

Lembre-se da importância de examinar de forma periódica o seu animal de estimação para assegurar uma detecção precoce desta doença e poder encarar um tratamento efetivo.

Saiba também que o diagnóstico de câncer não tem que ser recebido como uma sentença de morte para os animais.

Em oncologia, a efetividade dos tratamentos utilizados é medida pelo tempo livre da doença, sobrevivência e pela qualidade de vida.

E, sem dúvida, o amor que devemos demonstrar aos nossos animais de estimação, é uma parte fundamental desta qualidade de vida.