Um cão não nasce bom, se faz

Um cão nasce bom?

A expressão “um cão não nasce bom, se faz” parece inteligente, mas como toda frase feita, pode ser rebatida com distintos argumentos. Primeiro, deveríamos nos perguntar a partir de que ótica definimos que algo é bom e, em todo caso, bom para quem.

Um cão não nasce bom, se faz?

Por que deveríamos supor que um cão não nasce bom e que por isso devemos ter o direito de transformá-lo em um bom cão?

Em todo caso, quando decidimos adotar um destes bichinhos, deveríamos procurar uma forma de obter uma boa convivência. Como? Respeitando sua natureza canina, socializando-o e fazendo com que ele respeite algumas normas para relacionar-se harmoniosamente com as pessoas e com outros animais.

Assim, certamente teremos o melhor cão. Mas não nos enganemos. Não somos nós que o fizemos. Só contribuímos para que aflorasse o melhor dele com um tratamento respeitoso e lhe proporcionando a devida atenção e o afeto que ele merece.

“Os animais não são irmãos, nem subordinados; são outras nações, apanhadas junto conosco na rede da vida e do tempo”.
-Henry Beston-

O homem também faz mal ao cão

Labradores

Dizer que o homem pode fazer um cão bom seria bastante petulante. Ao contrário, podemos ver muitos exemplos na história do mundo que demonstram o contrário.

Por exemplo, o homem treinou o cão para:

  • Atacar ao inimigo nas muitas guerras que foram travadas ao longo dos séculos;
  • Perseguir, encurralar e matar prisioneiros e escravos fugitivos;
  • Soltá-los com violência contra intrusos que invadem propriedades;
  • Participar de brigas clandestinas de cães.

O mito das raças agressivas

Ainda temos a hipocrisia de rotular certas raças como violentas e agressivas e queremos morrer quando sabemos pelas notícias que um cão matou uma criança ou atacou ferozmente um adulto.

Nenhum cão por si é violento; o homem o torna agressivo treinando-o especialmente para o ataque ou lhe dando uma educação e uma socialização deficientes.

Embora a raça tenha influência na personalidade de um cão, não é um fator determinante para estigmatizá-lo como agressivo. Mas como se sabe, é mais fácil jogar a culpa em alguém que não pode se defender do que ter a coragem de assumir os próprios erros.

Respeitando a natureza do cão

Então, para nos assegurar de que um cão que – quase sem dúvidas – nasceu bom continue sendo, devemos começar por respeitar sua natureza canina. Tentar humanizar aos animais de estimação é o pior erro que poderíamos cometer e terminaremos deixando o animal doente.

Leve em conta que, por natureza, os cães:

  • Latem. É uma das muitas formas que eles têm para se comunicarem;
  • Precisam explorar novos territórios a cada dia. O passeio é o momento ideal para isso;
  • Farejam tudo o que é colocado na frente de seus narizes, embora algumas delas nos pareçam asquerosas;
  • Cheiram o traseiro de outros cães. Eles fazem isso para obter diferentes tipos de informações sobre seus congêneres;
  • Mordem diferentes objetos. Cabe a você dar a ele os objetos adequados e evitar que destroce os que você considera como valiosos.

Contribuindo para criar um bom cão

Mulher abraçando cão

Além disso, um bom cão é, sobretudo, um cão amado. Temos que levar em conta que amar não só é mimar; mas também dar ao animal uma boa qualidade de vida. Para isso, você deve considerar:

  • Controlar seu bom estado de saúde com visitas periódicas ao veterinário;
  • Vaciná-lo e desparasitá-lo segundo as indicações do profissional;
  • Alimentá-lo de forma adequada de acordo o tamanho e idade;
  • Oferecer um espaço próprio onde ele possa descansar de forma cômoda;
  • Prover água fresca e tosa;
  • Estimular sua inteligência com jogos e brinquedos;
  • Assegurar que pratique o exercício diário que necessita;
  • Educá-lo com técnicas como o Reforço Positivo, onde se recompensa os bons comportamentos e se ignora os ruins;
  • Evitar o maltrato verbal e físico.

Um cão nasce bom e também se faz

Procurando o melhor para nossos peludos e educando-os de forma paciente e amorosa, certamente teremos um bom cão em casa.

Em parte, será nosso mérito, ninguém duvidará disso. Então, poderemos dizer sem dúvida alguma que um cão nasce bom, mas também se faz.