Um doente e seu cão se curam mutuamente

Um doente e seu cão se curam mutuamente

Você sabia que o amor entre humanos e animais de estimação pode ser curador? Ao menos é isso que parece demonstrar a história que lhes trazemos, em que um doente e seu cão se curam mutuamente.

A história de James e Bubba

O fato ocorreu na cidade de Corbin, localizada no Estado do Kentucky (Estados Unidos). Um idoso, que tinha sido hospitalizado já havia algum tempo, frente à atenção médica não mostrava melhorias. Como vivia sozinho, seu cão –também idoso – tinha sido acolhido por um refúgio local de animais de estimação.

James Wathen, de 73 anos, quase sem forças, contou a muitos profissionais que o cuidavam que, seu último desejo era voltar a ver seu cão, um Chihuahua chamado Bubba, que tinha perdido um olho.

O homem estava muito debilitado. Comia pouco e apenas podia falar. A separação de seu animal de estimação, sem dúvida, piorava ainda mais seu estado de saúde.

O reencontro entre um idoso hospitalizado e seu cão permitiu que, tanto o homem como o animal, melhorassem seu estado de saúde.

Em busca do reencontro entre o idoso e seu cão

Ante a situação de Wathen, os empregados do Baptist Health Corbin decidiram quebrar as regras do hospital –que não permite a entrada de animais- e foram em busca da Bubba, para que o paciente pudesse se reencontrar com ele.

Finalmente, conseguiram averiguar o paradeiro do bichinho. Bubba também estava muito triste desde que tinha sido separado de seu dono e não queria comer. Por tal motivo, e dada sua avançada idade, seu estado também era delicado.

Mas tudo mudou quando James e Bubba voltaram a se ver.

Saiba como um doente e seu cão se curam mutuamente

O reencontro dos dois amigos foi emocionante e ficou registrado em um vídeo que viralizou na internet. Aqui lhes deixamos o vídeo:

O Chihuahua tinha chegado ao hospital envolto em uma manta e tremendo, sem saber o que lhe reservava o destino. Mas a poucos metros de chegar ao leito de seu dono, ele ergueu sua cabecinha e seu único olho começou a brilhar.

Quando por fim ele viu a James, o cão saltou em sua cama e começou a lhe lamber a cara. O idoso chorou da emoção e em seguida começou a se animar.

O encontro foi curativo tanto para o homem como para o cão. James voltou a comer e pôde sentar-se na cama e falar com mais força. Bubba também recuperou seu interesse pela comida e começou a deixar para trás a tristeza.

Os animais de estimação nos curam

O positivo desta experiência fez com que as autoridades do hospital permitissem a continuidade dos encontros entre o Wathen e seu cão.

E não é só isso: eles estão planejando trocar as regras da instituição para que, em casos similares, os doentes possam receber a visita de seus animais de estimação.

Foi comprovado que ter animais de estimação faz com que as pessoas sejam mais saudáveis e felizes. Por esse motivo, o emprego destes animais em terapias assistidas é cada vez mais frequente.

Benefícios da convivência com animais de estimação

chihuahua

Autor: Stuart Richards

Segundo as estatísticas, os donos de animais domésticos recorrem 15% menos ao médico do que aqueles que não os têm.

Além disso, ter um animal de estimação nos proporciona:

  • Mais felicidade
  • Menos estresse
  • Interesse em realizar exercícios físicos
  • Diminuição da pressão arterial
  • Colesterol estável
  • Redução do risco de enfermidades cardiovasculares
  • Maior possibilidade de sobreviver depois de sofrer um ataque cardíaco

No caso dos idosos, os animais de estimação elevam a autoestima de seus donos. É que a responsabilidade do cuidado cotidiano do animal os mantém ocupados. Se a isto somarmos o amor que lhes devolve o animal, teremos como resultado idosos mais vitais e que veem diminuída a ansiedade, a depressão e a tristeza.

Terapia assistida com animais

A terapia assistida por animais de companhia consiste na participação de animais de estimação em intervenções terapêuticas. O animal atua como uma ponte de comunicação entre o paciente e o profissional.

Os efeitos benéficos desta prática podem ser observados em casos de:

  • Autismo
  • Enfermidades do coração, doenças terminais ou mentais
  • Paralisia cerebral
  • Transtornos de comportamento

É por isso que a visita de animais domésticos a hospitais e asilos é altamente positiva para melhorar o estado de humor de doentes e idosos.

Um bom exemplo é o de James e Bubba, que continuam se curando mutuamente.