Um gato abandonado espera por seu dono há mais de um ano

Gato abandonado

Em uma pequena localidade da Rússia, um gato abandonado está conseguindo a compaixão de todos os habitantes, depois de meses ele continua esperando por seus donos. Isto está acontecendo no sudeste da Ex-união Soviética, em Belgorod. Estas imagens foram compartilhadas na plataforma Vkontakte, rede social famosa no país.

Tudo aconteceu quando os donos do gato abandonado se mudaram para um apartamento próximo e decidiram deixar o felino abandonado na rua. Além disso, o bichano correu atrás o veículo, mas não o alcançou e, a partir desse momento, o gato espera todos os dias que seus donos voltem. Todas as pessoas de Belgorod estão compadecidas com o felino e o estão alimentando desde o abandono.

Semelhanças e diferenças entre um cão e um gato abandonado

Gato na grama

Como vemos, não são só os cães que são fiéis e demonstram uma entrega total aos humanos. Os gatos, embora algumas vezes pensemos o contrário, também demonstram muito afeto, entrega e sacrifício para com seus donos.

Todos sabemos que os gatos são animais independentes, capazes de se abastecerem no que se refere a alimentação, que não conseguem ficar trancados por muito tempo. Mas isso não é um obstáculo no que se refere aos laços que eles criam com seus donos, porque esses laços podem ser muito fortes, podendo até mesmo vir a convencer os caluniadores destes pequenos felinos.

Um gato pode se unir e se integrar com muito sentimento de afeto à pessoa que lhe atende as necessidades e vir a manifestar todo o seu carinho, o gato também adora receber palavras amáveis, amor e abraços. No dia a dia, podemos dizer que a capacidade de um gato de se afeiçoar com o seu dono depende diretamente do que este faça por ganhar seu carinho.

Há diferenças nesse sentido entre um gato e um cão, já que os cães têm muita predisposição para amar qualquer dono, ainda que esse dono seja uma pessoa ruim e trate mal ao cão.

O amor do gato é muito mais especial, já que o dono deve saber como ganhar esse afeto. Portanto, um bichano só se afeiçoará à aquelas pessoas que o tratarem bem, que lhe proporcionarem alimento, carinho e abrigo, e isso é o que também ocorre com os seres humanos.

O grande amor do gato abandonado

Os gatos podem amar aos seus donos com muita intensidade, como já vimos em muitos casos, até mesmo o de felinos que inclusive os donos deixaram morrer de fome, pois sumiram e deixaram o gato para trás.

Os gatos são valentes em muitas ocasiões e até podem vir a arriscar suas vidas para ajudar seus donos se lhe virem em perigo. Os gatos têm um sentido muito agudo de percepção, superior a muitos outros animais na natureza, e isso lhes permite serem excelentes detectores de situações que possam afetar o ambiente natural de seu entorno, sendo muito mais fiéis com seus donos do que parecem ou do que algumas pessoas consideram.

Como os gatos demonstram sua fidelidade?

Os gatos podem desenvolver atividades conjuntas com outros gatos e conviver com eles sob o mesmo teto. Desta forma eles brincam, interagem, brigam e se amam, gerando vínculos afetivos indissolúveis entre eles. Mas curiosamente, o laço mais intenso que um gato pode ter é com uma pessoa. As relações que estes felinos podem ter com seus donos é muito superior em carinho e afetividade do que a que podem ter com os indivíduos de sua mesma espécie.

Com o dono doente

Gato se lambendo

Qual é o limite dessa solidariedade ou fidelidade dos gatos para com as pessoas? Trata-se de um laço muito forte que termina com a morte do animal. Em caso de alguma enfermidade do dono, os sinais de fidelidade do gato são muito fortes e claros. Entre as formas de “ajudar”, o gato tentará cuidar de seu amigo mais fiel, lhe oferecendo ratos, baratas e pássaros e, é óbvio, todos vivos. Por mais desagradáveis que possam parecer estes presentes, temos que estar conscientes de que está é a forma do animal de nos cuidar da maneira que ele sabe fazer e devemos valorizar isso.

Também, nos casos de enfermidade dos donos, os gatos permanecem junto à pessoa doente dormindo em todos os momentos ao lado dela, oferecendo companhia e calor. Se intuírem falta de movimento, eles se aproximam de seu dono e estendem suas garras perto da cara do dono, de forma carinhosa e afetiva, para conseguir uma resposta positiva a esse movimento, em um intento de contribuir com “vida”.

Fonte da imagem principal: www.laopinion.com