Você conhece a raça de gatos Mau egípcio? Aqui contaremos a você sobre a raça

Elegante e formoso, o gato Mau egípcio é descendente do gato sagrado do Egito. Seu surgimento representa a volta de uma raça que foi venerada em um passado remoto.

Desde a mitologia egípcia, a relação entre as deidades e os gatos vê-se representada através da figura da deusa Bastet, metade gata e metade mulher, ela era a deusa protetora dos lares.

Esta mítica raça chegou a Europa somente em 1950, quando uma princesa russa, exilada na Itália, utilizou suas influências para adotar dois exemplares da raça e começou então a criação destes magníficos animais.

Características

O gato Mau egípcio é um animal de tamanho médio, com um corpo atlético e musculoso. Tem como característica especial suas patas traseiras, que são ligeiramente mais curtas que as dianteiras, o que lhe dá um porte muito elegante.

Sua cabeça parece uma cunha, similar à dos gatos asiáticos, ainda que este não tenha o focinho tão pontiagudo. Algo particular deste gato é que ele tem as orelhas grandes e pontiagudas, com uma base larga e de interior rosado.

Diferente dos gatos asiáticos, este animal não tem os olhos alongados, pelo contrário, são redondos e grandes, de cor verde, amarelo ou acastanhados.

A cauda do Mau egípcio é delgada e longa, e seu manto é denso, de longitude média ou curta, com pelos finos de cor acinzentada e manchas similares às dos gatos selvagens. Outras variações de cor na pelagem deste gato são o bronze e a cor de fumaça.

Personalidade

 A personalidade do Mau Egípcio

O gato Mau Egípcio é um gato com muita confiança em si mesmo e isto se evidência na forma em que ele caminha, sempre alerta, dá a impressão de ser um gato agressivo.

No entanto, devido aos séculos que ele está entre os humanos, é um animal tranquilo, afetuoso e brincalhão, sem que isso nunca tenha comprometido a sua independência.

Costuma mostrar-se reservado com estranhos, ainda que adquira confiança rapidamente.

Como caçador, é infalível, de modo que o melhor é o ter separado de outros mamíferos pequenos. Igualmente, ele precisa ser socializado com outros gatos em idade precoce, pois tem um grande senso de territorialidade e isso pode ser um problema para a convivência entre eles.

Considere também que esta raça tende a ser possessiva com a comida e com os brinquedos, sendo assim, seria ideal que o acostumasse com outros manipulando suas coisas, em especial se ele for conviver com crianças, que tendem a ser mais invasivas frente aos espaços dos animais.

Em termos gerais, é um gato que, embora precise de uma boa quantidade de exercício para queimar energia, se adapta bem à vida no lar, inclusive se for permanecer em lugares com pouco acesso ao exterior, como um apartamento.

Saúde

A saúde da raça

Algo com que se deve ter muito cuidado com esta raça é com o frio, pois por ser originário de zonas desérticas, ele não está muito bem equipado para tolerar baixas temperaturas.

Em temperaturas baixas, tende a desenvolver problemas respiratórios e sofrer de hipotermia, de modo que o melhor é mantê-lo bem abrigado, longe das correntes de ar, durante as épocas mais frias do ano.

Devido à forma de suas patas, ele poderá vir a ter problemas nas costas, a nível muscular, e na coluna vertebral, mas com uma boa alimentação e exercícios adequados, você pode evitar que seu bichano desenvolva esse tipo de problemas.

A pelagem requer escovação semanal para evitar a ingestão de pelos, que podem afetar sua saúde, caso se acumulem no trato digestivo.

Igualmente, esta raça costuma sofrer de alergia alimentar, portanto devemos estar muito atentos. Em geral, recomenda-se uma dieta baseada mais em carnes do que em rações, pois ele pode ser alérgico a alguns de seus componentes.

O Mau egípcio é muito guloso, preste atenção às porções de comida que você dá para ele para evitar a obesidade.

Contudo, por ser uma raça muito antiga, tem desenvolvido uma quantidade importante de anticorpos que lhe permitirão gozar de uma vida longa e saudável.