Você sabia que os cães podem ser canhotos?

Os cães podem ser destros, canhotos e ambidestros? De acordo com diversos estudos, a resposta é sim. Como os humanos, os cães costumam ser ambidestros, destros ou canhotos. Muitos animais, incluindo aves, rãs, macacos e cães organizaram seus cérebros de forma semelhante a dos seres humanos.


Os cães têm preferências de pata similares às preferências de mão que vemos nos seres humanos. A diferença é que, enquanto que no ser humano, 90% da população usa a mão direita e só o 10% são canhotos, nos cães a preferência lateral preferida se distribui de maneira muito mais uniforme.

O que dizem as pesquisas?

perros zurdos 2

De acordo com pesquisas realizadas na Universidade de Manchester, em 2006, 50% dos cães podem ser canhotos, e outros 50% destros. Esse resultado é muito mais uniforme se comparado com outros animais domésticos, como os gatos, dos quais 50% costumam ser destros, 40 % canhotos e 10% ambidestros.

As pesquisas demonstram que existe uma conexão entre o sexo do animal e sua pata dominante. Por exemplo, nas pesquisas foi demonstrado que nas fêmeas, a pata dominante é a direita, enquanto nos machos costuma ser a pata esquerda. Entretanto, se o animal tiver sido esterilizado ou castrado em uma idade precoce, esta distinção desaparece.

Mas… por que é importante saber se seu cão prefere usar uma pata ou outra? Segundo peritos, ter conhecimento desse dado, fornece informação sobre que parte do cérebro de um cão é a dominante, isso pode algum dia ajudar os criadores a saber quais são os filhotes mais adequados para serem usados como cães de serviço, em terapia ou em atividades de busca e segurança.

Por outro lado, saber qual é a pata preferida do nosso bichinho também serve de pista para saber se um animal pode ser agressivo ou não. Algumas pesquisas demonstram que os cães canhotos costumam reagir, com mais frequência, de forma agressiva para alguns estímulos do que aqueles que são destros.

Como sei se meu cão é canhoto?

caes-canhotos-3

Saber se seu cão é canhoto pode ser uma tarefa simples, mas requer certa paciência e, claro, muita observação. Com o finalidade de determinar, com precisão, a preferência de pata de seu animal de estimação, é necessário realizar testes várias vezes para ver a tendência. Se tiver feito 100-200 ou um número similar de testes e não houver preferência de pata notável, seu animal provavelmente é ambidestro. Mas para que isso possa ser determinado, compartilhamos alguns exercícios a seguir.

Se você ensinou seu cão a dar a pata, qual é a que ele está acostumado a usar? Outra opção é colocar em algum dos seus brinquedos favoritos algum petisco do qual ele goste muito, por exemplo, manteiga de amendoim. Depois, observe que pata ele usa para tocar o brinquedo. Repita essa ação em várias ocasiões e observe qual é a pata de sua preferência.

Outra opção é colocar uma guloseima ou um pedaço de queijo debaixo de um sofá. Que pata  ele usa para tentar pegá-lo? Também podemos somar esta proposta aos exercícios: observe com frequência com que pata seu bichinho está acostumada a arranhar as portas.

Com certeza, quando for a hora do seu passeio ou se desejar fazer suas necessidades, seu cão vai usar suas patas para avisar a você que já é hora de sair. Então, quando for assim, fique atento e tome nota. Certamente, logo depois de vários exercícios, você vai poder determinar qual é a pata dominante no seu cão.

Finalmente, outro teste que pode ajudar a você a determinar qual é a pata que o seu cão prefere, consiste em colocar no chão um pequeno pedaço de papel com algum doce. A manteiga de amendoim, por exemplo, é ideal para fazer esse tipo de teste. É inevitável que seu cão comece a lamber o pedaço de papel, que vai começar a escorregar e seu cão provavelmente vai ter que usar uma de suas patas para evitar que o papel o impeça de lamber. Observe com que pata ele está acostumado a pegar o papel e anote os resultados. Repita esse teste em várias oportunidades e determine se seu cão é canhoto, destro ou ambidestro.

Certamente, esses exercícios também podem ser testados em outros tipos de animais, como, por exemplo, os gatos. Mas aqui terá que ter muita mais paciência e relegar sua ansiedade à personalidade de seu adorado felino.