Atenção! Nunca obrigue seu cão a andar em duas patas

agosto 29, 2017

Um lindo Poddle é filmado andando nas duas patas. Então metade do planeta explode com entusiasmo através de seus celulares. Parece fazê-lo facilmente, muito natural e sem ajuda. Mas os danos à sua anatomia são incalculáveis.

Pior ainda são as horas de tortura e treinamento abusivo que alguns desses cães aguentam para nos divertir. O que a maioria das pessoas não sabe é que por trás desses vídeos virais existe uma história de terror, dor e sofrimento.

Forçar um cachorro a caminhar nas patas traseiras pode lhes trazer sérios problemas de saúde. Sem mencionar que esta prática poderia ser considerada como um ato de abuso animal. Isso nos leva ao polêmico vídeo viral Dou Dou. Ela é a famosa cadela de Xangai que está se tornando viral nas redes sociais.

Dou Dou: a cadelinha que anda como você, sobre duas patas

Algumas semanas atrás, um vídeo, cujo protagonista era uma poodle de cor marrom, viralizou. Milhares de pessoas ficaram maravilhadas com a habilidade que ela tinha de correr e pular da mesma maneira que fazemos, em duas pernas.

Os internautas menos cautelosos apreciaram e compartilharam o material com fascínio. Em breve, outro grupo de pessoas começou a publicar vídeos sobre o tratamento humilhante que esses cães recebem com a intenção de forçá-los a aprender esse tipo de “truques”.

A controvérsia logo veio à luz. Dou Dou foi possivelmente uma cadela explorada por um adestrador.

Em quase todas as fotos, a poddle parece estar ereta e vestida com diferentes vestidos, como se fosse uma pequena menina. O que aterroriza os ativistas é que outras pessoas tentam treinar seus cães para atrair a atenção nas redes sociais.

Peta juntou-se à crítica

Não demorou muito para que a organização de proteção animal Peta tomasse posição sobre isso: “Os animais não existem para o nosso entretenimento, e ponto”. Com essa e outras mensagens, os ativistas nos convidam a pensar duas vezes antes de pressionar o botão “curtir” ou “retuitar”.

Este parece ser o efeito de uma cultura que busca humanizar os animais domésticos de forma exagerada.

Efeitos negativos para a saúde

A anatomia dos cães foi projetada exclusivamente para andar e correr com os quatro membros. Sendo mais específico, a parte de trás de um cão é feita para suportar no máximo 60% do seu peso total.

Ao contrário deles, os humanos estão preparados para suportar 100% de seu peso corporal usando suas pernas. O que acontece com cães que aprendem a caminhar em duas pernas é que eles forçam os músculos e os ossos para manter um peso excessivo numa posição incomum e incomum.

Não é que às vezes os próprios cães possam levantar as patas da frente, mas esse movimento é transitório. Aqueles que treinam cães para caminhar como um homem só podem alcançá-lo através da violência física e do medo do animal.

Existem muitos especialistas veterinários que acreditam que esta prática pode causar problemas consideráveis ​​na coluna vertebral e os joelhos do cão. Isso tudo além das características de cada raça.

A versão do dono

Alguns dias atrás, foram divulgadas declarações do suposto dono de Dou Dou. Seu nome é Wen. Segundo ele, a cadela chinesa ergue-se desde que tinha alguns meses de idade. O que ele acredita é que o animal de estimação sofre de uma condição congênita estranha.

No entanto, é sabido que há treinadores que preparam cachorros domesticados para esta caminhada não natural. Além disso, em alguns dos vídeos, parece que Wen dá ordens à cadelinha. Este ponto gera muita desconfiança.

O que é certo é que a humanização animal exagerada pode levar à crueldade com outras espécies. Uma coisa é sentir carinho para com um cão e outra muito diferente é fingir que ele age como um ser humano. Em qualquer caso, há perguntas a serem feitas.

Nossa responsabilidade, como protetores dos animais, é nos informar bem antes de apoiar qualquer tipo de números de “circo” com nossos animais de estimação.