Este cãozinho salva a vida de outros cães detectando venenos em parques

Os cães que passeiam pelos parques e outras áreas públicas de Zaragoza, na Espanha, podem fazê-lo de forma mais segura. Depois que foram registradas a morte de alguns animais, e das denúncias de armadilhas com comida envenenada, a cidade conta, agora, com Albatrox. Esse belo cãozinho salva as vidas de outros cães, por meio da detecção de venenos.

Albatrox, de bichinho abandonado a herói local

Até alguns anos, esse nobre cão da raça border collie vagava abandonado pelas ruas, mas teve a sorte de ser recolhido pelo pessoal do Escritório Municipal de Proteção Animal (em tradução livre) da Prefeitura de Zaragoza.

Lá, chamou a atenção de Alfonso Martínez. O homem viu no bichinho as características necessárias para poder adestrá-lo para detectar diferentes drogas.

Os integrantes dessa Dependência, depois do aumento dos casos de armadilhas feitas de veneno para cães achadas em diferentes locais públicos, estavam procurando sem sucesso um cão que pudesse descobri-las.

Mas a verdade mudou quando chegou Albatrox. Mertínez assinala que, muito provavelmente, as razões pelas quais o animalzinho foi abandonado são as mesmas que permitem que seja tão eficiente na hora de detectar venenos: sua inquietude e seu nervosismo.

Conheça Albatrox, um cão que salva vidas de outros cães pela sua capacidade de detectar venenos nos parques de Zaragoza.

A história do border collie que salva vidas de outros cães

Fonte: static01.heraldo.es

A falta de paciência de um irresponsável dono fez com que um cão muito ativo como Albatrox fosse abandonado. O bichinho, que, agora, salva vidas de outros cães, foi resgatado em 2014, quando tinha por volta de 3 anos de idade. E sua capacidade para detectar venenos mudou o seu destino e também o destino de muitos cães.

O border collie respondeu positivamente ao adestramento para poder encontrar as drogas que verdadeiros assassinos camuflam na comida para cães e que são depositados em parques e outros lugares com a clara intenção de provocar a morte de deles.

Por volta de 6 meses, Martínez trabalhou com Albatrox para “tornar” o rastreamento dessas substâncias uma brincadeira para o bichinho.

Dessa maneira, o animalzinho teve que aprender a se deitar quando detectasse um veneno, mas sem tocar no elemento encontrado. Quando isso acontece, o cão é premiado com uma bola, para que ele brinque.

Uma tarefa difícil que para o cãozinho acaba sendo uma divertida brincadeira

Albatrox já sabe quando vai sair para fazer suas rondas, porque seu adestrador coloca nele um conjunto especial de tiras ligadas entre si, que envolvem o tronco e a cintura, para prender o corpo do animal ao do adestrador. Quando isso acontece, o animal fica muito contente porque – para ele -chegou a hora da diversão.

Martínez e o cão fazem rondas diárias por duas ou três áreas da cidade que vão sendo escolhidas de maneira aleatória. Se os lugares para serem “rastreados” acabam livres da presença de venenos, é escondida uma isca falsa para que Albatrox a encontre. A ideia é que o animal não se frustre.

De todas as formas, o adestrador reconhece que a tarefa não é fácil, já que em Zaragoza existem mais de 200 áreas verdes onde rastrear venenos. O trabalho fica facilitado quando recebem denúncias concretas de objetos suspeitos.

Em busca de um companheiro para Albatrox

Mas, além disso, existe outro perigo para os cães além do veneno. São deixados alimentos que estão embutidos com elementos pontiagudos de metal para provocar feridas mortais nos bichinhos que os ingerirem.

Aqui, Albatrox não consegue ajudar, já que só está adestrado para detectar substâncias químicas. É por isso que o Escritório de Proteção Animal está procurando por cães com as características adequadas para poder realizar essa tarefa.

O mais provável, então, é que, muito em breve, o bichinho conte com um companheiro de brincadeiras que o acompanhe na tarefa de salvar a vida de outros cães que inocentemente se aproximam de um pedaço de comida que pode ser uma armadilha letal.

Um cão com merecidos reconhecimentos

Fonte: static01.heraldo.es

A verdade é que Albatrox deixou de ser um cão de rua para ser um herói em nível local. E os reconhecimentos não demoraram a chegar para ele.

A ilustre Ordem de Veterinários da Província de Zaragoza (ICOVZ), por exemplo, lhe entregou uma comenda, compartilhada com o adestrador dele, em reconhecimento pelo compromisso com a sociedade, dada a instituições, personalidades ou animais.

Além disso, recebeu o prêmio Zarapeluda de conscientização contra os maus-tratos animais, dentro das jornadas que se organizam anualmente para promover a adoção responsável de animais de estimação. Neste caso, Albatrox recebeu a distinção por ser “o anjo da guarda de nossos parques e o servidor público mais bonito”.