O que é a etologia clínica equina

dezembro 23, 2019
A etologia clínica equina é uma ciência que estuda os diferentes comportamentos dos cavalos e que, ao mesmo tempo, incorpora os conhecimentos em medicina veterinária para proporcionar um tratamento mais eficaz.

A etologia é uma ciência que estuda o comportamento dos animais. A etologia clínica equina estuda as características das condutas dos cavalos. Por meio dessa disciplina, podemos identificar o seu comportamento social, a sua alimentação, etc.

Essa ciência reúne dois campos fundamentais: a biologia e a psicologia. Ela envolve tanto os comportamentos inatos quanto os adquiridos, o que permite avaliar a forma como esses animais se adaptaram ao seu ambiente.

A etologia clínica nasce da união da etologia com a medicina veterinária. É uma disciplina muito útil na hora de estabelecer diagnósticos e terapias para os cavalos que têm problemas de comportamento.

A seguir, veremos alguns elementos para entender melhor o que é a etologia clínica equina.

Para que serve a etologia clínica equina?

Trata-se de uma ciência que incorpora o estudo do comportamento dos cavalos com os conhecimentos da medicina veterinária. A etologia clínica equina é, na verdade, uma nova especialidade da medicina veterinária.

Na antiguidade, quando um cavalo apresentava um problema de conduta, geralmente se pedia ajuda a um veterinário. Também era comum consultar um treinador.

No entanto, nenhum desses dois especialistas tinha a visão global de um etólogo clínico equino para identificar corretamente o problema.

É uma disciplina capaz de identificar certos parâmetros de comportamentos normais nos cavalos quanto à alimentação, vida sexual, maternidade, brincadeiras, vida social, higiene, eliminação de excrementos, etc. Além disso, ela determina também a origem, o desenvolvimento e a evolução de certos comportamentos específicos.

Dona acalmando seu cavalo

A etologia clínica equina é uma disciplina muito completa. Ela permite realizar um diagnóstico acertado dos diferentes problemas de comportamento que podem ser apresentados pelos cavalos e estabelecer um tratamento.

Essa ciência combina a pesquisa sobre as condutas dos cavalos com os conhecimentos de anatomia, fisiologia, patologia, farmacologia, etc.

Para realizar um diagnóstico, alguns aspectos do paciente são avaliados. Em primeiro lugar, é feita uma observação direta do seu comportamento. A seguir, é efetuado um exame físico geral para descartar a existência de um problema no sistema que possa causar dor ou ansiedade no animal.

Finalmente, uma parte importante do diagnóstico inclui uma entrevista com o dono ou o cuidador para conhecer a história e a personalidade do cavalo.

Principais problemas de conduta

Os cavalos podem ter muitos tipos de problemas de conduta. Entretanto, os mais comuns são os chamados “vícios de cocheira”, que são, na realidade, comportamentos compulsivos. Também são comuns os comportamentos agressivos, os transtornos de alimentação e os medos.

Os comportamentos compulsivos são condutas anormais que um cavalo tem fora do seu ambiente natural. Eles podem ser generalizados ou então ocorrer em situações específicas; é comum que apareçam em condições de estresse e de ansiedade.

Alguns exemplos clássicos que indicam que o cavalo está ansioso, estressado, ou muito nervoso são as chacoalhadas na cabeça, balançar, engolir ar, morder madeira ou dar voltas sem sentido.

Cavalo malhado no campo

Os cavalos têm a capacidade de fuga muito desenvolvida, pois é algo instintivo. Geralmente, diante de qualquer estímulo que lhe cause medo, o cavalo vai tentar fugir. Se ele não puder fugir porque está amarrado, vai reagir de forma muito violenta e vai atropelar tudo que encontrar no seu caminho.

Os transtornos alimentares dos cavalos costumam ser causados por situações que não são naturais para eles. É o caso, por exemplo, de um acesso restrito à comida, períodos longos sem comer, excesso de alimento ou qualquer situação de estresse em relação à comida.

Esse tipo de transtorno costuma se expressar por meio de diferentes sinais para o dono; é o caso, por exemplo, da ingestão de serragem, madeira, pedras ou fezes.

Finalmente, o medo nos cavalos pode ser causado pela falta de socialização e de educação desde cedo. Os casos clássicos são o medo de subir no caminhão, de cruzar poças ou rios, etc.

Tratamentos utilizados pela etologia clínica equina

A terapia para tratar os problemas de conduta nos cavalos se baseia em quatro eixos fundamentais. São eles: o enriquecimento ambiental, a modificação de conduta, o tratamento farmacológico e, se for necessário, a intervenção cirúrgica.

O enriquecimento ambiental consiste em mudar as condições do ambiente de acordo com as necessidades do cavalo. Quanto à modificação da conduta, trata-se de aplicar técnicas de aprendizagem para modificar o comportamento do paciente.

A terapia farmacológica é a utilização de medicamentos como antidepressivos, hormônios, ansiolíticos, etc, para favorecer a mudança de comportamento do cavalo.

Finalmente, o tratamento cirúrgico mais utilizado é a castração, principalmente nos casos de cavalos que apresentam um comportamento de alta excitação, difícil de controlar.