Macaco de Gibraltar na Irlanda pré-histórica?

julho 19, 2019
A descoberta do crânio de um macaco de Gibraltar em Emain Macha revela que essa espécie viveu por volta de 350 aC fora da península e do norte da África.

O macaco de Gibraltar é uma das espécies mais carismáticas de primatas não humanos que existem no nosso planeta. Além disso, é conhecido como o único macaco que vive fora do continente asiático.

O macaco de Gibraltar fora da África

Atualmente, só podemos encontrar o macaco de Gibraltar em dois lugares do mundo: o norte da África e o rochedo de Gibraltar. Além disso, sabe-se que a população europeia foi introduzida em algum momento antes do século XVIII, e é fato que essa espécie também viveu na Europa.

Antes da última glaciação, o macaco de Gibraltar podia ser visto na Itália ou na Espanha. E não só ele, já que outras espécies marcantes, como as hienas, também estavam presentes.

No entanto, nos últimos milhares de anos, a única maneira de um macaco de Gibraltar aparecer em qualquer lugar da Europa é seu deslocamento do norte da África.

Um macaco de Gibraltar na Irlanda pré-histórica

O comércio de animais exóticos se espalhou amplamente na Idade Média e em séculos posteriores. No entanto, é difícil pensar que na Idade do Ferro esses animais eram comercializados. Portanto, encontrar um crânio do macaco de Gibraltar em Emain Macha é surpreendente.

Macaco de gibraltar em rocha

Este local situado na Irlanda do Norte é muito importante na mitologia e cultura do país, e também manteve os restos deste primata não-humano.

Os restos foram encontrados no centro do complexo, onde há vestígios que demonstram a contínua ocupação do mesmo. O crânio deste animal foi datado graças ao radiocarbono e apontou o ano 390-320 aC. Nesta época, o macaco de Gibraltar só podia ser encontrado no norte da África.

Rotas comerciais possíveis

Este não foi o primeiro caso de macacos de Gibraltar presentes em lugares estranhos na Europa. Um exemplar encontrado em Luxemburgo data da mesma época, e vários esqueletos vistos na Inglaterra datam dos tempos romanos.

Naturalmente, há muitas outras espécies de animais exóticos, e especialmente primatas, que apareceram na Europa. Isso foi descoberto através de vestígios arqueológicos, por meio da arte e da pintura, por exemplo.

Dessa forma, estas evidências parecem indicar um forte comércio desses animais a partir de seu habitat natural.

A história do macaco de Gibraltar

Estes tipos de descobertas não são apenas fascinantes por causa da presença de espécies exóticas em tempos e lugares tão antigos, mas também por mostrarem algumas das primeiras rotas comerciais.

No entanto, nem tudo são flores: hoje sabemos que não se pode ter um macaco como animal de estimação por razões éticas e de saúde, além de legais. Porém, essas mesmas rotas comerciais ainda estão presentes, sendo usadas para o tráfico ilegal de espécies.

Especificamente, a Espanha é a porta de entrada para a sua venda na Europa. Ano após ano, filhotes são retirados ilegalmente de seu habitat para serem vendidos, o que provoca uma enorme comoção nesses animais, uma vez que eles têm uma das mais fortes relações mãe-bebê do reino animal.

Isso, juntamente com a perda de habitat, levou a espécie a estar considerada em perigo de extinção. O estado é de urgência, portanto, é necessário ressaltar que esses macacos devem permanecer em seu habitat, e não em um lar particular.

Os irlandeses da antiguidade não sabiam disso, mas nós temos as informações necessárias para tomar a decisão certa.