Cachorro permanece no túmulo de seu dono há mais de 7 anos

Existem histórias da vida real que superam em muito as contadas pelos autores de ficção. Quem não se emocionou com o filme “Sempre ao seu lado“, uma comovente narrativa de amizade entre um cachorro e seu dono.

Pois bem, vamos contar a linda história de um cão chamado Capitán, que permanece há mais de 7 anos em um cemitério junto ao túmulo de seu dono.

Muitas vezes ele já foi retirado dali, porém, esse companheiro fiel sempre volta para o jazigo de seu amigo. Quer conhecer esse emocionante caso de amizade entre um cachorro e seu dono?

A história de Capitán, um cachorro que permanece junto ao túmulo de seu dono

A história de Capitán

Capitán é um cachorro mestiço, com características de Pastor Alemão, que Miguel Guzmán decidiu adotar para seu filho.

Verónica, a mãe, no entanto, não achou que a ideia era muito boa. Pelo seu ponto de vista, isso significaria mais trabalho do que já tinha em casa.

Porém, no final das contas, pelo jeito de ser do cachorro, todos os membros da família se apegaram a ele.

Isso ocorreu no ano de 2005 na cidade de Carlos Paz, Córdoba, Argentina. No ano seguinte, o pai da família ficou doente e passou por tratamentos em diversos hospitais até que, no final, lamentavelmente Miguel Guzmán faleceu.

Porém, também Capitán desapareceu e ninguém sabia seu paradeiro. Mas logo retornou para a  casa da família e permaneceu na rua, onde ficou rondando a residência por uma semana.

Porém, depois de alguns dias, Capitán não mais voltou para casa e a família pensou que tivesse se perdido definitivamente, que alguém o teria adotado ou, pior, que poderia ter morrido.

Porém, um belo dia a esposa do falecido dono do cão e seu filho foram visitar o túmulo de seu ente querido e imaginem a surpresa que tiveram ao ver que junto ao jazigo de Miguel, se encontrava seu fiel amigo Capitán.

Damián, o filho do casal, não parava de gritar de alegria ao ver seu grande companheiro, no entanto, mais surpreendente ainda foi a reação do cachorro, que começou a latir como se fosse um pranto amargo.

A família decidiu levar Capitán de volta para casa. Ele, porém, não quis, preferiu permanecer no cemitério junto ao túmulo de seu querido amigo.

De vez em quando volta para a casa, mas nunca para permanecer. Depois de algum tempo, decide retornar ao cemitério, mais precisamente para ficar junto ao jazigo de Miguel.

Na vez seguinte que a família voltou ao cemitério, ali permanecia Capitán ao lado de seu grande amigo. Dessa vez, o cachorro decidiu acompanhar a família até a casa. Porém, passados alguns momentos, Capitán voltou para o cemitério.

Testemunhos de pessoas

A amizade entre o cão e o dono

Uma senhora que vende flores no cemitério assegura que Capitán chegou em 2007 e tinha uma pata machucada. Então, decidiu chamar um veterinário para socorrê-lo.

Desde essa época ele ganhou o carinho de quem vai diariamente ao cemitério, seja quem trabalha no local ou mesmo os familiares das pessoas falecidas que vão visitar os túmulos.

O diretor do cemitério afirma com grande espanto que o cachorro chegou sozinho ao cemitério e ficou perambulando por todos os lados até que encontrou o túmulo de seu dono.

Tudo isso ocorreu em 2007, mas não foi antes de 2012 que a história de Capitán ficou conhecida em todo o mundo, graças à divulgação através dos meios de comunicação de vários países, especialmente na França.

Alguns cineastas franceses decidiram realizar um documentário contando a incrível história de Capitán, o cachorro que, agora, permanece junto ao túmulo de seu dono há mais de 7 anos.

Capitán na atualidade

Segundo os relatos mais recentes, esse fiel companheiro não se encontra em um bom estado de saúde.

Foi notado que o cão move-se pelo cemitério com dificuldade e há alguns meses detectou-se uma insuficiência renal que está provocando vômitos no cão. Ele já tem 11 anos e morar em um cemitério tampouco lhe faz bem à saúde.

Todavia, como é um cachorro muito conhecido e também bastante querido, as pessoas se aproximam para cumprimentar e ajudá-lo.

Uma associação fez uma proposta para que se coloque seu nome na rua principal do cemitério e também se erga uma escultura em sua homenagem para imortalizar a relação de amizade entre Capitán e seu querido amigo Miguel.