Encephalitozoon cuniculi em coelhos

O patógeno Encephalitozoon cuniculi causa encefalitozoonose em coelhos domésticos e selvagens. É uma condição muito importante, pois também afeta os seres humanos.
Encephalitozoon cuniculi em coelhos

Última atualização: 25 Novembro, 2021

Existem muitas doenças estranhas das quais os tutores dos animais de estimação dificilmente estão cientes, seja por causa de sua baixa prevalência ou por causa da terminologia complexa necessária para entender o quadro clínico. O último caso é exemplificado pela encefalitozoonose, uma condição típica de coelhos causada pelo patógeno Encephalitozoon cuniculi.

Esse parasita obrigatório pode aparecer no corpo do coelho de forma silenciosa ou sintomática. A taxa de mortalidade é muito maior entre os filhotes (até 12,3%) do que em adultos, mas é uma doença bastante difícil de tratar em todos os casos. Continue lendo se quiser saber mais sobre ela.

O que é a encefalitozoonose?

A encefalitozoonose é uma doença infecciosa, crônica e sistêmica causada pelo microrganismo Encephalitozoon cuniculi. É um microsporídio, ou seja, faz parte de um grupo de parasitas unicelulares que têm a capacidade de formar esporos. O E. cuniculi precisa entrar nas células de seu hospedeiro para sobreviver, pois não tem mitocôndrias, peroxissomos e outras estruturas vitais.

O principal hospedeiro desse parasita é o coelho, mas ele também pode afetar ratos, hamsters, cães, gatos, porquinhos-da-índia e humanos. Isso significa que a doença causada é uma zoonose capaz de infectar nossa espécie (especialmente pessoas imunocomprometidas com uma doença prévia).

Estima-se que até 100% dos criadouros possuem espécimes com anticorpos circulantes contra o microrganismo, ou seja, estão ou já estiveram com a doença.

Um coelhos sendo examinado.

Ciclo de vida de Encephalitozoon cuniculi e contágio

A forma biologicamente ativa do parasita só pode viver dentro das células do coelho, mas também gera esporos altamente resistentes às dificuldades ambientais. É um microrganismo em forma de meia-lua e se assemelha (salvo as proporções) ao Toxoplasma gondii, o agente causador da toxoplasmose.

Uma vez que essa informação é conhecida, apresentamos em linhas gerais o ciclo de vida do parasita na seguinte lista:

  1. A maioria dos coelhos fica infectada ao comer alimentos contaminados com esporos do parasita. A fase de lactação é um dos períodos de contágio mais perigosos, pois os filhotes ficam muito em contato com a mãe (que pode ou não estar doente) e sua urina.
  2. Os esporos que não são ingeridos podem permanecer viáveis em temperatura ambiente no solo por até 4 semanas.
  3. Os esporos ingeridos por via oral viajam pelo sistema digestivo do coelho até entrarem em contato com a mucosa intestinal. Lá, eles são introduzidos nos enterócitos, as células especiais dessa seção de tecido. Neles, o microrganismo se multiplica e forma um vacúolo parasitóforo que, ao ser rompido, libera muitos patógenos e mata a célula hospedeira.
  4. Depois de se multiplicar, o parasita entra no tecido linfoide e se distribui por todo o organismo, viajando em corpos celulares especiais.
  5. Os parasitas geralmente se instalam no sistema nervoso e nos rins. Os novos esporos são liberados com a urina do animal infectado, reiniciando o ciclo.

Como você pode ver, a grande maioria das infecções ocorre quando um coelho saudável entra em contato com a urina de outro doente e come os esporos involuntariamente. No entanto, fontes profissionais também garantem que uma mãe pode infectar os filhotes antes de nascerem pela via uterina.

Sintomas causados por Encephalitozoon cuniculi

A maioria dos coelhos infectados com Encephalitozoon cuniculi não apresenta sinais clínicos exceto se forem velhos, contraírem outra doença simultaneamente, estiverem sob estresse ou forem imunossuprimidos. Pode haver animais infectados sem sintomas externos, mas ao dissecá-los após a morte sempre são reveladas lesões internas.

Coelhos com encefalitozoonose apresentam uma ampla gama de sinais clínicos, incluindo os seguintes:

  • Cataratas muito esbranquiçadas em um ou ambos os olhos.
  • Cabeça inclinada (síndrome vestibular) devido ao envolvimento do sistema nervoso.
  • Movimento involuntário e errático dos olhos (nistagmo).
  • Anorexia e perda de peso.

Se os rins do coelho acabam sendo lesados pela ação do parasita, ele apresentará uma série de sinais clínicos muito inespecíficos compartilhados com outras doenças. Portanto, é necessário ir ao veterinário diante da menor dúvida.

Diagnóstico

O veterinário pode tentar fazer um diagnóstico preventivo, observando os sinais clínicos do animal afetado. Infelizmente, os sintomas externos são muito semelhantes aos causados por outras doenças parasitárias (como a toxoplasmose) e um critério diferencial completo não pode ser estabelecido até que o animal já tenha morrido.

O método inequívoco para detectar a doença é a sorologia, ou seja, verificar se anticorpos contra o patógeno estão presentes no sangue do animal. No entanto, um resultado positivo indica apenas que E. cuniculi usou o exemplar como hospedeiro em algum ponto, mas não que a infecção esteja ativa. Portanto, testes neurológicos adicionais são necessários.

Tratamento

Até o momento, não existe um tratamento padronizado para combater a infecção causada por Encephalitozoon cuniculi. O veterinário pode experimentar uma ampla variedade de medicamentos e remover a catarata (se houver), mas nada garante que a doença será totalmente curada.

O melhor tratamento para evitar a propagação dessa condição na população de coelhos é isolar o animal doente e higienizar, o máximo possível, qualquer superfície em que ele possa urinar. Se os sintomas forem muito agressivos e o exemplar sofrer excessivamente, a eutanásia geralmente é a única saída.

O albendazol é um medicamento que parece eliminar a infecção até certo ponto. Infelizmente, a destruição de esporos e parasitas nem sempre se traduz em melhora sintomática, pois o dano já está feito.

Alguns coelhos bebês exemplificados em uma foto.

Posso ser infectado com Encephalitozoon cuniculi?

Dissemos que a encefalitozoonose em coelhos é uma doença zoonótica que pode ser transmitida ao ser humano. Isso é verdade, mas muito poucos casos foram detectados até o momento e quase todos ocorrem em pessoas muito jovens, muito velhas ou imunocomprometidas. É especialmente comum em pacientes com AIDS e aqueles que receberam um transplante recentemente.

Seja como for, recomendamos que você manuseie os seus coelhos com o máximo de cuidado se for detectado um surto de encefalitozoonose. Sempre use luvas (e máscara se possível), lave as mãos e procure atendimento veterinário para saber como agir.

Pode interessar a você...
10 curiosidades sobre nossos amigos coelhos
Meus Animais
Leia em Meus Animais
10 curiosidades sobre nossos amigos coelhos

Os coelhos se tornaram, nos últimos anos, um dos nossos animais de estimação favoritos, devido ao seu tamanho e por não necessitarem de muitos cuid...