Hipotireoidismo canino: causas e tratamento

maio 17, 2020
O hipotireoidismo em cães é um desequilíbrio hormonal relativamente comum. Devido a um tumor ou uma dieta inadequada, as glândulas tireoide do seu cão podem parar de funcionar corretamente

O hipotireoidismo canino é uma doença que causa mau funcionamento das glândulas tireoides. Essas glândulas estão localizadas em ambos os lados da traqueia do cão.

A glândula tireoide produz hormônios chamados tireoides. Um fato importante, e que quase todo mundo desconhece, é que existem duas partes do hormônio da tireoide: o T3 e o T4.

O T3 é a parte ativa e é principalmente produzido pela glândula tireoide. O resto é produzido pelos outros tecidos do corpo. Por outro lado, o T4 é a parte inativa do hormônio: é responsável por circular na corrente sanguínea. No momento em que o T4 é assimilado pelos tecidos, ele se converte no T3.

O T4 é produzido pela glândula pituitária, localizada na base do cérebro. Essa glândula produz um hormônio chamado HET, responsável por estimular a tireoide a produzir mais T4.

O hormônio da tireoide é responsável por controlar o metabolismo dos órgãos e sistemas do seu cão. Além disso, também estimula o desenvolvimento, o crescimento e a maturação do sistema nervoso central.

O hipotireoidismo pode ser considerado um desequilíbrio hormonal relativamente normal em cães. No entanto, a produção insuficiente de hormônio da tireoide não é algo que deve ser levado na brincadeira.

Todos os cães podem desenvolver hipotireoidismo, mas é mais comum em idosos ou na meia-idade. Entre as raças com maior probabilidade de desenvolver hipotireoidismo estão: schnauzer miniatura, dachshund, golden retriever e doberman.

Causas e sintomas do hipotireoidismo canino

Existem inúmeras razões pelas quais seu cão pode desenvolver o hipotireoidismo. Os três motivos mais comuns são: por causa de um tumor, por causa do sistema imunológico ou por causa de uma dieta pobre em iodo.

Seu cão pode ter um tumor, mas nem sempre é maligno. Em quase todos os casos de problemas na glândula tireoide devido a um tumor, geralmente se trata de um tumor sebáceo.

 

Causas e sintomas da doença

Esse cisto ou tumor sebáceo pode ser removido com uma operação cirúrgica rápida e fácil. Às vezes, se o tumor tiver invadido a glândula, também é necessário remover a totalidade ou parte dela.

O sistema imunológico também pode jogar contra a saúde do seu cão. Quando a glândula tireoide é atacada pelo sistema imunológico, ela trabalha em excesso. Portanto, a glândula se esgota e para de funcionar.

Outra causa dessa doença pode ser uma dieta muito baixa em iodo. A glândula tireoide usa o iodo para sintetizar seus hormônios. Se o seu animal de estimação não consumir iodo suficiente, sua tireoide se tornará incapaz de cumprir sua missão.

Além do que foi exposto acima, seu cão pode adquirir essa doença devido a uma condição genética, uma atrofia da glândula ou até mesmo como efeito colateral de outro medicamento que ele esteja tomando.

Mas você não deve se preocupar em excesso. Se detectado precocemente, o hipotireoidismo canino pode ser tratado e o seu cão terá uma qualidade de vida absolutamente normal.

Além de ter sobrepeso, seu cão pode apresentar vários sintomas, como: queda de pelo, apatia, anemia, níveis elevados de colesterol e falta de equilíbrio.

Outro sintoma pode ser o espessamento dos tecidos em áreas como a cabeça e a intolerância a baixas temperaturas. Além disso, um cão pode apresentar problemas nos olhos e no sistema nervoso.

Tratamento do hipotireoidismo canino

Primeiro, é extremamente importante ter certeza de que o seu animal de estimação está sofrendo de hipotireoidismo. Os cães são frequentemente diagnosticados erroneamente. Faça um exame de sangue antes de administrar qualquer medicamento.

Tratar o hipotireoidismo canino não é complicado. Na maioria dos casos, o veterinário prescreve um tratamento com hormônio da tireoide para compensar sua deficiência.

Tratamento do hipotireoidismo

A dose desse medicamento, chamado tiroxina, é decidida exclusivamente pelo veterinárioA dose do medicamento será determinada dependendo do tamanho do seu cão, do peso e do grau de desenvolvimento da doença.

Quando o hipotireoidismo não é causado por uma condição autoimune, o tratamento envolve a estimulação do tecido tireoidiano para funcionar adequadamente de novo.

Com o tempo, a dose inicial pode ser mais ou menos elevada. Ambos os casos são prejudiciais à saúde do seu cão. Se ele não ingerir a dose adequada da medicação, não receberá o tratamento correto, portanto, não vai melhorar, e isso pode ser perigoso.

Se, por outro lado, seu cão estiver sofrendo de hipotireoidismo devido a um tumor ou cisto, é necessário realizar a remoção cirúrgica. Depois de remover o tumor, a glândula do seu cão voltará a funcionar normalmente.

Não são apenas os medicamentos

Além de operar ou administrar o medicamento adequado, há outros cuidados que devem ser levados em consideração. Você deve estar ciente de que os alimentos desempenham um papel fundamental para a qualidade de vida do seu animal de estimação.

Portanto, implemente uma dieta baseada na ingestão de iodo e tirosina. A tirosina é um aminoácido muito importante para o metabolismo e até para o humor do seu animal de estimação.

Você também deve tentar fazer com que seu cão coma a menor quantidade possível de alimentos processados ou com químicos. Quanto mais natural, mais fácil será para o seu corpo metabolizar os alimentos.

Além de tudo isso, é recomendável que ele faça exames de sangue periodicamente. Essa é uma medida muito importante, ainda mais se ele estiver tomando medicamentos a longo prazo.

Infelizmente, o hipotireoidismo não pode ser evitado. Em resumo, a única coisa que você pode fazer é alimentar o animal da forma mais natural possível e levá-lo ao veterinário regularmente desde filhote.

Melian, C. (2015) Diagnóstico de hipotiroidismo canino e hipertiroidismo felino. Gran Canaria, España. Andrés Megías Mendoza, S.A

Matamoros, C. (2002) Hormonas de utilidad diagnóstica en Medicina Veterinaria. Temuco, Chile. Universidad Católica de Temuco

Marca, M (2009) Hipotiroidismo canino: Revisión y actualización de su diagnóstico. Zaragoza, España. Departamento de Patología Animal.