Síndrome de Cushing em cães: detecção e tratamento

29 Novembro, 2020
A síndrome de Cushing em cães é uma doença hormonal que produz alterações físicas e bioquímicas em todo o organismo devido ao aumento do cortisol.

A síndrome de Cushing ou hiperadrenocorticismo é uma doença hormonal produzida por um aumento contínuo do hormônio cortisol. Assim como humanos, cães, gatos e cavalos podem sofrer com o problema, mas ele é mais comum em cães do que em gatos e cavalos. Se o seu cachorro foi diagnosticado com a síndrome de Cushing e você deseja saber mais sobre essa doença, neste espaço vamos oferecer informações sobre a sua detecção e tratamento.

Por que a síndrome de Cushing ocorre?

As glândulas adrenais estão localizadas acima dos rins e têm forma de meia-lua. Elas são responsáveis ​​pela produção e secreção de diversos hormônios, incluindo o cortisol. Sua secreção é regulada por outro hormônio, denominado corticotrofina (ACTH), produzido na hipófise, que por sua vez é produzido pelo hormônio liberador de corticotrofina (CRH), que é sintetizado no hipotálamo.

O cortisol adapta o corpo a situações de estresse, preparando-nos para as situações de ‘luta ou fuga’. Ele tem muitos efeitos, incluindo o metabolismo da glicose, das proteínas e da gordura para obter energia. Também aumenta a pressão arterial e regula o equilíbrio hídrico no corpo. O problema surge quando os efeitos do cortisol permanecem de forma constante no organismo.

A síndrome de Cushing aparece como resultado dos níveis elevados de cortisol de forma constante. Existem várias causas principais para esse aumento do cortisol no sangue:

  • Hiperadrenocorticismo hipófise-dependente, causado por um tumor na hipófise que faz com que ela secrete mais ACTH e, como consequência, mais cortisol. É a causa mais frequente, representando entre 80 e 90% dos casos.
  • Hiperadrenocorticismo adrenal-dependente, causado por um tumor na glândula adrenal, que produz cortisol em excesso. É menos frequente, representando em torno de 10 a 20% dos casos clínicos.
  • Hiperadrenocorticismo iatrogênico, em cães tratados com corticosteroides durante um longo tempo. É bastante comum em cães mais velhos.

Quais são os sintomas da síndrome de Cushing em cães?

Existem muitos sintomas associados a essa doença. Podemos encontrar:

  • Poliúria – polidipsia: o cachorro tem muita sede e urina com muito mais frequência do que o normal.
  • Polifagia: grande aumento do apetite.
  • Queda de pelo.
  • Fraqueza.
  • Distensão do abdômen.
  • Hiperpigmentação generalizada.
  • Atrofia da derme e diminuição do tecido subcutâneo.
  • Depósitos de cálcio na derme (cabeça, costas ou barriga).

Como a síndrome de Cushing é detectada?

Além dos sinais clínicos, a síndrome de Cushing em cães é diagnosticada através de uma série de exames veterinários. Os exames de sangue podem orientar o diagnóstico, mas ele é confirmado por meio do teste de estimulação ou supressão do cortisol.

No teste de estimulação, o sangue é coletado e o cortisol é medido. Então, é injetado ACTH e, uma hora depois, o sangue é coletado novamente para medir o cortisol. O teste de supressão é semelhante, mas nesse caso é injetado um hormônio sintético que imita o cortisol. Este último tipo permite verificar se o hiperadrenocorticismo é hipófise-dependente ou adrenal-dependente.

Síndrome de Cushing em cães: detecção e manejo

Outros exames que auxiliam no diagnóstico são a ultrassonografia das glândulas adrenais, para verificar se estão aumentadas, ou a medição da relação cortisol/creatinina na urina. Se a proporção for alta, o animal pode sofrer de síndrome de Cushing.

Tratamento da síndrome de Cushing em cães

A retirada do tumor adrenal ou hipofisário seria a cura para a síndrome de Cushing, mas, diante da complexidade e dos riscos da cirurgia por causa da proximidade com a aorta e com a veia cava, quando se trata de um tumor adrenal, a maioria dos casos é tratada com medicação.

Geralmente, é utilizado um medicamento chamado trilostano por via oral, pelo resto da vida. O trilostano bloqueia a síntese dos hormônios esteroides adrenais. Entre 70% e 90% dos cães respondem favoravelmente a esse tratamento com uma ou duas doses diárias.

Síndrome de Cushing em cães: detecção e manejo

Também existem outros medicamentos e é o profissional quem vai determinar qual usar para cada caso. É muito importante manter um acompanhamento rigoroso com o veterinário. A detecção precoce também influencia o sucesso do tratamento.

Agora você já sabe sobre a síndrome de Cushing, bem como sobre a sua detecção e o seu tratamento. Lembre-se da importância de fazer uma avaliação anual no veterinário para verificar a saúde do seu animal de estimação, principalmente se notar algum sintoma.

  • C. Arenes, M. López, C. Melián, MaD. Pérez-Alenze. Trilostano. Una nueva opción en el tratamiento del hiperadrenocorticismo, 2005. Clin. Vet. Peq. Anim., 25(3): 189-192.
  • Carlos Melián. Diagnóstico del Hiperadrenorticismo. Síndrome de Cushing, 2014. Hospital Clínico Veterinario ULPGC. Clínica Veterinaria Atlántico Las Palmas de Gran Canaria, España.
  • Cortisol – an overview. ScienceDirect Topics. Sciencedirect.com, 2019.
  • Cómo tratar la enfermedad de Cushing en los perros. Fda.gov, 2019.