Úlcera gástrica em cães: o que fazer?

Úlceras gástricas são lesões silenciosas que surgem quando o estômago já está bastante danificado.

Última atualização: 31 Janeiro, 2021

As úlceras em cães são feridas que se desenvolvem no revestimento ou na parede do esôfago, intestino ou estômago. Quando a lesão está localizada na última região citada, é chamada de úlcera gástrica.

Em cães, esse tipo de condição médica parece estar relacionado a diversos fatores, como idade (sendo mais comum em cães jovens ou filhotes), tipo de dieta ou como consequência de outras doenças.

A camada mais externa do estômago, chamada de mucosa gástrica, atua como uma parede protetora contra a acidez, bactérias, mudanças de temperatura, etc. A primeira linha de defesa dessa parede é uma secreção mucosa que contém ácidos, bicarbonato e outras substâncias antibacterianas.

Por outro lado, ela tem a capacidade de se regenerar rapidamente quando surgem ferimentos ou de remover substâncias nocivas. Apesar disso, às vezes o agente causador se mantém ao longo do tempo, causando danos mais duradouros.

Causas da úlcera gástrica em cães

Uma das causas mais comuns das úlceras gástricas em cães é a ingestão de corpos estranhos e tóxicos, principalmente quando são filhotes e tendem a morder ou engolir tudo o que encontram. Em casa, produtos químicos de limpeza, substâncias com chumbo e algumas espécies de plantas podem danificar diretamente a mucosa gástrica, deixando o revestimento do estômago desprotegido.

Outro grupo de cães com alto risco de úlceras gástricas são aqueles que seguem uma dieta rica em gordura. Provavelmente, a ração que recebem já contém a dose correta de lipídios.

No entanto, se eles receberem continuamente “comida humana”, cozida e rica em gordura, sua dieta ficará desequilibrada. Esse tipo de dieta causa atraso no esvaziamento gástrico e hiperacidez que, juntamente com uma reação fisiológica ao estresse, aumento do hormônio denominado cortisol, podem influenciar o aparecimento de úlceras gástricas em cães.

Por outro lado, úlceras de estresse não são comuns em cães. No entanto, animais que realizam exercícios intensos regularmente têm um risco maior de sofrer de úlcera gástrica ou até mesmo de necrose. Na verdade, a causa mais comum de morte súbita em cães durante corridas de trenó é a doença gástrica.

Além disso, certos medicamentos, como anti-inflamatórios não esteroides (ibuprofeno, naproxeno, aspirina ou paracetamol) podem causar danos à mucosa gástrica, principalmente em animais que devem tomar esse tipo de medicamento por longos períodos, como aqueles com problemas vertebrais.

Por fim, certas doenças podem provocar úlceras gástricas em cães. Por exemplo, infecções bacterianas causadas por Helicobacter pylori ou insuficiência hepática.

Tratamento da úlcera gástrica em cães

Geralmente, ao diagnosticar uma úlcera gástrica em cães, é seguido este procedimento:

  • Os alimentos que podem estimular as glândulas gástricas devem ser removidos da dieta.
  • Evitar que o animal se exercite ou realize ações que aumentem sua frequência cardíaca.
  • Se houver insuficiência hepática ou infecções bacterianas, ou terapias anti-inflamatórias ou corticosteroides em aplicação, eles devem ser eliminados primeiro.
  • Curar as úlceras por meio de fluidoterapia para estabilizar o sistema cardiovascular, reduzir a acidez gástrica e corrigir, se houver, estados de desidratação, perda de peso ou anemia.

Uma vez que a úlcera tenha se estabilizado, um tratamento com um antibiótico de amplo espectro deve ser aplicado ou combinado, se já tiver sido iniciada a antibioticoterapia no caso de ser uma bactéria a causa da úlcera.

Como saber se seu cachorro tem úlcera?

Em primeiro lugar, se você considerar que seu cão possa estar sofrendo do estômago, leve-o ao veterinário. A detecção precoce de úlceras aumenta a chance de cura total.

Os sintomas que os cães apresentam quando têm problemas de estômago podem ser confundidos com outros tipos de patologias digestivas. As mais comuns são:

  • Vômito, mesmo com sangue.
  • Perda de peso.
  • Dor durante palpação do abdômen.
  • Anemia.
  • Aumento da frequência cardíaca.
  • Apatia e fraqueza.
  • Fezes pretas contendo sangue digerido.

O aparecimento de qualquer um desses sintomas nos alerta de que algo está errado com nosso animal de estimação. Pode não ser uma úlcera, mas é melhor consultar um profissional.

Pode interessar a você...
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Digestão e indigestão em cães

A indigestão em cães é um problema comum que pode estar associado a doenças. Vamos ler mais sobre esse assunto neste artigo.



  • Davis, M. S., & Williamson, K. K. (2016). Gastritis and gastric ulcers in working dogs. Frontiers in veterinary science, 3, 30.  
  • Eskafian, H., Tabrizi, A. S., & Lari, M. A. (2017). Gastroscopic study of meloxicam, tramadol, and their combined administration on the development of gastric injuries in dogs. Topics in companion animal medicine, 32(3), 109-113.
  • Jankowski, M., Spużak, J., Kubiak, K., Glińska-Suchocka, K., Biernat, M., & Kiełbowicz, Z. (2015). Risk Factors of Gastric Ulcers in Dogs. Pakistan Veterinary Journal, 35(1).  
  • Patel, P. K., Patel, S. K., Dixit, S. K., & Rathore, R. S. (2018). Gastritis and Peptic Ulcer Diseases in Dogs: A Review. Int. J Curr. Microbiol. App. Sci, 7(3), 2475-2501.